Arquivo diário: 08/09/2010

Mundial de basquete – Quartas de final – Dia 1

O primeiro dia de disputas das quartas de final do Mundial de basquete começou com grande emoção nas duas partidas.

AP Photo

Na primeira partida, a jovem equipe da Sérvia supreendeu e venceu a Espanha, atual campeã Mundial, com uma cesta de três pontos faltando três segundos para o fim do embate. O time sérvio dominou o primeiro quarto de jogo, não permitindo que os espanhóis conseguissem a liderança no placar, mesmo com os 13 pontos de Juan Carlos Navarro, fechando com quatro pontos de vantagem. No segundo período, a Espanha não conseguia passar à frente no placar, e, liderada pelo armador Milos Teodosic, a equipe sérvia foi para o intervalo à frente por oito pontos. No retorno do intervalo, o jogo transformou-se em uma batalha de defesas extremamente agressivas e ataques pouco organizados. Os sérvios cometeram dez erros, e os espanhóis sete no período. As equipes revezaram-se dez vezes na liderança  e estiveram empatadas três oportunidades. A Sérvia terminou o quarto à frente por três pontos. No último quarto, a seleção sérvia não perdeu a liderança do marcador, e chegou a abrir uma vantagem de oito pontos. A Espanha só conseguiu empatar a 25 segundos do fim, em uma enterrada de Marc Gasol. Então, Teodosic acertou o incrível arremesso de três pontos e definiu a partida em 92 a 89.

Reuters

Em mais uma grande apresentação, a dona da casa Turquia passou por cima de mais um adversário: dessa vez foi a Eslovênia. Os turcos, empurrados pela sua torcida, fizeram um primeiro quarto impressionante, com uma individual muito forte e um aproveitamento incrível nos arremessos de dois e três pontos, fechando com vantagem de 13 tentos. No segundo período, os eslovenos tentaram, mas não conseguiram reagir e foram para o intervalo perdendo por 19 pontos. No retorno, o panorama do jogo não mudou. Com uma grande defesa da Turquia, a Eslovênia marcou só 12 pontos e viu a vantagem turca aumentar para 28 tentos. No período final, os técnico turco descansou seus titulares e deu uma apresentação de luxo aos seus torcedores, fechando a partida em 95 a 68.  O destaque pela Turquia foi Ersan Ilyasova, com 19 pontos, cinco rebotes e duas roubadas de bola. Pelos eslovenos, Sani Becirovic anotou 16 pontos, seis assistências e três roubos de bola, e Bostjan Nachbar fez 16 tentos.

Confira os resultados do primeiro dia:

Sérvia 92 x 89 Espanha
Eslovênia 68 x 95 Turquia

Missão cumprida

Podem me chamar de louco, de maluco, ou do que preferirem, mas mesmo com a derrota para a Argentina eu acredito que a missão brasileira neste Mundial foi cumprida. É claro que não gostei da derrota – aliás, perder dos argentinos é ainda mais doído -, mas existem alguns aspectos que me fazem acreditam que o trabalho está sendo muito bem feito.

Primeiro de tudo, esta Seleção resgatou o sentimento de paixão do brasileiro pelo basquete, que havia se perdido nos últimos anos. Infelizmente não sou da época de Oscar e companhia, então esta é a melhor equipe que eu vi em quadra.

Claro que ainda existem defeitos a serem corrigidos, mas Magnano está ai há poucos meses, foi a primeira competição sob seu comando e com certeza ainda vamos melhorar muito nas mãos dele. Aliás, basta olhar para o passado e ver que há quatro anos não haviamos passado nem mesmo da primeira fase para notarmos que avançamos bastante.

Hoje, sabemos que o Brasil consegue defender, e pode ser um dos melhores do mundo nisso. Contra os americanos, soubemos parar o temido contra-ataque. Nas demais partidas, sempre tivemos consistência no fundamento. Todos se empenharam e causamos dificuldades a todos os adversários.

No ataque ainda temos problemas. Mas, ao meu ver, não é culpa de Magnano. Falta mesmo é material humano. Contra a Argentina, Huertas foi muito bem, mas não dá para esperar que ele sempre marque mais de 30 pontos, não é sua característica. Na posição 3, sofremos com um “buraco”. Marcelinho Machado foi bem no Mundial, amadureceu seu jogo e me surpreendeu, mas já tem 35 anos. Marquinhos é irregular demais. Alex é baixo para a posição e é conhecido por seu vigor defensivo, e não por ser ofensivo.

No garrafão, Splitter é sólido, mas não é um pontuador nato. Varejão notadamente é fraco ofensivamente. Sem Nenê, ficamos sem uma arma de ataque digamos “imparável”, sem falar que a rotação fica prejudicada.

Leandrinho está sendo classificado por muitos como o grande culpado pela derrota. Critiquei muito o ala-armador pela precipitação em alguns momentos do Mundial, mas acho uma tremenda besteira colocá-lo como bode expiatório pela eliminação. Mas esta aí algo que eu acho uma grande bobagem do brasileiro… Em caso derrota, nada presta e há sempre a necessidade de pôr a culpa em alguém.

Vamos reconhecer o que esta Seleção fez. Aos que não se lembram, do outro lado estava uma Argentina, número 1 do Ranking da FIBA, que chutou 61% da linha de 3 pontos. Havia também um Luis Scola endiabrado, que acertou assombrosos 70% dos arremessos que tentou da quadra.

O trabalho está sendo bem feito. Nosso objetivo é voltar à Olimpíada em 2012, e estamos no caminho certo para isso.