Arquivo diário: 21/06/2011

Draft 2011 – Alas

Hoje, o Spurs Brasil dá sequência à série de posts Na Linha dos 3 especiais sobre o Draft. Depois de falar dos armadores, é hora de analisar os prospectos de uma das posições mais carentes do elenco do San Antonio Spurs: a ala.

Capacidade defensiva, como a de Jimmy Butler, é o que o Spurs busca para a ala

Richard Jefferson, titular da função, nunca conseguiu render o esperado na equipe texana. Uma série de nomes – como Bobby Simmons, Ime Udoka e Larry Owens – foram testados, sem sucesso, para sua reserva na última temporada. Danny Green, que parace estar em alta com Gregg Popovich, já que ganhou chances nos playoffs, pode ser uma opção para o técnico, assim com Da’Sean Butler e James Anderson, que recentemente se recuperaram de lesão. Mesmo assim, a franquia texana pode usar uma de suas escolhas do próximo draft – o Spurs tem a 29ª e a 59ª – para selecionar um ala.

Vamos agora a uma lista de prospectos que passaram pela avaliação da comissão técnica do time texano nas últimas semanas. Vale lembrar que não vi nenhum destes jogadores em atividade – os textos foram baseados em pesquisa feita nos sites americanos NBADraft.net e DraftExpress.

Kyle Singler – Duke
Singler no Spurs é uma das apostas de sites americanos especializados em Draft. O ala – que também pode quebrar um galho como ala-pivô – tem como pontos fortes a inteligência, a habilidade nos passes e o arremesso. Sua velocidade, no entanto, é seu calcanhar de aquiles – o que não impede que o atleta seja esperado já a partir da 20ª escolha do próximo recrutamento. Em sua quarta e última temporada universitária, Singler disputou 37 jogos e apresentou médias de 16,9 pontos (43% FG, 32,1% 3 PT, 80,6% FT), 6,8 rebotes e 1,6 assistências em 34,8 minutos por exibição.
Status: Possível na primeira rodada

Chandler Parsons – Florida
Parsons é um ala muito versátil, que, apesar de alto para a posição três, conta com sua inteligência e sua habilidade nos passes, rara para a função, para se dar bem no perímetro. Por outro lado, o jogador, em um primeiro momento, parece fraco fisicamente para a NBA. Em sua quarta e última temporada no basquete universitário, Parsons disputou 36 jogos e anotou médias de 11,3 pontos (48% FG, 36,8% 3 PT, 55,7% FT), 7,8 rebotes e 3,8 assistências em 34,1 minutos por partida. Pode ser draftado entre o fim da primeira rodada e o começo da segunda.
Status: Provável na primeira rodada

Jimmy Butler – Marquette
Nativo do Texas, Butler chega ao Draft credenciado por sua disciplina tática. Além disso, tem na defesa, na inteligência e na capacidade de pegar rebotes seus pontos fortes. Em compensação, seu atleticismo e seu arremesso de três pontos estão entre suas fraquezas. Mesmo assim, é esperado já no início da segunda rodada. Na última temporada, Butler jogou 37 partidas e apresentou médias de 15,7 pontos (49% FG, 34,5% 3PT, 78,3% FT), 6,1 rebotes, 2,3 assistências e 1,4 roubadas de bola  em 34,6 minutos por exibição.
Status: Provável na primeira rodada

DeAndre Liggins – Kentucky
O jogador, que pode atuar nas posições 2 e 3, tem como ponte forte a principal característica que o Spurs procura em um ala: a defesa. Seu atleticismo também está entre os pontos fortes de seu jogo. Como fraqueza, especialistas apontam a falta de liderança dentro de quadra. Em sua última temporada – a terceira no basquete universitário – Liggins entrou em quadra em 38 oportunidades e apresentou médias de 8,6 pontos (42,4% FG, 39,1% 3 PT, 64,8% FT), quatro rebotes, 2,5 assistências e 1,4 roubadas de bola em 31,6 minutos por exibição. É esperado do meio para o fim da segunda rodada.
Status: Passa pela primeira rodada, possível na segunda rodada

David Lighty – Ohio
Mais um jogador que pode atuar nas posições 2 e 3 e mais um que tem na defesa seu ponto forte. Porém, Lighty tem ainda outra característica que o faria se encaixar bem no esquema tático do Spurs: o arremesso de longa distância. A força física e a inteligência também são virtudes do atleta, que tem como pontos fracos a falta de velocidade e controle de bola. Na temporada 2010/2011, sua última universitária, Lighty entrou em quadra em 37 oportunidades, anotando médias de 12,1 pontos (46,8% FG, 42,9% 3 PT, 62,7% FT), quatro rebotes, 3,3 assistências e 1,5 roubadas de bola em 32,1 minutos por exibição. Deve sair entre a 50ª e a 55ª escolha.
Status: Possível na segunda rodada

Anúncios