Análise dos novos jogadores

Andei meio ausente do blog nos últimos meses por motivos particulares, mas pretendo voltar aos poucos com notícias, colunas e tudo mais (estava no ritmo do locaute, na verdade). Vou aproveitar essa oportunidade para comentar um pouco sobre os novos jogadores do Spurs – os que chegam já na próxima temporada e os que devem vir ao longo dos próximos anos.

Estamos diante do futuro?

Kawhi Leonard

Todos sabiam que o San Antonio Spurs estava disposto a quase tudo para reformular parte de seu elenco. O que quase ninguém esperava, no entanto, era envolver o queridinho George Hill na brincadeira. Queridinho porque Gregg Popovich já falou por mais de uma vez que Hill era seu atleta preferido. Mas caramba, se o cara faz tanta diferença assim, trocá-lo é um bom negócio?

A resposta é sim! Por mais que o Hill seja um cara bacana, dedicado e ótimo defensor, às vezes é preciso fazer pequenos sacrifícios em nome de algo maior. Ninguém gostaria de negociá-lo, essa é a verdade, mas foi um movimento necessário, um legítimo sacrifício.

Vocês devem estar pensando: bom, para se livrar de um baita cara como o Hill, os dirigentes do Spurs devem ter trazido alguém pra lá de promissor. É verdade. Por mais que eu tenha visto o Kawhi Leonard apenas em vídeos, o que mais me impressionou foi o montante de críticas positivas que ele recebeu da mídia especializada norte-americana. Lembro-me de uma matéria (acho que da ESPN) em que nove dos dez comentaristas questionados sobre a troca afirmavam que R.C. Buford e companhia fizeram um bom negócio. Se os caras que realmente acompanham o dia-a-dia do basquete americano aprovaram em massa a transação, quem sou eu para falar o contrário.

Leonard chega ao Spurs para preencher um espaço vazio desde a saída de Bruce Bowen. Coincidentemente, desde que Bowen foi embora, Gregg Popovich nunca mais acertou o time. Falta aquele marcador insano que, além de grudar no melhor jogador adversário, ainda mata duas ou três bolinhas de três no ataque. Pensávamos que esse cara poderia ser o Richard Jefferson, mas em pouquíssimo tempo ele virou um estorvo sem fim, tanto que todos em San Antonio querem sua cabeça.

Na próxima temporada, Jefferson deverá ter minutos limitados. Apesar do altíssimo salário, o ala deverá jogar seus 15 minutos por noite – e olhe lá. Provavelmente ele ficará mofando no banco até o fim de seu contrato. Para piorar, nenhuma equipe que se preze aceitará negociar com o Spurs se continuarem insistindo em empurrá-lo goela abaixo. Ninguém é bobo e os engravatados texanos deveriam saber disso antes de pagarem uma bolada por um atleta que pouco mostrou em seu primeiro ano em San Antonio.

Bela foto!

Corey Joseph

A vinda de Corey Joseph mostra que o Spurs já havia planejado a troca de George Hill antes mesmo da noite do Draft. Joseph, segundo os especialistas norte-americanos, tem basicamente as mesmas características do seu antecessor – boa defesa e um bom chute de longa distância, além de um senso de liderança diferenciado.

É bom saber que houve um planejamento e que nada foi feito de forma precipitada. Caso contrário, poderíamos ter Tony Parker como titular e um Jacque Vaughn da vida como suplente imediato. Nós já passamos por isso recentemente, e quem acompanha o time há algum tempo sabe como é desgastante ter um armador limitado como primeiro reserva.

O que nós esperamos do Corey Joseph é que ele consiga desenvolver seu basquete da mesma maneira que o George Hill. É bom ressaltar que, quando desembarcou em San Antonio, o ex-número três era um total desconhecido vindo de uma universidade menos conhecida ainda. Joseph, por outro lado, vem de uma escola mais tradicional e conseguiu um bom trabalho por lá (isso é animador).

Novo Nowitzki ou novo Bonner?

Davis Bertans

No meu ponto de vista, a grande cartada da patota de R.C Buford foi adquirir esse Davis Bertans na noite do Draft. Antes do recrutamento, muitos diziam que a equipe havia prometido selecioná-lo com a escolha de primeira rodada.

O Draft foi passando, passando, passando, e quando chegou a vez do Spurs o escolhido foi Corey Joseph. Mais algumas escolhas passaram e nada de Bertans ser selecionado. A angústia do jovem só terminou quando a vez dos texanos chegou novamente.

Vindo do pouco representativo basquete da Letônia, Bertans é uma das grandes promessas do basquete europeu. Alguns o comparam com Dirk Nowitzki, embora eu ache que isso seja um pouco exagerado. Assisti alguns vídeos dele e também uns poucos jogos do recente Mundial Sub-19. Davis é claramente talentoso e tem um ótimo arremesso de longa distância. Podemos dizer que ele até tem um estilo semelhante ao Dirk Nowitzki, mas ainda é MUITO cedo para comparar.

Como todo jovem, Bertans ainda é cru – tenta arremessos precipitados e é bem inconstante, algo que tempo e experiência felizmente podem corrigir. A tendência é que ele fique na Europa por mais uns três ou quatro anos antes de fazer o esperado salto para a NBA. Em San Antonio, esperam que ele consiga desenvolver seu basquete no Velho Continente a ponto de se tornar uma estrela por lá. Particularmente, acho que há grandes chances disso acontecer. Como vocês podem perceber, estou bastante esperançoso com esse cara.

Ei, te conheço de algum lugar! (Lorbek à esquerda)

Erazem Lorbek

O esloveno Erazem Lorbek vem daquele mesmo pacote que trouxe Kawhi Leonard para o Texas. Trata-se de um jogador rodado, mas a dúvida que fica é: quando ele virá para a NBA? Bem, a verdade é que Lorbek talvez nunca pise no AT&T Center. Isso porque ele é querido na Espanha, mais especificamente no milionário Barcelona, e tem proposta para ficar por lá até 2013. Eu até gostaria que ele viesse já na próxima temporada, mas temos que ser realistas: acho o negócio bem complicado e, se fosse apostar, diria que ele ficará na Europa.

Nada além de promessa

Adam Hanga

R.C Buford chutou o balde ao recrutar o armador Adam Hanga. O atleta vem de uma escola ainda menos tradicional que Davis Bertans – a Hungria. Assim como Lorbek, o armador talvez nunca pise em solo americano para jogar basquete – seguirá o caminho de outros tantos que foram draftados e permaneceram na Europa por longos anos, como é o caso de Robert Javtokas e Viktor Sanikidze.

Por outro lado, Hanga parece determinado. Recentemente, ele esteve em San Antonio e parece ter agradado a todos por lá. Por vídeos, trata-se de um atleta interessante, mas ainda bem cru. Caso consiga uma boa equipe nos próximos anos e desenvolva seu jogo, tem chances de se juntar ao elenco texano em cerca de quatro ou cinco anos. Mas nutrir esperanças nesta aposta é loucura. Como disse, é só uma aposta.

Para concluir

Como vocês podem perceber, fiquei satisfeito com os movimentos recentes do San Antonio Spurs no draft. Fico triste pela saída do George Hill, que era um grande cara, mas penso que grandes equipes tem que pensar à frente. A aposta em jovens jogadores pode dar errado? Claro! Mas pelo menos tentaram alguma coisa. Com a mesma equipe que tínhamos na última temporada, as chances de título eram muito pequenas. Faríamos uma boa campanha na fase regular, mas na hora do “vamo ver” seríamos eliminados novamente.

Sobre Bruno Pongas

Acompanha o San Antonio Spurs desde 1998, escreveu para o Spurs Brasil entre 2008 e 2012, criou o Destino Riverwalk e o podcast Cultura Pop, e agora está de volta ao Spurs Brasil para dar seus pitacos sobre o maior do Texas.

Publicado em 14/07/2011, em Draft, Na linha dos 3 e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.