Hora dos coadjuvantes brilharem

Há cerca de duas semanas, parecia certo que o San Antonio Spurs teria a melhor campanha da NBA. Mas aí veio a entorse de Tim Duncan e as seis derrotas seguidas – pior sequência da franquia desde que The Big Fundamental foi draftado – e este status está mais ameaçado do que nunca. Em momentos muito melhores, Chicago Bulls e Los Angeles Lakes aparecem apenas um jogo atrás – e ainda resta um confronto direto contra o segundo. É, amigo!

Eles precisam de ajuda

Se pararmos para analisar friamente, as derrotas parecem até normais. Nada de errado em perder para Nuggets, Blazers e Grizzlies sem Duncan. Na segunda partida contra o time de Portland, além do camisa 21, Tony Parker, Manu Ginobili e Antonio McDyess ficaram de fora. Contra o Celtics, o Spurs estava completo, mas perdeu para uma das melhores equipes da liga. A derrota para o Rockets, nono colocado na Conferência Oeste, é um pouco mais incomum – o alvinegro texano vencera os outros três duelos na temporada – mas ainda assim, trata-se de um clássico, disputado na casa do adversário, no segundo jogo de um back-to-back. O que assusta é a sequência. Mas, apesar de tudo, acho que é o desempenho que tem de preocupar, e não necessariamente os resultados.

O que de mais assustador pudermos ver nestes dois últimos jogos, contra Celtics e Rockets, quando o Spurs teve todo seu elenco disponível, foi a queda no rendimento dos coadjuvantes. Contra o time de Boston, apenas Parker e Duncan jogaram perto do ideal, com Richard Jefferson conseguindo ajudar um pouco. Ontem, além do Big Three – Parker, Manu e Duncan tiveram bom desempenho – só Gary Neal chegou aos dígitos duplos ao anotar dez pontos. Pouco para um time que quer o anel.

Neal, Jefferson e Matt Bonner têm que aprender a converter arremessos  quando pressionados. Sua pontaria é fundamental para abrir espaço para as investidas de Parker e Manu e para o trabalho de Duncan debaixo da cesta. Sem as bolas de três caíndo, o ataque do Spurs torna-se mais previsível e mais fácil de defender. Além disso, DeJuan Blair não pode se desanimar por ter perdido seu lugar no time titular, e tem que voltar a pontuar. E George Hill, que brilhou na ausência das três estrelas, tem de achar uma forma de atuar bem também ao lado delas.

Neste domingo, o Spurs recebe o Phoenix Suns numa boa oportunidade para voltar a vencer. Mas, para isso, Neal, Jefferson e Bonner têm de converter seus arremessos. O último provavelmente vai ficar bastante tempo em quadra para marcar Channing Frye, já que é o único Big Man do Spurs que transita bem pelo perímetro. Hill tem de marcar Steve Nash como se fosse um jogo de playoff. E Blair tem de pontuar contra a frágil linha de frente do Suns. Só com ajuda dos coadjuvantes o Big Three pode ter espaço para brilhar.

Sobre Lucas Pastore

Um dos fundadores do Spurs Brasil. Formado em Jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie em 2010, é editor assistente do UOL Esporte. Cobriu o basquete olímpico na Olimpíada de 2016 pelo LANCE!. Trabalhou também para Basketeria e mob36.

Publicado em 02/04/2011, em Na linha dos 3. Adicione o link aos favoritos. 10 Comentários.

  1. Bonner nao jogar seria uma melhor opção. Neal nunca pipoca, ele erra os arremeço mas continua tentando, diferente de RJ e Hill

  2. Eu ainda acho q o Gregg viaja um pouco tb….

  3. O Bonner começou a cair de rendimento depois daqle jogo q ele acertou uns 818 chutes de 3.
    Espero q quebre essa sequencia de derrotas já.

  4. Bruno Lorscheiter Alves

    Neal não pipoca, mas força umas jogadas q tá louco…

  5. Diego Sacramento

    Falam sobre o Neal ae , E o Richard Jefferson que é o CANCER do Time? Não Pega Rebote , Não faz Ponto , Não Defende … Ou seja ele não faz nada … QUE SAUDADES DO BOWEN! Com R.Jefferson fica dificil ser campeão! Gary Neal tá MUITO melhor que ele , Booner jogar mais que o Splitter nao da pra entender … Mas fazer oq? Quem manda é o Pop!

  6. Felipe Borba

    Acho que o Pop é cabeça dura demais para mudar estratégias táticas e rotações tão perto dos playoffs,ate porque tava funcionando ate a inacreditavel queda de rendimento de alguns jogadores

  7. Não consigo imaginar o Spurs com um L6… principalmente agora no final da temporada, qdo o 1ºlugar da conferência tava praticamente garantido. Popovich não deixaria isso acontecer, mesmo com alguns desfalques. Pode ser paranóia minha, mas acho tudo isso mto estranho…sempre que o lakers entra numa boa sequencia os outros principais times da nba começam a jogar mal…

  1. Pingback: Ele é o cara! É, ele mesmo! | Spurs Brasil – O seu site de notícias em português sobre o San Antonio Spurs

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s