Arquivo diário: 27/02/2010

Spurs (32-24) @ Rockets (29-28) – Arrasados em Houston

San Antonio Spurs104X109

Com um primeiro quarto dominante e um trio arrasador, o Houston Rockets venceu o San Antonio Spurs em seus domínios e acabou com uma sequência de três derrotas. Com esse revés, o San Antonio pode cair para a oitava posição nesta noite caso o Portland Trail Blazers vença.

Sem Tony Parker, que ficou de fora por causa de uma intoxicação alimentar, o técnico Gregg Popovich usou sua 20ª formação titular da temporada, começando com George Hill, Keith Bogans, Michael Finley, Tim Duncan e Antonio McDyess. O Spurs até começou bem, com Duncan anotando os oito primeiros pontos do time. Contudo, logo a equipe ruiu, junto com Duncan, que errou as seis tentativas seguintes. O Rockets foi arrasador, com 12 pontos de Luis Scola e um aproveitamento de 59,1% dos arremessos, e fechou à frente o primeiro quarto, com 14 a 31.
.
No segundo período, o Spurs ensaiou uma reação, mas não passou disso, pois a equipe continuava com um aproveitamento pífio dos arremessos de quadra. Enquanto isso, o Houston melhorou ainda mais seu aproveitamento, chegando ao final do primeiro tempo acertando 58,1% de suas tentativas, enquanto o San Antonio tinha apenas 35,7%. Duncan fez nove pontos, mas Kevin Martin e Aaron Brooks, anotaram, cada um, mais nove, e o Houston foi ao intervalo ainda vencendo por 41 a 59.

Retornando à partida, o Houston mantinha sua liderança sobre o Spurs, que tentativa continuar na partida. Martin, Scola e Brooks chegaram à casa dos 20 pontos ainda no terceiro quarto. Hill fez 11 pontos, mas o San Antonio continuava atrás no placar, chegando ao período final perdendo por 69 a 85.

No quarto definitivo, o Spurs partiu para cima e conseguiu uma ótima recuperação. Mas logo no início perdeu DeJuan Blair, eliminado com seis faltas. Ainda assim, o time chegou muito perto do Rockets no placar, com apenas três pontos de diferença. Hill anotou 12 pontos no período, Duncan não anotou no terceiro e no quarto nem entrou em quadra e outros três titulares, Finley, McDyess e Bogans, não anotaram nenhum ponto em toda partida. Assim, o Spurs foi derrotado mais uma vez fora de casa pelo placar de 104 a 109.

Veja os melhores momentos da partida

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

George Hill – 26 pontos

Tim Duncan – 17 pontos e oito rebotes.

Richard Jefferson – 15 pontos e sete rebotes

Roger Mason Jr. – 12 pontos e quatro assistências

DeJuan Blair – Dez pontos

Manu Ginobili – Dez rebotes e quatro assistências

Houston Rockets

Kevin Martin – 33 pontos e quatro assistências

Aaron Brooks – 31 pontos

Luis Scola – 30 pontos, 13 rebotes e quatro assistências

Anúncios

A maldição do ala-pivô

Só pra variar um pouco, a equipe do San Antonio Spurs sofreu ontem uma derrota jogando fora de casa. Foi o 14º revés em 26 jogos longe do AT&T Center. O retrospecto fica ainda mais preocupante quando sabemos que, daqui para frente, a maioria das partidas será fora do Texas – em março, por exemplo, o Spurs jogará apenas sete de suas 17 partidas no mês como mandante.

Ontem, a derrota foi para o rival local Houston Rockets, equipe que sofre para manter-se na briga pelos playoffs. O time de Houston fez História ontem ao ver três de seus atletas marcarem ao menos 30 pontos – o armador Aaron Brooks (31), o ala-armador Kevin Martin (33), nova aquisição da equipe, e o ala-pivô Luís Scola (30). Confesso ser muito fã do basquete do big man argentino – mas não vejo-o como um jogador para anotar 25, 30 pontos por jogo.

O problema é que o Spurs vem encontrando dificuldades para lidar como os alas-pivôs adversários. Bons jogadores como Dirk Nowitzki, Pau Gasol, LaMarcus Aldridge e Carlos Boozer constumam fazer um estrago extra na equipe texana. Atletas de segundo escalão – como o próprio Scola e Kenyon Martin – tiveram partidas de All-Star contra o Spurs. E o dado fica mais preocupante quando percebemos que todos são possíveis adversários nos playoffs.

Tim Duncan, principal defensor dos big men do elenco texano, já não tem mais pique para correr atrás dos alas-pivôs adversários. A NBA moderna cria dificuldades para um atleta pesado como ele atuar como PF – como foi no começo de sua carreira. DeJuan Blair, Matt Bonner e Antonio McDyess passam longe do jogador ideal de defesa. Richard Jefferson, que já chegou a atuar na posição, ainda não conseguiu se encontrar com a camisa preta e prata.

Gregg Popovich tem de, urgentemente, bolar uma estratégia para melhorar a defesa texana, principalmente no garrafão. Talvez, uma maior ajuda do perímetro – que conta com bons defensores, como George Hill, Manu Ginobili e Keith Bogans – em dobras na marcação possa ajudar. A verdade é que, se continuar assim, continuaremos sofrendo com os alas-pivôs adversários, o que pode ser mortal nos playoffs.