Arquivo diário: 09/04/2011

Ele é o cara! É, ele mesmo!

O San Antonio Spurs garantiu nessa semana o primeiro lugar da Conferência Oeste. O lugar na tabela será importantíssimo em uma possível final contra o Los Angeles Lakers. Agora chegou a hora de pensar nos playoffs, momento para um famoso trio fazer sua parte: Tony Parker, Manu Ginobili e Tim Duncan têm uma de suas últimas chances para vencerem juntos. Porém, com a enorme gama de bons times que temos na NBA hoje, eles precisam de mais ajuda do que nunca. É é nessa deixa que George Hill pode brilhar.

Carinho é sempre bom

Ginobili, aos 33 anos, e Duncan, perto de completar 36, se apresentam longe a forma física ideal. Ao lado de Parker, ainda conseguem decidir jogos. Porém, como falei na semana passada, hoje em dia eles precisam que a equipe crie uma quarta força ofensiva, para tornar o ataque menos previsível e criar espaços para o trio brilhar. Durante a temporada regular, Gary Neal, Richard Jefferson, Matt Bonner e DeJuan Blair já exerceram esse papel. Porém, na pós-temporada, Hill é o mais confiável dessa lista para chamar a responsabilidade e ajudar a definir partidas.

O combo guard, que pode jogar de 1 e 2, apresenta nessa temporada médias de 11,7 pontos (45,7% FG, 38,9% 3 PT), 2,6 rebotes e 2,5 rebotes em 28,2 minutos por jogo. Além de ser a quarta alternativa do ataque, costuma comandar a equipe quando os titulares descansam, além de ser o melhor defensor de perímetro do elenco. Fatores que transformam seu desempenho em chave para o sucesso do time texano na pós-temporada.

No ano passado, o Spurs se classificou em sétimo no Oeste, e venceu o Dallas Mavericks, segundo colocado na oportunidade, por 4 a 2. É sensato, sem exageros, dizer que Hill foi o MVP daquela série. O jogador foi preciso no ataque, ajudando com bolas de três, e principalmente na defesa, exercendo o papel do saudoso Bruce Bowen nos playoffs. Em determinados momentos dos jogos, chegou até a marcar Dirk Nowitzki em seguidas posses de bola, minando as maiores vantagens que o ala-pivô rival leva sobre os adversários. No post, Dirk tinha dificuldades para se apoiar em um adversário mais baixo, e sua agilidade fora do comum para um big man era minada por um marcador bem mais rápido.

Em uma possível série contra o Memphis Grizzlies, possível adversário de primeira rodada, essa mudança de papéis será impossível. Como Rudy Gay está machucado, o principal jogador do time é Zach Randolph, que atua muito mais perto da cesta que Nowitzki. Se o técnico Gregg Popovich colocar Hill para marcá-lo, o Spurs vai ter muitos problemas com rebotes. O atleta do time texano, assim, pode tomar conta do armador Mike Conley, deixando Tony Allen a cargo de Parker e Sam Young sendo marcado por Ginobili.

O outro possível rival do Spurs na primeira rodada é o New Orleans Hornets – que eu considero muito mais fácil. Nesta potencial série, sem dúvidas Hill teria de concentrar seus esforços para limitar ao máximo o craque Chris Paul, deixando Parker marcar Marco Belinelli e Ginobili guardar Trevor Ariza.

Anúncios

Dr. J coloca Spurs como favorito ao título do Oeste

Ele sabe o que diz!

Muitas vezes taxado de time chato, o San Antonio Spurs possui alguns admiradores. Um deles é o lendário Julius Erving, o “Dr. J”. Em entrevista recente ao The New York Times, o ex-jogador revelou que gosta bastante de assistir aos jogos dos comandados de Gregg Popovich.

“Eu gosto do Spurs. Eles jogavam muito com Tim Duncan de costas para a cesta, mas agora mudaram e se espalham por toda a quadra. Tony Parker conduz o time, enquanto Manu Ginobili faz qualquer outra coisa. Duncan participa bem menos do que já participou um dia”, avaliou o ex-astro.

Segundo ele, o San Antonio Spurs é favorito na Conferência Oeste. “A equipe está muito bem, acho que eles levam o Oeste”. No entanto, para Dr. J, o grande favorito ao título é o Boston Celtics. “Eles (Boston) têm uma grande chance, já que têm mais profundidade no elenco. Eu gosto do que Doc Rivers está fazendo: ele está descansando seus jogadores cedo para tê-los inteiros no final. Além disso, eles sabem o que fazer para vencer”, finalizou.

Spurs (60-19) vs Jazz (37-42) – Temporada Regular

San Antonio Spurs vs Utah Jazz – Temporada Regular

Data: 09/04/2011

Horário: 21:30 (Horário de Brasília)

Local: AT&T Center

Garantido no primeiro lugar do Oeste, o San Antonio Spurs agora briga para se manter na liderança geral da NBA. Na briga está o Chicago Bulls, que tem apenas uma derrota a mais que os texanos na temporada. Jogando em casa e contra um Utah Jazz já eliminado, uma vitória é fundamental caso a equipe queira se manter no topo da liga.

Confrontos na temporada (2-0)

19/11/2010 – Spurs 94 @ 82 Jazz

Fazendo um começo de temporada arrasador, o San Anotnio Spurs passou fácil pelo Jazz, e pela primeira vez ha história venceu 10 dos primeiros 11 jogos da temporada. Na partida, Tim Duncan tornou-se o maior pontuador da história equipe texana e  aquele que mais partidas jogou na NBA, ao alcançar as marcas de 20.797 pontos e 988 partidas disputadas.

26/01/2011 – Spurs 112 @ 105 Jazz

Segurando o ímpeto do Jazz no último quarto, o Spurs garantiu a segunda vitória sobre o rival na temproada. Nem mesmo os 34 pontos de Deron William, na época ainda armador do time de Salt Lake City, foram suficientes para que o time azul e branco conquistasse a vitória. Manu Ginobili foi o cestinha do Spurs, com 26 pontos anotados.

PG – Tony Parker

SG – Manu Ginobili/George Hill

SF – Richard Jefferson

PF – Tim Duncan

C – Antonio McDyess

Fique de Olho – Em sua terceira temporada na NBA, George Hill vem mostrando grande maturidade, e é peça fundamental na ótima campanha do Spurs na temporada. Vindo do banco e revezando com Tony Parker e Manu Ginobili, Hill desenvolve importante trabalho defensivo, e no ataque é uma arma confiável tanto nos arremessos de três pontos como nas bandejas.

https://i1.wp.com/l.yimg.com/a/i/us/sp/v/nba/teams/1/80x60/uth2.gif

PG – Devin Harris

SG – C. J. Miles

SF – Gordon Hayward

PF – Paul Millsap

C – Al Jefferson

Fique de Olho – Efetivado como titular após a saída de Carlos Boozer, Paul Millsap faz sua melhor temporada da carreira, com médias de 17,4 pontos e 7,7 rebotes em 34,4 minutos por jogo. Eficiente no jogo de média distância e bom reboteiro, Millsap requer cuidado tanto perto como um pouco mais distante da cesta.