Arquivo diário: 12/02/2011

Spurs (44-9) @ Wizards (14-37) – Temporada regular

San Antonio Spurs @ Washington Wizards – Temporada Regular

Data: 12/02/2011

Horário: 23h00 (Horário de Brasília)

Local: Verizon Center

Em meio à Rodeo Trip, o Spurs atravessa o complicado momento no qual encara quatro partidas em cinco dias. O duelo de hoje marca o último jogo dessa sequência, que até agora tem o retrospecto de duas vitórias e uma derrota. O revés, inclusive, veio na noite de ontem, quando o Spurs acabou derrotado pelo Sixers. Agora, na capital dos Estados Unidos, os texanos têm a chance de se recuperar.

Confrontos na temporada (1-0)

26/12/2010 – Spurs 94 vs 80 Wizards

No primeiro encontro entre as equipe na temporada, Tony Parker e Manu Ginobili comandaram a fácil vitória do Spurs no AT&T Center. O argentino anotou 21 pontos e o francês conseguiu um double-double, com 20 pontos e 14 assistências.

PG – Tony Parker

SG – Manu Ginobili

SF – Richard Jefferson

PF – Tim Duncan

C – DeJuan Blair

Fique de Olho – Blair vem atravessando o seu melhor momento na atual temporada. Nas última quatro partidas, o jovem jogador acumula médias de 16 pontos e 12,2 rebotes, bem acima dos 8,5 pontos e 7,3 rebotes que soma na temporada.

https://i1.wp.com/l.yimg.com/a/i/us/sp/v/nba/teams/20080123/80x60/was.gif

PG – John Wall

SG – Nick Young

SF – Rashard Lewis

PF – Andray Blatche

C – JaVale McGee

Fique de Olho – Fazendo a melhor temporada de sua carreira, o ala-armador Nick Young tem se tornado a principal arma ofensiva do Wizards. Com média de 17,6 pontos por jogo, o jogador é extramente versátil no ataque, pontuando tanto com arremessos como em investidas para a cesta.

Fim de semana incrível

Se na quarta-feira um fanático por basquete falasse: “Até sábado, o Jerry Sloan vai ser demitido do Utah Jazz, e o San Antonio Spurs vai perder um jogo no mesmo dia em que o Cleveland Cavaliers vai vencer”, provavelmente ele perderia bastante credibilidade. Mas ele estaria certo: essa sequência de fatos incríveis aconteceu em pouquíssimo tempo. Só para se ter uma ideia, em um cálculo simplório: levando em conta as campanhas do Spurs e do Cavs, a chance do time texano perder um jogo e, na mesma rodada, ver uma vitória da equipe de Ohio é de 2,8%. Por isso, vou usar este espaço hoje para comentar a trinca de eventos improváveis desse final de semana.

Jamison mal lembrava de como é ser feliz

Vamos começar com o menos absurdo dos três: o Spurs ser derrotado, fora de casa, para um boa equipe, o Philadelphia 76ers, que venceu sete de suas últimas dez partidas. Nada de desespero – foi apenas a nona derrota da equipe texana na temporada – que segue com a melhor campanha da NBA, até com certa folga – e apenas o segundo revés do time na Rodeo Trip, que, enfim, termina na próxima quinta-feira.

O que pode colocar uma pulga atrás da orelha dos mais desavisados foi a falta de energia da equipe, que não conseguiu pôr fogo no jogo em nenhum momento da partida. Mas isso é normal; o Spurs está em meio a uma viagem longa, atravessando um sempre desgastante 4in5 (quatro jogos em cinco dias) e com o elenco encurtado, desfalcado de James Anderson e Tiago Splitter. É natural que os jogadores da equipe – muitos, já com idade avançada – demonstrem algum cansaço, ou até mesmo tentem se poupar para jogos mais difíceis da viagem, como o da próxima quinta-feira, contra o Chicago Bulls.

Sobre Jerry Sloan, que saiu do Utah Jazz após 23 anos (eu tenho 22!), pouco posso comentar. Do Brasil, é difícil sabermos com clareza o que aconteceu – rumores denunciam um possível atrito com Deron Williams. Se for isso mesmo, será que foi a escolha certa se livrar do técnico? Quem o time vai pôr no lugar? Será que tentar trocar Deron Williams – o que, certamente, geraria boas moedas de troca – não seria melhor negócio?

Mas é bem verdade que há algum tempo o Jazz não briga pelo título, não sai do lugar, pouco evolui com um esquema de jogo fixo e que não levou essa safra a lugar nenhum. Vale lembrar que essa não é a primeira vez que um jogador do time tem problemas com Sloan – Andrei Kirilenko foi outro a queixar-se do treinador. Talvez o relacionamento estivesse mesmo desgastado e uma mudança de ares fosse necessária.

Por fim, confesso que vibrei com a vitória do Cleveland Cavaliers. Principalmente por conta do técnico Byron Scott, que eu considero um dos melhores da atual NBA – mesmo com essa campanha horrorosa. É bem verdade que o time de Ohio não briga mais por absolutamente nada nesta temporada, mas tratam-se de jogadores profissionais que, sem dúvida, tiraram um peso enorme das costas.

Só lamento que essa vitória tenha saído das costas de Mo Williams e Antawn Jamison, jogadores caros, de idade avançada e que, com certeza, não têm mais nada a acrescentar para o Cleveland Cavaliers. Duas peças que podem se encaixar bem em um time bom, mas que pouco podem fazer em uma equipe como esta. Acho que era hora da franquia abrir espaço para seus jovens jogadores, como Ramon Sessions e J.J. Hickson. Quem sabe, com o fim do tabu – e a consequente queda na pressão – estes atletas não tenham mais chances…

Spurs (44-9) @ 76ers (25-28) – O retrospecto se mantém

71X77

O Wells Fargo Center é um lugar pouco agradável para o San Antonio Spurs, que sofreu sua nona derrota para o Philadelphia 76ers nas últimas onze visitas que fez ao ginásio. Essa foi a pior partida ofensivamente pra o Spurs na temporada, com o menor número de pontos e a pior procentagem de acerto de arremessos.

O trio nem queria ver a partida ... (Foto por Matt Slocum/AP Photo)

Gregg Popovich colocou em quadra os titulares de sempre: Tony Parker, Manu Ginobili, Richard Jefferson, Tim Duncan e DeJuan Blair. O Spurs iniciava uma noite incomum, cometando erros de ataque e falhando nos arremessos, o que permitiu que os donos da casa abrissem boa dianteira, embalados por 13 pontos anotados por Jrue Holiday. Com seis turnovers, o San Antonio fechou o primeiro quarto perdendo: 22 a 27.

... e McDyess tentou se esconder na torcida pela jogo horrível do Spurs (Foto por Matt Slocum/AP Photo)

O time texano conseguiu reagir na partida, melhorando sua defesa e reduzindo a porcentagem de acerto do 76ers de 50% do primeiro para 35% no segundo período. Com 15 pontos anotados pela dupla Antonio McDyess e Duncan e uma cesta de três de Gary Neal no estouro do cronômetro, os visitantes foram para o intervalo empatados em 46 a 46.

Ao retornar dos vestiários, o que se viu em quadra nem de longe parecia com um jogo de basquete. Até a metade do terceiro quarto, as duas equipes haviam acertado apenas três arremessos juntos. Ao final desse tempo desastroso, o Spurs acertou apenas 18,2% de suas tentativas, mas o Philadelphia também estava distante de fazer uma grande partida ofensivamente e chegou à parte final do jogo vencendo apenas por 58 a 60.

A partida se encaminhava para um fim melancólico; ganharia aquele que fosse menos pior nos arremessos, e o 76ers foi quem conseguiu essa diferença. Com seu número de pontos mais baixo e o pior aproveitamento nos arremessos na temporada – 33,3% apenas -, o San Antonio perdeu sua nona partida na temporada, a oitava seguida em Philadelphia e a segunda durante a Rodeo Road Trip, com o placar de 71 a 77.

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

Tim Duncan – 16 pontos e 13 rebotes (seis ofensivos)

Antonio McDyess – 11 pontos e 11 rebotes

Gary Neal – 11 pontos

DeJuan Blair -13 rebotes (cinco ofensivos)

Philadelphia 76ers

Jrue Holiday – 27 pontos, três roubos de bola e 64,3% (9-14) nos arremessos de quadra

Spencer Hawes – 13 pontos e oito rebotes

Elton Brand – 17 rebotes