Arquivo diário: 09/03/2010

13º jogador deve ser anunciado em breve

Foto por Steve Mitchell/US Presswire

Depois de dispensar o ala Michael Finley (na verdade ele pediu para sair), o San Antonio Spurs, que atualmente conta com 12 atletas no elenco, precisa de mais um para ficar de acordo com as regras da NBA, que exige que cada equipe possua o mínimo de 13 jogadores em seu plantel.

.
Para ocupar esse posto, o general manager R.C. Buford deve anunciar nos próximos dias um contrato com o armador Cedric Jackson, que atua na Liga de Desenvolvimento da NBA (D-League).
.
Gregg Popovich, no entanto, já anunciou que nenhum atleta que chegue irá resolver os problemas da equipe. “Ninguém que vamos contratar irá nos ajudar”, disparou o treinador. “Traremos alguém somente para ver se descobrimos algum talento, aí o moveremos para a Summer League”, pontuou.
.
Nesta temporada, Jackson já assinou um contrato de dez dias com o Cleveland Cavaliers. Contudo, foi dispensado após o período.

O velho Manu está de volta?

O nosso bom e velho Manu Ginobili parece estar de volta. O argentino voltou a jogar bem e com consistência, sendo decisivo, algo que não viamos já há algum tempo. Prejudicado pelas inumeras lesões, principalmente a do tornozelo (que ocorreu durante os jogos olímpicos de Pequim 2008), Manu parecia lento em quadra, sem ritmo e sem pontaria. Isso finalmente chegou ao fim.

Tenho que reconhecer que fui um dos críticos mais ferrenhos do argentino nesse período de baixa; concordei com a decisão da franquia em não renovar o contrato antecipadamente e até cheguei a cogitar trocas envolvendo o ala-armador. Embora considere-o como um ídolo, o fraco desempenho me decepcionou, e a condição física e as lesões me assustaram.

Com a equipe toda em baixa, mudanças precisavam ser feitas, e negociar o argentino poderia ser um caminho para “mudar os ares” de San Antonio. Mas nada melhor do que ver que eu estava enganado. O Manu voltou, um pouco mais velho e talvez com menos cabelos, mas voltou.

Depois de um começo de temporada pífio, em que o argentino não acertava nem uma ervilha dentro de um barril, a pontaria voltou a ser certeira. A liderança e o poder de decisão também reapareceram. Considerando esta primeira semana de março e o mês de fevereiro, foram oito jogos acima dos 20 pontos, sendo o último com impressionantes 38 tentos anotados.

O número de assistências também está elevado. No período, foram dez jogos com cinco ou mais passes decisivos. A média chega a 5,06 por partida, acima da média da carreira do jogador, que é de 3,7 por jogo. Com Parker e Hill, que são muito mais finalizadores do que “armadores de jogadas”, a bola fica mais tempo nas mãos de Ginobili para que ele organize o jogo.

Isso se deve a uma mudança no estilo de jogo do ala-armador, que com a idade chegando perde um pouco da explosão física, mas ganha em experiência e inteligência, além da técnica refinada.

O aproveitamente de Manu na temporada, de 41% nos arremessos de quadra, é o mais baixo de sua carreira, mas também é reflexo dessa mudança de estilo de jogo. Se antes os pontos surgiam mais das infiltrações, hoje nascem muito mais dos arremessos de longa distância, que naturalmente têm uma porcentagem menor de acertos.

Agora, com Tony Parker fora até os playoffs, a presença de Manu será ainda mais importante para a equipe. Por muitas vezes,  ele terá de assumir o papel de armador principal, vai precisar pontuar mais e comandar a equipe no perímetro, para que não recaia todo o peso em cima de Tim Duncan.

Spurs (36-25) @ Cavaliers (50-15) – Spurs perde mesmo com show do argentino

95X97

O palco era perfeito para a quinta vitória consecutiva do San Antonio Spurs. O time vinha embalado, o Cleveland estava sem LeBron James (poupado) e Antawn Jamison saiu de quadra lesionado no meio da partida. Tudo parecia realmente conspirar para mais um triunfo. Contudo, não foi dessa vez que o time embalou.

Todos atentos a George Hill... (Photo by Gregory Shamus/NBAE via Getty Images)

Ginobili deu show, é bom lembrar. Com 38 pontos, sete rebotes e seis assistências, o argentino nos trouxe à memória o Manu dos velhos tempos. Implacável, o camisa #20 só faltou fazer chover. Infiltrou, driblou, acertou sete bolas de três pontos e deixou a defesa de Cleveland atordoada. Foi realmente uma noite de gala.

Ginobili teve seu brilho ofuscado pela derrota (AP Photo/Ron Schwane)

Os texanos dominaram todo o duelo, do início ao fim. Tudo bem que a peleja foi equilibrada em sua maior parte, mas San Antonio ditou seu ritmo de jogo desde o começo; parecia até que jogava em casa. No entanto, veio o último quarto e faltou aquele quê a mais que vem faltando desde o início da temporada. Faltou alguém que pudesse decidir…

Por mais que Manu estivesse iluminado, ele é apenas um, e um só dificilmente faz milagre sozinho. Ele até que tentou… deixou Hill livre, Mason livre… mas os dois erraram, colocando a vitória por água abaixo. Jamais crucifiquemos Hill, jamais. O jovem mais uma vez se mostrou excelente, tanto na defesa como no ataque. Anotou 23 pontos com um ótimo aproveitamento nos arremessos (8-13). Mason, todavia, está apático. Ele de longe lembra aquele Mason que decidia jogos na temporada passada. Talvez falte confiança, mas ele anda devendo basquete nos últimos jogos.

Por fim, gostaria de ressaltar que o Cleveland Cavaliers tem um ótimo time mesmo sem o astro LeBron James. Isso, inclusive, me fez lembrar aquele Spurs da era de ouro, que vencia todos com a maior facilidade do mundo.

LeBron também dá seus pitacos como técnico (Photo by David Liam Kyle/NBAE via Getty Images)

Naquele plantel texano, por mais que Parker, Manu ou Duncan ficassem de fora, o time tinha força suficiente para encarar os mais fortes adversários de igual para igual. Foi o que aconteceu nesta segunda em Ohio, só que da maneira inversa… dessa vez era o Cavs que tinha um elenco fortíssimo.

Quero dizer com isso que não devemos desanimar, pois enfrentamos uma boa equipe fora de casa. Aliás, olhando para a nossa tabela, percebo que temos uma ótima sequência de jogos para embalar novamente os comandados de Gregg Popovich. Eis os nossos próximos adversários na ordem: New York Knicks (em casa), Minnesota Timberwolves (fora), Los Angeles Clippers (em casa) e Miami Heat (fora). Somente depois disso é que as pedreiras voltam… e com tudo, diga-se de passagem. Fechamos o mês com jogos complicados contra Orlando Magic (fora), Atlanta Hawks (fora), Oklahoma City Thunder (fora), Los Angeles Lakers (em casa), Cleveland Cavaliers (em casa) e Boston Celtics (fora).

Veja os melhores momentos da partida

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

Manu Ginobili – 38 pontos, sete rebotes e cinco assistências

George Hill – 23 pontos, três rebotes e quatro assistências

Tim Duncan – 13 pontos, cinco rebotes e cinco assistências

Cleveland Cavaliers

Mo Williams – 17 pontos, oito rebotes e oito assistências

Antawn Jamison – 17 pontos e quatro rebotes

Delonte West – 16 pontos, quatro rebotes e cinco assistências

Anderson Varejão – 11 pontos e nove rebotes