Arquivo diário: 17/04/2010

Popovich indeciso sobre seu armador titular para o Jogo 1

Quem será o escolhido? (Fotos por Rocky Widner e Layne Murdoch/NBAE/Getty Images)

O técnico Gregg Popovich ainda não sabe quem será o armador titular para o duelo de domingo a noite contra o Dallas Mavericks, fora de casa. Pop tem duas alternativas: ou joga com o francês Tony Parker ou com o jovem George Hill, que sofreu recentemente dois entorses consecutivos no tornozelo.

Parker começou no banco todos as seis partidas que jogou depois de retornar às quadras após uma fratura em um dedo de sua mão direita, que o deixou afastado por um mês. Entretanto, como já foi dito, Hill agravou seu entorse no tornozelo direito na última partida da temporada regular, na quarta. Hill participou de parte do treino na sexta-feira, e sua presença será decidida apenas hora do jogo.

“Ele veio e fez um bom treino,” disse Popovich. “Veremos o que acontecerá, veremos como será”, completou.

Se Popovich decidir que Hill pode atuar, então ele terá que escolher alguém para iniciar o confronto. Parker disse que “definitivamente” está satisfeito com qualquer papel que o treinador lhe der. Ele também acredita que seu parceiro entrará em quadra no domingo: “Nós todos temos que fazer ajustes,” disse Parker. “Ele irá jogar. Ele precisa jogar. Não estou preocupado com isso. George é um cara durão”, finalizou.

Sobre sua saúde, o armador francês disse: “Estou me sentindo ótimo. Sem desculpas. São os playoffs. Eu estarei pronto.”

Trazer um jogador do calibre de Parker do banco de reservas é algo comum em San Antonio. Popovich usou por muito tempo Manu Ginobili como suplente para ajudar seu segundo time, enquanto usava ele mais que muitos titulares e em todos os períodos decisivos. Caso Hill não jogue, o técnico ainda tem a chance de usar Garrett Temple como titular, como fez quando George se lesionou.

Palpites – Spurs X Mavericks – 1ª Rodada – Playoffs 2010

Olá, caros leitores! Com a chegada dos playoffs, retomaremos o que implantamos no ano passado: nossos palpites. Nesta temporada, teremos de volta a opinião dos autores do blog Spurs Brasil, falando sobre as expectativas para esta primeira rodada dos mata-matas da NBA. Vamos aos palpites:

Victor Moraes:

A série Pelo  segundo ano consecutivo, Spurs e Mavs se enfrentam na primeira rodada dos playoffs. A rivalidade texana promete pegar fogo, mais uma vez. Sem a vantagem do mando de quadra, os comandados de Gregg Popovich terão que prevalecer em casa e roubar uma vitória fora. Particularmente, acho difícil as duas equipes manterem a invencibilidade em casa, o que nos obrigaria a vencer duas partidas em Dallas. Difícil, mas sabemos que o Spurs é capaz de alcançar este feito.

O destaque Manu Ginobili será o fiel da balança na série. Aliás, o argentino será fundamental para as pretensões de título da equipe de San Antonio. Desde que seu desempenho subiu, o Spurs embalou, venceu equipes difíceis e chegou forte para os mata-matas.

Palpite Spurs em 7 jogos.

Robson Massaki (Koba)

A série – Vamos relembrar os playoffs da temporada passada, porém com o mando de quadra para os Mavs, que adicionaram ao seu plantel os alas Shawn Marion e Caron Butler, além de um pivô decente, Brendon Haywood. Já o Spurs trouxe o astro Richard Jefferson, que só começou a mostrar seu jogo no final da temporada. Junto com McDyess, devem ser os defensores do alemão Dirk Nowitzki.

O destaque – Destaque para o banco de reservas do Spurs, que fará a diferença contra os equilibrados times titulares.

Palpite – Spurs em 6 jogos.

Lucas Pastore

A série – Por incrível que pareça, nesta temporada, o Spurs, que se classificou em sétimo, chega mais inteiro para os playoffs do que em 2009, quando ficou com a terceira posição. O rival é o mesmo – o Dallas Mavericks – e, dessa vez, sem mando de quadra. Vai ser pedreira – e seria, de qualquer modo, no Oeste. A saúde de nossos principais jogadores – Tony Parker, George Hill, Manu Ginobili e Tim Duncan – deve ditar as chances que teremos de avançar.

O destaque – Dirk Nowitzki, historicamente, se dá muito bem jogando contra o San Antonio Spurs. Nesta temporada, não temos alas-pivôs confiáveis na defesa  e seu desempenho pode ser ainda mais nocivo. Se não tivermos uma estratégia defensiva eficiente sobre o alemão, podemos dar adeus ao título.

Palpite – Spurs em 7 jogos.

Bruno Pongas

A série – As duas equipes chegam nesta reta final num bom momento. Dallas e Spurs fizeram boas temporadas, especialmente após a parada do All-Star Game. A série será dura, sem dúvidas, e deve ser decidida em seis ou sete jogos.

O destaque – Dirk Nowitzki sempre deu muito trabalho para o San Antonio Spurs. O fato de ser habilidoso em diversas partes da quadra faz com que poucos defensores o consigam marcar com propriedade.

Palpite – Spurs em 6 jogos.

Glauber da Rocha

A série – Novamente encontramos no nosso caminho pelos playoffs o eterno rival texano do Dallas. Diferente de 2009, não teremos mando de quadra, mas as duas equipes vêm jogando muito bem nesse final de temporada regular. Será uma série decidida nos detalhes.

O destaque – Os destaques serão os alas-armadores dos dois times. O argentino Manu Ginobili comandará agora o time completo. Caron Butler quer mostrar que é a peça que faltava para o Mavericks ser campeão.

Palpite – Spurs em 5 jogos.

Defense!

Chegou a hora, pessoal! Começam hoje as séries dos playoffs da temporada 2009/2010 da NBA. Neste momento, nada melhor do que lembrar das palavras do ídolo máximo daqueles que acompanham a liga americana de basquete, o senhor Michael Jordan: “É nesta hora que se separam os meninos dos homens”, e “ataque ganha jogo, mas defesa ganha campeonato”. Sábios dizeres do novo dono do Charlotte Bobcats.

Pois bem. O San Antonio Spurs se classificou pela 13ª vez consecutiva para a pós-temporada: maior marca ativa entre todas as equipes da NBA. Neste período, o time ficou conhecido por suas excelentes atuações defensivas, e, para alguns, por seu jogo sujo (volta, Bruce Bowen!). Nesta temporada, porém, o rótulo não correspondeu à realidade; os comandados de Gregg Popovich tiveram muito trabalho para conseguirem limitar as estrelas dos times adversários. Por isso, preste atenção, Pop: nas próximas linhas, Lucas Pastore ensina o que deve ser feito na defesa com nossos principais jogadores nesta difícil série diante do Dallas Mavericks:

Tony Parker: A princípio, deve ficar encarregado de Jason Kidd. Quando estiver em quadra ao lado de George Hill, pode também ficar em cima de Jason Terry. Porém, o armador francês já não é um exímio defensor; se não estiver 100%, pode comprometer a defesa da equipe se estiver encarregado de marcar uma das estrelas do Mavs.

George Hill: Na minha opinião, repousa sobre o jovem armador a principal força defensiva do Spurs para esta série. Eu me aproveitaria da juventude e do atleticismo de Hill – que, é bem verdade, podem estar limitados nos primeiros jogos graças ao problema no tornozelo do atleta – e o faria acompanhar Jason Kidd durante toda a partida, e em toda quadra. A partir do momento que o veterano recebesse a bola do fundo quadra, lá estaria Hill, colado nele, obrigado-o a correr e cansar-se um pouco mais. Ao final da série, obviamente, Kidd ia sentir muito mais os efeitos da batalha do que Hill.

Manu Ginobili: Deve ficar encarregado de grudar nos principais pontuadores de perímetro do time de Dallas, como Terry e Caron Butler. Quando estiver em quadra ao lado de Keith Bogans, pode poupar um pouco de suas energias defensivas acompanhando algum atleta de menor expressão do adversário.

Keith Bogans: Como não deve ter muitos minutos em quadra, pode usar toda a sua energia para não dar espaço aos principais alas do adversário. Butler deve ser seu principal alvo. Pode ser alternativa também para acompanhar Shawn Marion nos minutos de descanso de Richard Jefferson.

Richard Jefferson: Por ser nosso jogador de perímetro mais atlético, deve, a princípio, acompanhar Marion – que também é conhecido por esta característica. Porém, pode ser uma  interessante alternativa para marcar Dirk Nowitzki caso os jogadores de garrafão da equipe estejam com problemas para pará-lo.

Antonio McDyess: Uma boa atuação defensiva de Dice na série pode ser a chave da classificação para as semifinais da Conferência Oeste. Durante grande parte da partida, o ala-pivô deve ser o principal encarregado de marcar Nowitzki, a maior preocupação do Spurs nessa série.

Tim Duncan: Nos três primeiros quartos da partida, Timmy deve economizar energia e faltas acompanhando Eric Dampier e Brendan Haywood. No período final, no entanto, eu colocaria nosso principal marcador de garrafão para acompanhar Nowitzki de perto.

Esses sete jogadores devem ser a chave da defesa do Spurs na série diante do Mavs. Faltou ainda falar de Garrett Temple, que, se ganhar alguns minutinhos, pode ajudar a cansar Jason Kidd. Roger Mason, DeJuan Blair e Matt Bonner são as famosas “peneiras”, e devem evitar acompanhar os astros adversários. Assim como os jovens Malik Hairston e Ian Mahinmi, que podem acabar pagando pela inexperiência.