Arquivo diário: 06/07/2011

Bertans dá adeus com pontaria descalibrada

Acabou para o menino Bertans

A Letônia do ala Davis Bertans – selecionado pelo San Antonio Spurs na 42ª escolha do último Draft – se despediu com derrota do Mundial Sub-19, disputado no próprio país europeu. Nesta quarta-feira, os letões entraram em quadra já eliminados diante da Rússia, e acabaram perdendo por 73 a 63.

Bertans não fez uma boa partida. O ala anotou somente sete pontos – foi apenas o quinto da equipe neste quesito. Os arremessos de três, sua principal arma, não funcionaram: o atleta acertou só um dos sete que tentou. O jogador ainda pontuou com uma boa de dois pontos – tentou quatro no jogo – e dois lances livres – cobrou quatro na partida. Ao menos, Bertans contribuiu com sete rebotes, cinco assistências, um toco e uma roubada de bola em um total de 32 minutos de quadra.

Com isso, Bertans termina a segunda fase do Mundial com médias de 13,2 pontos (32,6% FG, 24,4% 3 PT, 75% FT), sete rebotes, 1,5 assistências, uma roubada e 0,5 tocos em aproximadamente 31 minutos por exibição.

Após perder para a Argentina na prorrogação, o Brasil também está eliminado da competição. Assim, o Spurs Brasil termina aqui sua cobertura do Mundial Sub-19. Não perca, a partir do dia 14, tudo sobre a divisão B do Europeu Sub-20, competição em que Ryan Richards vestirá as cores da Grã-Bretanha.

Spurs Brasil entrevista Tiago Splitter

Traduzido para o inglês (English version)

Tiago Splitter se apresentou na última segunda-feira (4) à Seleção Brasileira comandada por Rúben Magnano. A equipe inicia os trabalhos de preparação para o Pré-Olímpico de Mar Del Plata, que será disputado em setembro. Na terça, foi dia de realizar exames médicos, e o Spurs Brasil aproveitou para bater um papo com o pivô.

Ele falou sobre sua primeira temporada no San Antonio Spurs, o locaute e a expectativa para a competição na Argentina, que pode colocar o Brasil de volta em uma Olimpíada após 16 anos de ausência. O resultado do bate-bapo vocês podem conferir no texto a seguir, ou então em áudio no player que aparece ao final desta entrevista.

Spurs Brasil – Qual o balanço que você faz da sua primeira temporada com o San Antonio Spurs?

Tiago Splitter – Eu comecei com um problema de lesão, vim bastante desgastado da minha temporada na Espanha e em sequência teve o Mundial, que eu não pude jogar 100%. Isso pesou muito na pré-temporada e recaiu em uma lesão justamente quando eu estava começando minha carreira na NBA. Mas felizmente eu pude me recuperar, pude ajudar o time em alguns momentos da temporada. Talvez eu não tive os minutos que eu queria, mas é normal na condição de novato que eu era e jogando em um time conservador, do Popovich, eu acho que isso é uma coisa normal e eu aceito a decisão dele. Eu espero continuar melhorando. Acho que tanto dentro como fora das quadras aprendi muitas coisas e espero continuar melhorando na próxima temporada, estar um pouquinho mais ativo nos jogos e poder ajudar o Spurs a ganhar mais jogos.

SB – Como é trabalhar com o Popovich? Como é a relação com ele dentro e fora de quadra?

TS – Ele, dentro da quadra, é um cara muito exigente, pede muito as coisas do basquete. Acho que isso é normal e é necessário, dentro do grupo, ter um líder como ele no Spurs. Fora da quadra, excepcional. Todo mundo me tratou bem, não só ele, mas fui bem tratado desde o primeiro dia e me sinto realmente bem em San Antonio, como se eu estivesse em casa. Espero poder estar lá muitos anos ainda.

SB – Como é a sua relação com o Tim Duncan? Ele tenta te ensinar algumas coisas? O que você já aprendeu com ele nesta temporada?

TS – Ele é um dos grandes jogadores da história da NBA, isso daí ninguém discute. Para mim foi muito gratificante jogar com ele, aprender a atitude que ele tem tanto fora como dentro da quadra. Eu acho que, neste aspecto, a gente até é parecido. Espero poder contar com ele pelo menos mais um ano, que ele tem de contrato. Obviamente que ele não é mais o garoto de 22, 23 anos quando estava melhor fisicamente, mas ele ainda tem muito basquete, conhece o jogo mais do que ninguém e espero que ele possa ajudar este ano com sua experiência na NBA, não só a mim, mas aos outros jogadores.

SB – E o Manu Ginobili? Provavelmente ele estará no Pré-Olímpico e vocês, que estão acostumados a jogar juntos, terão de se enfrentar. Como será para você enfrentar um companheiro?

TS – Realmente ele é um jogador diferenciado. Acho que é o único jogador no mundo que tem Euroliga, NBA e Olimpíada como títulos… Então, realmente é difícil parar ele. Mas acho que tanto eu como o Rúben (Magnano) trabalhamos com ele e os demais jogadores da Argentina, então vamos ter que ralar bastante para defender eles e ganhar deles lá na Argentina.

SB –  De que forma essa sua participação na Seleção pode te ajudar em San Antonio? Não houve nenhum tipo de impedimento por parte do Spurs? De que forma a equipe lida com a questão de ceder seus jogadores para as seleções nacionais?

TS – Eu acho que ninguém gosta que o seu jogador, que está no seu time, jogue com a sua seleção nacional. Mas eles respeitam minha decisão, sabem que eu tenho vontade de jogar com a seleção. Acho que todo mundo já estava mais ou menos consciente da situação que ia existir do locaute, então é também uma forma de eu me manter dentro do basquete, me manter em forma e com a mentalidade de jogador de basquete, não só estar treinando individualmente em uma quadra. Então poder estar jogando jogos importantes e decisivos também vai ajudar na minha carreira.

SB – Com o locaute sendo decretado oficialmente, uma questão polêmica era a do seguro dos jogadores. De que maneira isso foi resolvido para você estar aqui servindo a seleção?

TS – Bom… Eu não vou falar qual foi a maneira, mas foi resolvido. Essa é a questão e é por isso que eu estou aqui. Faz tempo que a gente está atrás disso e foi resolvido.

SB – Com o locaute instalado, ninguém ainda tem muita certeza do que vai acontecer. Existe a possibilidade de os atletas voltarem a atuar em equipes da Europa, ou voltarem a jogar em seus países, ou em outras equipes? O que os jogadores sabem a respeito desse assunto?

TS – Realmente a gente não sabe em que data a NBA e a associação de jogadores vão entrar em um acordo, isso não existe. Realmente existe uma incerteza muito grande ao redor disso e está tudo muito no ar. É claro que existe a possibilidade de você ir jogar na Europa, ou você vir jogar no Brasil, na China ou onde seja. Mas a minha mentalidade, no momento, é continuar no San Antonio Spurs. Acho que eles esperaram bastante por mim depois do Draft e eu quero respeitar isso, quero continuar lá. Vou trabalhar, depois da seleção, individualmente até a volta para estar pronto e estar em boas condições para a próxima temporada.

SB – No Pré-Olímpico, o que você espera do seu rendimento em quadra? Você e o Marcelinho Huertas talvez sejam os dois principais nomes desta Seleção e vêm com essa responsabilidade de liderar o time. Então, como vão lidar com essa responsabilidade? Ainda existe aquele entrosamento entre vocês da época que atuavam na Espanha?

TS – Com certeza. Eu acho que existe o entrosamento. A questão da responsabilidade, acho que é natural. Isso com o tempo acontece. Em outros anos eu era o 12º jogador, mas hoje em dia existe um peso diferente na seleção e a gente tem que tomar isso com naturalidade. A gente joga em um esporte coletivo, mas obviamente cada jogador sabe a sua responsabilidade dentro da quadra e eu sei qual vai ser a minha. Então, junto com o técnico, a gente vai formar um time capacitado para chegar bem ao Pré-Olímpico, e que todo mundo saiba o seu papel direitinho dentro de quadra.

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Bertans joga bem, mas Letônia está eliminada

É, não deu... (Foto: FIBA/Divulgação)

O Mundial Sub-19 acabou mais cedo do que o planejado para a Letônia. Os donos da casa perderam nesta terça-feira para a Polônia por 86 a 78 e, embora ainda tenham mais um jogo para realizar, não têm mais chances de classificação para as quartas de final.

Nem mesmo o bom desempenho de Davis Bertans foi suficiente para levar os letões à vitória. O jogador, selecionado pelo San Antonio Spurs no último Draft, deixou a quadra com um double double, 16 pontos e 11 rebotes, sendo o segundo cexstinha e o principal reboteiro da equipe.

Ao todo, Bertans permaneceu em quadra por 30 minutos até sair eliminado com cinco faltas. Neste período, tentou sete arremessos do perímetro e converteu três, mesmo números dos arremessos de dois pontos.

A Letônia volta a entrar em quadra nesta quarta, às 13h, quando enfrenta a Rússia. A partida tem influência direta na classificação do Brasil. Caso os letões superem os russos, os brasileiros, que pegam a Argentina na última rodada, estarão automaticamente classificados para as quartas de final.

E mais…

Spurs está de olho em Omri Casspi

http://nbastatsmanager.files.wordpress.com/2008/12/casspi-omri.jpgSegundo o jornalista Marc Stein, da ESPN norte-americana, o San Antonio Spurs não desistiu da contratação do israelense Omri Casspi, recentemente trocado para o Cleveland Cavaliers. Os texanos já teriam consultado o time de Ohio sobre a possibilidade de adquirí-lo para a próxima temporada.

Está não é a primeira vez que o nome de Casspi aparece em boatos relacionados ao Spurs. Pouco antes do Draft, rumores davam conta que por pouco o time de San Antonio e o Sacramento Kings, ex-equipe do ala, não fecharam uma troca envolvendo o israelense e o armador Tony Parker.

Parece que a paciência com Richard Jefferson acabou mesmo…