Arquivo diário: 12/06/2011

Alegria, confiança e surpresa

Alegria. Confiança. Surpresa. Três palavras que definem essa semana para o San Antonio Silver Stars.

O time não entrou em quadra até sexta-feira, mas, antes disso, esteve treinando e… festejando. O motivo da comemoração foram os torcedores, aqueles que compram ingressos para todos os jogos do Stars na temporada. Os Season Tickets Holders têm, anualmente, a chance de estar mais próximos de suas jogadoras preferidas nas festas preparadas pelo GM e técnico Dan Hughes. Nesse ano, a celebração, com o nome de Silver Stars Texas Shindig, foi no Wild West, bar country em San Antonio.

Dan abandonou o terno e a gravata divertida para vestir calça jeans, camisa salmão, jaqueta jeans da WNBA e bota marrom. “É uma chance para eu agradecer às pessoas. Toda vez que eu entro na arena, lá estão 20 mil pessoas para nos assistir, de braços abertos. E existe uma parte em mim que quer dizer ‘obrigado’”, disse Hughes.

Comida, bebida, jogos e dança agitaram a noite. Tully Bevilaqua foi a jogadora que mais entrou no clima, com calça jeans, camisa xadrez torcida sobre blusa preta e botas de cowboy.

Alegria para as jogadoras, o técnico e a torcida, que conseguiu autógrafos, fotos e até mesmo dançar com suas atletas prediletas.

Mas a alegria não ficou somente na pista de dança. Finalmente, depois de quase uma semana sem jogar, o Stars entrou em ação, na segunda partida contra o Tulsa Shock.

Na primeira, a equipe saiu com vitória de 20 pontos de diferença. No retorno, em Tulsa, a vantagem foi maior ainda. 31 pontos a mais no placar final, que foi de 93 a 62 (os mesmos 93 pontos a favor do outro jogo). O Silver Stars foi soberano e só deslizou no último quarto, quando as titulares (menos Roneeka Hodges) foram para o banco, e três calouras e uma reserva representavam o time.

Nenhum grande desafio até o momento para o Stars. O primeiro ainda estava por vir, no dia seguinte, contra o Atlanta Dream, vice-campeão da WNBA. Depois desse jogo, se fosse para comparar o San Antonio com algum time de futebol de alguma época do Brasil, seria o Santos de Neymar, Robinho, Ganso e André quando goleavam Brasil afora.

Aqui chega a surpresa. Tanto o placar final, que foi 86 para o Stars e 74 para o Dream, quanto (prepare seu coração) os 32 pontos da novata Danielle Adams. No último quarto enquanto esteve em quadra, a ala-pivô participava de todas as jogadas decisivas da equipe. 32 pontos. O time de casa (Atlanta) não conseguia passar pela defesa do Stars, que muitas vezes nem mesmo deixava os passes seguirem da linha de três pontos. Foi um quarto período EMOCIONANTE, apesar dos muitos erros de cada lado.

Resultados que trazem bastante confiança para o próximo jogo, contra um dos maiores rivais: o Phoenix Mercury, na sexta-feira, às 23h, em Phoenix.

O San Antonio Silver Stars está em primeiro lugar na conferência Oeste com, três vitórias e nenhuma derrota, a melhor campanha da temporada até agora.

PS: a votação para as titulares do All Star Game começou ontem, e o Stars tirou uma foto promocional que ficou exposta na capa do site WNBA.com.