Arquivo diário: 20/03/2010

Curtinhas: Hairston aproveita oportunidades

Depois que se firmou como alternativa para descansar as grandes estrelas, o ala Malik Hairston vem ganhando cada vez mais espaço, inclusive deixando Roger Mason para trás.

Ontem, na lavada contra o Golden State Warriors, Hairston foi o que mais jogou. Foram quase 30 minutos em quadra, suficientes para anotar 16 pontos (7-9), pegar quatro rebotes e distribuir duas assistências, números bem superiores às suas médias de 1.9 pontos e 1.0 rebote na temporada.

Os números do camisa #1 animam ainda mais no mês de março, quando foi aproveitado 11 minutos em média por noite. Seus resultados, com esse tempo a mais de quadra, se elevaram para 4.4 pontos e 1.7 rebotes, uma baita melhora. “Nunca se sabe quando o jogo vai precisar (dele). Estarei pronto, trabalharei e tentarei ser agressivo”, destacou.

Cedric Jackson dispensado

O armador Cedrick Jackson chegou a San Antonio para completar o elenco e assinou um contrato de dez dias. Contudo, foi pouco aproveitado e consequentemente “mandado embora”.  Agora, os texanos continuam apenas com Garrett Temple, adicionado logo depois de Jackson.

Temple jogou 33 minutos nos últimos dois duelos (Orlando Magic e Golden State Warriors).

Cadê você, Timmy?

Pelo amor dos meus filhinhos, Tim Duncan, não faça mais isso com a gente! Na última semana, em dois jogos importantes consecutivos na Flórida – diante de Miami Heat e Orlando Magic – o ídolo do San Antonio Spurs teve atuações pra lá de discretas. Com baixo aproveitamento nos arremessos de quadra, o ala-pivô passou longe de ser o ponto sólido da equipe que costuma ser em jogos importantes.

Contra o Heat, na terça-feira, foram 12 pontos e 11 rebotes para o jogador em pouco mais de 31 minutos em quadra. Se a baixa quantidade de pontos assusta, o que dizer então do aproveitamento nas tentativas de arremesso? Foram apenas cinco convertidos em 15 tentados. É bem verdade que ele foi o principal reboteiro do time no jogo, mas, mesmo assim, não teve a atuação esperada. A boa notícia foi que deixamos Miami com vitória.

No dia seguinte, contra o Orlando, porém, aconteceria um dos jogos mais preocupantes da temporada para o torcedor da equipe texana. Uma verdadeira surra, com Duncan irreconhecível: o ala-pivô – que costuma ser poupado em partidas que acontecem em dias seguidos – anotou cinco pontos, acertando somente um dos dez arremessos que tentou. Para ser justo, Timmy limitou o Superman Dwight Howard a nove pontos e sete rebotes. Mas sua presença ofensiva fez muita falta em momentos chave do jogo.

Ontem, contra o Warriors, o jogador voltou a ter uma boa atuação. Foram 17 pontos, seis rebotes e cinco assistências em pouco menos de 14 minutos na quadra. A pontaria também melhorou: Duncan acertou todos os oito arremessos de quadra que arriscou durante o embate. Resultado? Vitória tranquila do Spurs – sobre uma frágil equipe, é bem verdade.

Quando Duncan joga bem – o que aconteceu em 95% das partidas de sua carreira – o Spurs tem um porto seguro, alguém para confiar durante toda a partida, já que a regularidade é sua marca garantida. Precisaremos de um Duncan inteiro se quisermos obter bons resultados nas pedreiras que teremos pela frente!

Spurs (41-26) vs. Warriors (19-49) – Noite de recorde!

147X116https://i1.wp.com/us.i1.yimg.com/us.yimg.com/i/us/sp/v/nba/teams/20080123/80x60/gsw.gif

Nem os mais otimistas dos torcedores poderia esperar o show que foi apresentado pelo San Antonio Spurs nesta sexta-feira. Diante do frágil Golden State Warriors, oito jogadores chegaram à marca de pelo menos dez pontos marcados e a equipe marcou impressionantes 147 pontos, recorde da franquia sob o comando de Gregg Popovich (o recorde geral da franquia é de 163 pontos, conseguidos em 1978 contra o San Diego Clippers). Este também foi o 24º triunfo consecutivo do Spurs jogando em casa contra o Warriors, a maior série invicta de um time como mandante diante de um mesmo rival em toda a NBA.

Don Nelson e Gregg Popovich conversam antes do jogo. Creio que esta não seja uma boa companhia Pop! (Foto: D. Clarke Evans/NBAE via Getty Images)

Sem nenhuma surpresa entre os titulares das duas equipes, o Spurs logo mostrou que não teria dificuldades em superar o oponente jogando em casa. O placar de 41 a 28, nos primeiros 12 minutos, já era um aperitivo da quantidade de pontos elevada que estava por vir.

Hairston foi quem mais tempo jogou pelo Spurs (Foto: D. Clarke Evans/NBAE via Getty Images)

No segundo quarto, Tim Duncan sequer entrou em quadra. Já com larga vantagem, DeJuan Blair e Matt Bonner formaram o garrafão e Malik Hairston ganhou chance de atuar mais minutos do que o habitual. Com a fraca defesa imposta pelo Warriors, o placar no intervalo já apontava 77 a 61 para os donos da casa.

Na volta dos vestiários, Duncan retornou à quadra, mas somente para mais seis minutos. Ao todo, o ala-pivô jogou por apenas 14 minutos, ganhando um importante descanso. Com o jogo já decidido, Popovich poupou os titulares, dando chance para os reservas mostrarem serviço. Malik Hairston foi quem permaneceu por mais tempo em quadra pela equipe texana; foram 28 minutos, seguido por Blair, com 25.

O último quarto começou com o placar já acima dos 120 pontos e com vantagem de mais de 30.  Com tamanha superioridade, Ian Mahimi foi outro a ganhar oportunidade e também ultrapassou a casa dos dez pontos, chegando a 12. Um verdadeiro show do San Antonio Spurs como há tempos não se via.

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

Manu Ginobili – 23 pontos e 11 assistências

Richard Jefferson – 21 pontos

Tim Duncan – 17 pontos (8-8 nos arremessos de quadra), seis rebotes e cinco assistências em 14 minutos

Malik Hairston – 16 pontos e quatro rebotes

DeJuan Blair – 14 pontos e nove rebotes

Matt Bonner – 14 pontos

Ian Mahinmi – 12 pontos e seis rebotes

Golden State Warriors

Monta Ellis -39 pontos

Corey Maggette – 30 pontos

Reggie Williams – 15 pontos e sete rebotes