Arquivo diário: 14/05/2010

O líder e suas diversas facetas

Líder? Semideus? Deus? Mero mortal ou pipoqueiro?

Este é LeBron James, em várias de suas facetas. Elas foram vividas em toda a temporada da NBA.

De início, o personagem semideus, recém-chegado de uma temporada brilhante, coroada com o título de melhor jogador.

O título, contudo, ficou para a próxima. Sem antídoto para Dwight Howard, LeBron e sua trupe pararam no Orlando Magic, que foi à final e fez bons jogos contra o Los Angeles Lakers.

O astro foi perdoado. A culpa, em sua grande parte, foi carregada por outras costas, embora alguns já o olhassem com um ar de desconfiança.

Deus; esse foi LeBron James ao término desta temporada.

Ele jogou muito, muito mesmo. Fez de tudo, eu diria; um verdadeiro craque. Ao término da época, mais uma vez, veio o troféu de MVP – um marco na carreira de qualquer jogador.

Nos playoffs, o camisa #23 mostrou sua faceta de líder. Passou pelo Chicago Bulls sem deixar rastros, jogando o mesmo basquete que o credenciara ao prêmio de melhor atleta da temporada.

Na fase seguinte estava lá o experiente Boston Celtics. Será que o trio de velhinhos seria páreo para King James, como o mesmo gosta de se intitular?

A resposta veio em quadra. Quem apareceu para o jogo? Ray Allen e Rajon Rondo.

E LeBron James? Foi anulado, se escondeu…

A responsabilidade pesou. Na hora “H”, muitos passes, pouca iniciativa. É bem verdade que Ray Allen o marcou como poucos. Aliás, o Boston Celtics soube como parar o badalado Cavs.

Rajon Rondo fez chover. Fez triple-double, passou muito, infiltrou muito. Deixou o técnico Mike Brown de “cabelos em pé”; entre aspas, porque Brown sequer possui um fio de cabelo.

Acanhado, LeBron James passou vergonha em casa, foi vaiado. Teve seu pior desempenho da carreira em playoffs sob os olhares atentos de seus entusiastas.

No jogo seguinte, o último da série, muitos abraços, um triplo-duplo, um adeus melancólico.

A passagem de LeBron James pelo Cleveland Cavaliers (se ele realmente trocar de equipe) será sempre lembrada com um asterisco.

“O novo Jordan que nunca venceu”, talvez fosse um título adequado.

James me decepcionou, decepcionou aos torcedores de Cleveland, a imprensa. O mundo esperava mais dele, que sucumbiu diante de um time que soube o que fazer em quadra.

Mas depois de tudo isso, vale crucificar o craque?

Ao meu ver será inútil. Há jogadores com mais culpa. Quando LeBron se omitiu, alguém precisava chamar a responsabilidade; ter, no linguajar popular, saco roxo…

O elenco do Cleveland Cavaliers é milionário. Será que alguém, além do camisa #23, estava impossibilitado de pontuar?

A culpa é de todos, claro, mas o asterisco do ano vai para LeBron James, um dos maiores jogadores que vi, um dos que mais me decepcionou.

Torço para ele vencer um dia. Espero vir aqui e escrever um belo texto criticando a mim mesmo, dizendo que eu estava errado.

Esse dia vai chegar? Quem sabe… só o tempo dirá.

Parker não jogará Mundial pela França

Essa camisa Parker não vestirá nesta offseason (Foto em tp9.net)

O armador Tony Parker declarou nesta quinta, em uma entrevista ao seu site oficial, que não jogará o Campeonato Mundial pela seleção da França e passará a offseason nos EUA objetivando a preparação para a próxima temporada com o San Antonio Spurs.

“Eu não desejo jogar pela seleção neste ano, pois joguei nos últimos cinco verões,” disse Parker. “Esse ano eu senti muito isso. Eu estava cansado o tempo todo.”

Parker tomou a decisão após reunião com a comissão técnica da equipe texana.

“Eu conversei com Pop (técnico Gregg Popovich) e ele disse que a decisão era minha, mas preferiam que eu não jogasse, e eu concordei totalmente.”

O armador francês citou a necessidade de descansar e reabilitar-se das lesões sofridas durante o ano pelo Spurs. Ele perdeu 26 partidas durante a temporada regular com uma variedade de contusões, incluindo um tornozelo torcido, uma fasceíte plantar e uma mão direita quebrada.

Sobre os rumores de seu envolvimento em alguma troca, Parker foi enfático em sua vontade de permanecer no Spurs. Com mais um ano de contrato no valor de 13,5 milhões de dólares,  Parker espera começar a negociação de uma extensão de contrato já em outubro.

“Meu desejo é conseguir uma grande temporada com o San Antonio”, ele disse. “Estou feliz em San Antonio. Minha esposa e eu estamos bem felizes. Eu construí minha casa aqui. Eu não tenho vontade de sair daqui. Meu coração está aqui.”

O Campeonato Mundial da Turquia começa no dia 28 de agosto e vai até 12 de setembro. A seleção francesa está no grupo D, ao lado de Espanha, Lituânia, Nova Zelândia, Canadá e Líbano.