Hora dos coadjuvantes brilharem

Há cerca de duas semanas, parecia certo que o San Antonio Spurs teria a melhor campanha da NBA. Mas aí veio a entorse de Tim Duncan e as seis derrotas seguidas – pior sequência da franquia desde que The Big Fundamental foi draftado – e este status está mais ameaçado do que nunca. Em momentos muito melhores, Chicago Bulls e Los Angeles Lakes aparecem apenas um jogo atrás – e ainda resta um confronto direto contra o segundo. É, amigo!

Eles precisam de ajuda

Se pararmos para analisar friamente, as derrotas parecem até normais. Nada de errado em perder para Nuggets, Blazers e Grizzlies sem Duncan. Na segunda partida contra o time de Portland, além do camisa 21, Tony Parker, Manu Ginobili e Antonio McDyess ficaram de fora. Contra o Celtics, o Spurs estava completo, mas perdeu para uma das melhores equipes da liga. A derrota para o Rockets, nono colocado na Conferência Oeste, é um pouco mais incomum – o alvinegro texano vencera os outros três duelos na temporada – mas ainda assim, trata-se de um clássico, disputado na casa do adversário, no segundo jogo de um back-to-back. O que assusta é a sequência. Mas, apesar de tudo, acho que é o desempenho que tem de preocupar, e não necessariamente os resultados.

O que de mais assustador pudermos ver nestes dois últimos jogos, contra Celtics e Rockets, quando o Spurs teve todo seu elenco disponível, foi a queda no rendimento dos coadjuvantes. Contra o time de Boston, apenas Parker e Duncan jogaram perto do ideal, com Richard Jefferson conseguindo ajudar um pouco. Ontem, além do Big Three – Parker, Manu e Duncan tiveram bom desempenho – só Gary Neal chegou aos dígitos duplos ao anotar dez pontos. Pouco para um time que quer o anel.

Neal, Jefferson e Matt Bonner têm que aprender a converter arremessos  quando pressionados. Sua pontaria é fundamental para abrir espaço para as investidas de Parker e Manu e para o trabalho de Duncan debaixo da cesta. Sem as bolas de três caíndo, o ataque do Spurs torna-se mais previsível e mais fácil de defender. Além disso, DeJuan Blair não pode se desanimar por ter perdido seu lugar no time titular, e tem que voltar a pontuar. E George Hill, que brilhou na ausência das três estrelas, tem de achar uma forma de atuar bem também ao lado delas.

Neste domingo, o Spurs recebe o Phoenix Suns numa boa oportunidade para voltar a vencer. Mas, para isso, Neal, Jefferson e Bonner têm de converter seus arremessos. O último provavelmente vai ficar bastante tempo em quadra para marcar Channing Frye, já que é o único Big Man do Spurs que transita bem pelo perímetro. Hill tem de marcar Steve Nash como se fosse um jogo de playoff. E Blair tem de pontuar contra a frágil linha de frente do Suns. Só com ajuda dos coadjuvantes o Big Three pode ter espaço para brilhar.

Anúncios

Sobre Lucas Pastore

Um dos fundadores do Spurs Brasil, seu maior orgulho na carreira jornalística. Formado em Jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie em 2010, é redator do UOL. Cobriu o basquete olímpico na Olimpíada de 2016 pelo LANCE!. Trabalhou também para Basketeria e mob36.

Publicado em 02/04/2011, em Na linha dos 3. Adicione o link aos favoritos. 10 Comentários.

  1. Bonner nao jogar seria uma melhor opção. Neal nunca pipoca, ele erra os arremeço mas continua tentando, diferente de RJ e Hill

  2. Eu ainda acho q o Gregg viaja um pouco tb….

  3. O Bonner começou a cair de rendimento depois daqle jogo q ele acertou uns 818 chutes de 3.
    Espero q quebre essa sequencia de derrotas já.

  4. Bruno Lorscheiter Alves

    Neal não pipoca, mas força umas jogadas q tá louco…

  5. Diego Sacramento

    Falam sobre o Neal ae , E o Richard Jefferson que é o CANCER do Time? Não Pega Rebote , Não faz Ponto , Não Defende … Ou seja ele não faz nada … QUE SAUDADES DO BOWEN! Com R.Jefferson fica dificil ser campeão! Gary Neal tá MUITO melhor que ele , Booner jogar mais que o Splitter nao da pra entender … Mas fazer oq? Quem manda é o Pop!

  6. Felipe Borba

    Acho que o Pop é cabeça dura demais para mudar estratégias táticas e rotações tão perto dos playoffs,ate porque tava funcionando ate a inacreditavel queda de rendimento de alguns jogadores

  7. Não consigo imaginar o Spurs com um L6… principalmente agora no final da temporada, qdo o 1ºlugar da conferência tava praticamente garantido. Popovich não deixaria isso acontecer, mesmo com alguns desfalques. Pode ser paranóia minha, mas acho tudo isso mto estranho…sempre que o lakers entra numa boa sequencia os outros principais times da nba começam a jogar mal…

  1. Pingback: Ele é o cara! É, ele mesmo! | Spurs Brasil – O seu site de notícias em português sobre o San Antonio Spurs

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s