Arquivo diário: 20/11/2010

Spurs (10-1) @ Cavaliers (5-6) – Temporada Regular

San Antonio Spurs @ Cleveland Cavaliers – Temporada Regular

Data: 20/11/2010

Horário: 23:30 (Horário de Brasília)

Local: AT&T Center

Situação do Jogo

Menos de 24h depois de alcançar a nona vitória seguida, o San Antonio Spurs volta à quadra para buscar a décima. No chamado back-to-back (jogo em dia consecutivo), o adversário será o Cleveland Cavaliers, do brasileiro Anderson Varejão. Jogando em casa, a chance de prosseguir com a sequência de triunfos é bem grande, mas o que pode atrapalhar é o desgaste de duas partidas em dois dias, além da viagem de Salt Lake City até o Texas.

PG – Tony Parker

SG – Manu Ginobili

SF – Richard Jefferson

PF – Tim Duncan

C – DeJuan Blair

Fique de Olho – Parker recentemente anunciou a separação de sua esposa Eva Longoria. O pedido de divórcio da atriz norte-americana parece não ter afetado o francês em quadra. Nas duas últimas partidas, o armador foi o cestinha da equipe com 21 pontos contra o Bulls e 24 pontos conra o Jazz.

https://i1.wp.com/l.yimg.com/a/i/us/sp/v/nba/teams/20080123/80x60/cle.gif

PG – Mo Williams

SG – Anthony Parker

SF – Jamario Moon

PF – JJ Hickson

C – Anderson Varejão

Fique de Olho – Sem LeBron James, Anderson Varejão se tornou o jogador que é a cara do Cleveland Cavaliers. Com a saída do ex-companheiro e também do pivô Zidrunas Ilgauskas, Varejão assumiu a posição de titular no garrafão, aumentou seus minutos de quadra e soma boas médias de 9,6 pontos e 9,3 rebotes por partida nesta temporada.

Anúncios

Coloca o Splitter, Pop!

O ser humano é assim mesmo, faz parte da nossa natureza. O San Antonio Spurs alcançou ontem seu melhor começo de temporada na história da NBA (10-1), e Tim Duncan tornou-se o maior cestinha da franquia em todos os tempos. Mesmo assim, encontramos motivos para reclamar do time. Pelo que tenho lido na internet, a principal crítica à equipe texana nesta largada – que parte principalmente do público brasileiro – vem sendo a pouca utilização do pivô Tiago Splitter.

Além de bom pontuador e reboteiro, Splitter também tem talento na comédia stand-up

O brasileiro participou de sete jogos do Spurs nesta temporada: perdeu os dois primeiros por conta de lesão, e ficou de fora dos dois últimos – contra Chicago Bulls e Utah Jazz, dois dos compromissos mais difíceis do time até aqui – por opção do técnico Gregg Popovich, o que aumentou as críticas. Nestas sete partidas em que esteve em quadra, obteve médias de 4,3 pontos (50% de aproveitamento nos arremessos de quadra e 66,7% nos lances livres), 2,9 rebotes, 0,3 assistências, 0,4 tocos, 0,4 roubadas de bola, 0,9 turnovers e 1,9 faltas em 12,4 minutos por exibição.

Além de Splitter, o Spurs conta com mais dois novatos nesta temporada: os alas-armadores Gary NealJames Anderson. Neal, especialista em arremessos de três pontos, participou das 11 partidas da equipe até aqui, com médias de 5,7 pontos (43,8% de aproveitamento do perímetro) e 2,5 rebotes em 13,7 minutos por noite. Anderson, usado como reserva de Jefferson, está no estaleiro por conta de uma fratura por stress, e jogou apenas seis partidas no ano. Mas esteve em média 17,7 minutos em quadra por exibição, e chegou a médias de sete pontos e 1,5 assistências por jogo. Ou seja, Splitter é o menos acionado do trio de novatos até aqui, sendo que, na minha opinião, é o único com potencial para ganhar uma vaga de titular.

Porém, vale lembrar que alguns novatos com potencial também foram lançados aos poucos por Pop. George Hill jogou 16,5 minutos por jogo na temporada 2008/2009, sua primeira na NBA, e mal foi utilizado nos playoffs. No ano seguinte, ficou em quadra em 29,2 minutos por noite, melhorou sua produção em mais de 100% (passou de 5,7 para 12,4 pontos por jogo), começou 43 jogos como titular e hoje é o reserva mais importante da equipe. DeJuan Blair, hoje segundanista, saltou de 18,2 para 22,5 minutos de quadra, e virou titular na vaga que poderia hoje ser de Tiago Splitter. Blair teve queda na pontuação – de 7,8 para 6,4 por partida – mas melhora nos rebotes – de 6,4 para 7,6.

A principal razão para a baixa utilização de Splitter, na minha opinião, é a adaptação ao rígido sistema tático da equipe. Ninguém questiona a qualidade de Richard Jefferson, mas ele demorou uma temporada para render na equipe. Vale lenbrar que, nesta temporada, Neal e Anderson tiveram a Summer League e a pré-temporada para ajudar no processo – Splitter teve sua adaptação atrasada por conta de uma lesão, e só estreou na terceira partida oficial da equipe, já durante a regular.

Se ofensivamente Splitter ainda parece um pouco “avulso” em quadra, sem saber como se movimentar direito, na defesa ele tem mostrado um bom desempenho. Cava faltas importantes, dificulta a vida dos adversários e me parece ser melhor sem a bola do que Blair, Antonio McDyess e Matt Bonner, seus concorrentes na briga por uma vaga de titular ao lado de Tim Duncan.

Porém, Pop tem utilizado Splitter principalmente no lugar de Duncan, como pivô. Nas partidas em que The Big Fundamental foi mal – ou foi poupado pelo técnico – o brasileiro teve bastante tempo de quadra. Contra Bulls e Jazz, jogos em que o ídolo da franquia foi importante, Splitter sequer entrou.

Ainda é cedo para afirmar qualquer coisa, mas acho que Splitter tem potencial para crescer na franquia. Aos poucos, mais acostumado ao sistema ofensivo, tende a render muito com a camisa do Spurs. Só espero que Pop não o veja como um reserva de Duncan, e sim como um potencial companheiro para o astro na equipe titular.

Spurs (10-1) @ Jazz (8-5) – Fazendo história

94X82

Uma noite marcante para o San Antonio Spurs em sua vitória fora de casa contra o Utah Jazz. Com essa conquista, o time manteve a sequência de nove triunfos, pela primeira vez na história venceu dez das 11 primeiras partidas da temporada e ainda Tim Duncan se tornou o maior pontuador e também o atleta com mais jogos na história da franquia na NBA, com 20.797 pontos e 988 partidas.

"Eram apenas umas mensagens picantes" disse Parker ao juiz (Foto por Colin E Braley/AP Photo)

O Spurs iniciou com o quinteto habitual, e logo conseguiu uma boa vantagem de oito a zero no placar. Com uma forte defesa, o time texano forçava o Jazz a cometer vários erros, conseguindo seis nos oito minutos iniciais. Chegando a estar à frente no placar por 15 pontos, o San Antonio acabou fechando o primeiro quarto em 24 a 14.

Foto por Colin E Braley/AP Photo

Após um ótimo primeiro quarto em que marcou muito bem o Utah, fazendo-o forçar os arremessos e ter um baixo aproveitamento, o Spurs diminiu um pouco o ritmo e permitiu uma reação do Utah, liderada por Deron Williams. Mesmo com essa reação, os visitantes mantiveram a liderança e foram para o intervalo vencendo em 44 a 40.

No retorno ao jogo, a partida ficou mais disputada entre as duas equipes e o banco do San Antonio não conseguia contribuir bem, então Gregg Popovich mantinha os titulares em quadra. Na metade do terceiro quarto, Duncan, após dois lances-livres, passou David Robinson como maior pontuador da franquia na NBA, pois George Gervin é o maior juntando os tempos da ABA e NBA, com 23.602 pontos. Nesse quarto mais acirrado, foram para a parte final em 70 a 68.

No período final, as duas equipes continuaram a fazer um jogo parelho, mas após a metade do quarto o time texano conseguiu uma boa sequência de ataques que deu ao Spurs uma vantagem para grantir a nona vitória consecutiva por 94 a 82. A nota ruim da partida foi que o pivô brasileiro Tiago Splitter não participou de sua segunda partida seguida, mas não há informações de que ele tenha qualquer tipo de lesão, e há grande probabilidade de ele estar em quadra nessa noite, contra o Cavaliers, caso Duncan descanse nesse jogo.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Tony Parker – 24 pontos, sete assistências, quatro roubos de bola e 64,7% (11-17) nos arremessos de quadra

Tim Duncan – 19 pontos, 14 rebotes e três bloqueios

Manu Ginobili – 15 pontos

DeJuan Blair – 11 pontos e oito rebotes, sendo seis ofensivos

Richard Jefferson – 11 pontos

Utah Jazz

Deron Williams – 23 pontos e cinco assistências

Paul Millsap – 12 pontos, sete rebotes e três bloqueios

C.J. Miles – 11 pontos

Andrei Kirilenko – Dez pontos, seis rebotes e cinco assistências

Al Jefferson – Dez pontos e seis rebotes