Cobertor curto?

Muitas das 37 vitórias que o San Antonio Spurs conseguiu até aqui nesta temporada da NBA vieram graças ao banco do time. George Hill, Gary Neal e Matt Bonner figuram entre os protagonistas dos reservas da equipe, que, até aqui, vêm dando conta do recado quando os importantíssimos Tony Parker, Manu Ginobili e Tim Duncan jogam mal, ou simplesmente quando precisam descansar. Em termos de qualidade, não se discute o banco do time texano. Mas e em termos de quantidade, será que temos uma jogadores suficientes para suportar os playoffs?

"Se precisar, tamo aê!"

Ontem, na vitória sobre o New York Knicks, o Spurs viu-se desfalcado de três jogadores: além de Bonner, George Hill e James Anderson estiveram indisponíveis. Com isso, o elenco da equipe texana ficou reduzido a apenas dez atletas, e o treinador Gregg Popovich teve de fazer algumas coisas que certamente contrariam seu plano de jogo.

O primeiro grande problema que Pop enfrentou ontem foi na ala. O especialista do elenco, Richard Jefferson, não fez boa partida (seis pontos, 3-4 FG e sete rebotes), e, por isso, ficou em quadra por pouco mais de 25 minutos. Mas o Spurs não contava com o novato Anderson, reserva natural da ala, e nem com Hill, que muitas vezes entra para completar o perímetro ao lado de Parker e Ginobili.

Com isso, o novato Larry Owens, recentemente promovido da D-League, chegou perto dos nove minutos de quadra. Além disso, Neal, acostumado a ser um (ótimo) reserva para a posição dois, teve de quebrar um galho na ala em alguns momentos. Resultado: passou mais de 32 minutos em quadra, quando sua média na temporada é de 19. Ufa!

O outro problema esteve entre os armadores. Sem Hill, Parker teve de jogar mais de 37 minutos – sua média na temporada é de 33. Quem teve de assumir a armação do time reserva foi Chris Quinn, que só costuma entrar no garbage time. Ontem, o ex-jogador do New Jersey Nets chegou perto dos 11 minutos.

Mas o principal problema esteve mesmo debaixo da cesta. Pop não contou com Bonner e ainda reluta em usar o brasileiro Tiago Splitter – ontem, o pivô atuou apenas nos instantes finais da partida, com ela já decidida. Com isso, DeJuan Blair – que mais uma vez fez uma boa partida – foi o jogador do Spurs que mais atuou: 41:34 minutos.

Os experientes Duncan e Antonio McDyess também tiveram de suar a camisa para suprir as ausências. Timmy, que tem média de 29,5 minutos por jogo, atuou ontem por 34,5; Dice, que chegou a ser poupado em algumas partidas nesta temporada, jogou por 18 minutos cravados, pouco mais do que os 17,3 que costuma atuar por partida.

O elenco me parece curto, e acho que não daria trabalho para ser reforçado. O próprio Ime Udoka, por exemplo, não vinha fazendo feio, e poderia ficar até o final da temporada para ser acionado em emergências como as de ontem. Para a área pintada, Marcus Cousin, que se destacou na pré-temporada com os texanos, vem fazendo uma boa D-League pelo Austin Toros: 14,6 pontos, 8,7 rebotes e 1,2 tocos em 28,9 minutos por noite. E vale lembrar que esta equipe implantou, nesta temporada, o mesmo esquema tático do Spurs, para facilitar o trabalho de Pop quando algum jogador precisar ser promovido.

Seriam reforços baratos e simples, que ajudariam o elenco em noites como as de ontem: mesmo com jogadores pouco importantes de fora, as estrelas do plantel não precisariam passar mais tempo em quadra.

Anúncios

Sobre Lucas Pastore

Um dos fundadores do Spurs Brasil. Formado em Jornalismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie em 2010, é editor assistente do UOL Esporte. Cobriu o basquete olímpico na Olimpíada de 2016 pelo LANCE!. Trabalhou também para Basketeria e mob36.

Publicado em 22/01/2011, em Na linha dos 3. Adicione o link aos favoritos. 2 Comentários.

  1. Suas alternativas são boas, mas 3 desfalques ao mesmo tempo é coisa que pouquissimas equipes na NBA devem ter condições de suprir com qualidade… foi uma pena ver o Splitter passar o jogo inteiro no banco sem ter o Bonner em quadra…. felizmente o Blair estava em mais uma noite inspirada.

    Melhor temporada do Spurs nos ultimos anos e eu não consigo acompanha direito -.-‘

    Site continua excelente, bom trabalho Lucas e cia!

  2. Bruno Pongas

    Eu acho que falta uma peça pro garrafao. Quem poderia suprir essa ausência seria o Troy Murphy, que seria um ótimo reforço se conseguir um buyout no New Jersey Nets. Entre os armadores, eu teria mantido o Garrett Temple no lugar do Chris Quinn. O Temple era menos experiente, mas ao mesmo tempo era melhor defensor e não comprometia. Até hoje não consigo entender os motivos de sua dispensa. Na ala realmente temos um problema. Desde a saída do Bruce Bowen o Pop busca um jogador que saiba defender e arremessar de três. Larry Owens é mais uma dessas alternativas. Contra o Hornets e contra o Knicks ele demonstrou muita vontade. Deve ganhar um novo contrato de dez dias.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s