Arquivo diário: 30/07/2011

Festa em casa

Como na semana passada a Vestiário Feminino não foi publicada, nessa semana ela terá duas edições: uma hoje (sábado), e outra amanhã, a dominical.

E, como o título desta coluna diz, houve festa lá em casa. Há uma semana, no dia 23 de julho, aconteceu o All-Star Game da WNBA, o marco entre a primeira metade da temporada e sua continuação. O AT&T Center foi o ginásio escolhido para ser palco desse evento tão grandioso.

Elenco do Leste

Apesar de toda a pompa de donas da casa, nenhuma jogadora do San Antonio Silver Stars foi escolhida pelos fãs para ser titular da equipe do oeste. A que ficou mais próximo disso foi Becky Hammon, com o terceiro lugar na votação para armadoras. Ainda assim, Brian Agler selecionou a nossa camisa 25, mais a novata Danielle Adams, para fazerem parte do time reserva da conferência.

Elenco do Oeste, com Becky Hammon e Danielle Adams do San Antonio Silver Stars

Encontro das ex alunas da UConn em quadra.

Por que nenhuma Stars foi escolhida? Das cinco jogadoras selecionadas pelos fãs, quatro eram da Universidade de Connecticut, e a outra era… Candace Parker, que por incrível que pareça ultrapassou Lauren Jackson. Afinal de contas, “CP3” é americana, e da Universidade do Tennessee.

Neste ano, o evento do All-Star Game foi de quebra de tabus. Primeiro: há oito anos o jogo das estrelas acontecia apenas na conferência Leste. Segundo: a mesma conferência Leste ganhou o confronto. Essa foi apenas a terceira vez que isso aconteceu, das dez partidas entre os dois lados.

O placar final foi apertado e centenário: 118 a 113. Os times sempre estiveram perto um do outro, e Katie Douglas, do Indiana Fever, acertou a bola de três pontos que abriu a vantagem da vitória para o Leste. Mas confirmando a soberania do Oeste, Swin Cash foi mais uma vez MVP.

Entre todos os grandes nomes, dois deles, que não estavam no time titular, foram os únicos capazes de levar os gritos e aplausos dos espectadores às alturas mais elevadas do evento: Becky Hammon e Danielle Adams. No momento em que a ala-armadora entrou, a câmera não estava focada nela, e sim no fundo da quadra, com a voz de outra estrela da WNBA dando entrevista, porém os gritos e as palmas foram muito bem ouvidos, e então, ao fim da conversa, o narrador anunciou o óbvio: Hammon estava pronta para entrar em ação. E assim que entrou acertou uma bola de três pontos.

O San Antonio Silver Stars não é um dos times mais populares da WNBA, até por não ter títulos, mas tem uma das torcidas mais fieis, e as estrelas de casa sentiram isso.

Becky Hammon foi a unica jogadora do San Antonio Silver Stars de todos os tempos a ganhar esse título.

Outro momento que deixou o ânimos dos torcedores mais enfervecidos foi durante o intervalo entre o segundo e o terceiro quarto, quando as 15 melhores jogadoras de todos os tempos da WNBA foram anunciadas. Os fãs, jornalistas e especialistas votaram naquelas que melhor representaram a liga em seus 15 anos de existência, e a lista é de deixar qualquer gerente geral com vontade de colocar a mão no bolso. Os nomes delas são: Sue Bird, Tamika Catchings, Cynthia Cooper, Yolanda Griffith, Becky Hammon, Lauren Jackson, Lisa Leslie, Ticha Penicheiro, Cappie Pondexter, Katie Smith, Dawn Staley, Sheryl Swoopes, Diana Taurasi, Tina Thompson e Teresa Weatherspoon.

As 15 melhores jogadoras de todos os tempos da WNBA

Alguns dados sobre elas: cinco delas estão aposentadas (Cooper, Griffith, Leslie, Staley e Weatherspoon); a University of Southern California é a que tem mais representantes (Leslie, Cooper e Thompson); 14 já ganharam medalhas olímpicas (Penicheiro é a única que não ganhou com sua seleção, a de Portugal); apenas duas não são norte-americanas (Jackson e Penicheiro. Hammon tem dupla nacionalidade, mas nasceu nos Estados Unidos); e quatro já ganharam títulos da WNBA, da NCAA e medalhas nas Olimpíadas (Bird, Cooper, Swoopes e Taurasi).

A portuguesa, que apesar de muitos anos nos Estados Unidos não abre mão de sua nacionalidade, foi reconhecida por seu excelente trabalho

Todas elas receberam uma placa de vidro com a grafia da premiação e seu nome das mãos da presidente Laurel Richie. Foram nomeações justas, principalmente para Ticha Penicheiro. A portuguesa, simpaticíssima, já foi campeã com o Sacramento Monarchs, mas não é uma das mais badaladas da liga, mesmo sendo conhecida como “a rainha das assistências”. O que essa mulher faz nesse fundamento é sensacional.

Esse All-Star Game foi muito significativo, pois é o décimo deles (em 2004 e 2010 foram feitos eventos diferentes por causa das Olimpíadas e do Mundial Feminino de Basquete), e essa é a décima-quinta temporada da WNBA.

A festa foi muito boa, e o San Antonio Silver Stars continuou festejando. Confira amanhã como está o time na segunda edição dessa semana da Vestiário Feminino.

Becky Hammon e as super conhecidas torcedoras Blue Sisters na festa VIP em San Antonio

Abraços!
Roberta, #GoStarsGo

Anúncios