Arquivo diário: 13/02/2010

Melhores do Mês – Janeiro

Olá amigos e leitores do Spurs Brasil. Mais um mês de jogos se passou e nós, como de costume, elegemos o melhores de janeiro nas seguintes categorias: melhor time, melhor jogador e melhor jogador do San Antonio Spurs. Confira os vencedores:

Melhor Time: Memphis Grizzlies e Denver Nuggets

Destaque no mês de janeiro, a jovem equipe do Memphis Grizzlies surpreendeu a todos e conseguiu uma boa campanha de dez vitórias e cinco derrotas. Com bom quinteto titular, destaque para vitórias contra o San Antonio Spurs e o Orlando Magic. O Denver Nuggets, assim como o Grizzlies, conseguiu três votos e ficou empatado em primeiro lugar. Em janeiro, 12 vitórias e três derrotas para a equipe do Colorado. Veja quem votou:

Memphis Grizzlies – Três votos (Bruno Pongas, André Pastore e Rafael Panda)

Denver Nuggets – Três votos (Robson Massaki, Glauber da Rocha e Guilherme Kamus)

Utah Jazz – Dois votos (Lucas Pastore e Leonardo Sacco)

Atlanta Hawks – Um voto (Victor Moraes)

Melhor Jogador: LeBron James

LeBron James - Cleveland Cavaliers

Mesmo com muito equilibrio, o ala LeBron James, do Cleveland Cavaliers, conseguiu seu primeiro título aqui no ‘Melhores do Mês’. Em janeiro, James obteve médias de 30.7 pontos, 7.3 rebotes e 8.5 assistências. Veja quem votou:

LeBron James – 3 votos (Victor Moraes, Rafael Panda, André Pastore)

Kevin Durant – 2 votos (Robson Massaki e Guilherme Kamus)

Kobe Bryant – 2 votos (Leonardo Sacco e Glauber da Rocha)

Chris Paul – 1 voto (Bruno Pongas)

Gerald Wallace – 1 voto (Lucas Pastore)

Melhor Jogador do Spurs: Tim Duncan

Tim Duncan - San Antonio Spurs

Pela terceira vez consecutiva, Tim Duncan foi eleito como melhor do mês no San Antonio Spurs. Em janeiro, TD conseguiu médias de 19.5 pontos, 11.5 rebotes e 3.4 assistências. Veja quem votou:

Tim Duncan – 8 votos (Lucas Pastore, André Pastore, Rafael Panda, Leonardo Sacco, Guilherme Kamus, Glauber da Rocha, Robson Massaki e Victor Moraes)

DeJuan Blair – 1 voto (Bruno Pongas)

É isso pessoal. Mês que vem voltamos com mais ‘Melhores do Mês’.

Melhores do Mês de Novembro

Melhores do Mês de Dezembro

Anúncios

All-Star Weekend – Dia 1 – Os novatos venceram

140X128

No jogo entre os novatos e os segundanistas, quem levou a melhor no Rookie Challenge foram os recém-chegados à NBA, quebrando uma sequência de vitórias dos mais experientes que figurava desde o ano de 2002.

À vontade, Blair se divertiu em quadra (Foto por Andrew D. Bernstein/NBAE via Getty Images)

O primeiro tempo foi bem disputado entre as duas equipes, que se alternaram na dianteira do placar. Pelos Rookies, os armadores Brandon Jennings, do Milwaukee Bucks, e Tyreke Evans, do Sacramento Kings, comandaram o time anotando 14 pontos cada. Pelos Sophomores, o armador do Oklahoma City Thunder, Russel Westbrook, anotou 11 pontos, e o pivô do Minnesota Timberwolves, Kevin Love, fechou a primeira metade do confronto com dez.

Evans, que recebeu o prêmio de MVP, dividiu o troféu com Blair

No intervalo, tivemos a disputa pela última vaga para o torneio de enterradas entre o ala-armador Eric Gordon, do Los Angeles Clippers, e o ala Demar DeRozan, do Toronto Raptors. Quem levou a melhor foi o ala do Raptors.

A segunda etapa continuou com o ritmo forte. Os segundanistas jogaram melhor; contudo, não conseguiram tirar a vantagem alcançada pelos novatos no primeiro tempo. O representante do San Antonio Spurs, o pivô DeJuan Blair, foi o grande destaque dos mais novos, anotando no último tempo 16 pontos e 15 rebotes, dos 22 e 23, respectivamente, que ele fez na paritda toda. Ainda pelos Rookies, o ala-armador James Harden, do Oklahoma City Thunder, fez mais 13 pontos e Evans mais 12, terminando como cestinha do time. Pelos Sophomores, Westbrook deu um show, marcando mais 29 pontos, terminando assim com 40 e sendo o cestinha do jogo. O ala-pivô Michael Beasley, do Miami Heat, adicionou mais 17 pontos neste tempo.

Ao final da partida, os torcedores perto da quadra começaram a gritar “MVP! MVP! MVP!” para Blair, que dominou o jogo. Mas quem ganhou oficialmente o prêmio de MVP da partida foi Tyreke Evans, que assim que recebeu o troféu ofereceu gentilmente dividí-lo com Blair.

Veja os melhores momentos da partida e o top 10 das jogadas do primeiro dia do All-Star Weekend:

Destaques da Partida

Rookies

Tyreke Evans – 26 pontos, cinco roubos de bola e 73,3% (11-15) nos arremessos de quadra

DeJuan Blair – 22 pontos, 23 rebotes, dez rebotes ofensivos e 57,9% (11-19) nos arremessos de quadra

Brendon Jennings – 22 pontos, oito assistências e quatro roubos de bola

James Harden – 22 pontos

Stephen Curry – 14 pontos

Omri Casspi – 13 pontos

Sophomores

Russel Westbrook – 40 pontos e 62% (18-29) nos arremessos de quadra

Michael Beasley – 26 pontos e sete rebotes

Anthony Morrow – 15 pontos

Kevin Love – 12 pontos e seis rebotes

Marc Gasol – Dez pontos e seis rebotes

O.J. Mayo – Dez assistências

O rival pode ajudar?

Torcedor texano, vamos falar a verdade: mesmo com a vitória de quinta-feira sobre o Denver Nuggets, a fase do San Antonio Spurs não é das melhores. A equipe ocupa hoje a quinta colocação da Conferência Oeste, com a mesma campanha do sexto colocado –  o Oklahoma City Thunder, que vive uma ótima fase e que pode, a qualquer momento, ultrapassar o time de Gregg Popovich. Motivos de preocupação não faltam.

Mesmo que termine no quinto lugar, isso significa um confronto sem vantagem de mando de quadra contra uma das quatro potências do Oeste – provavelmente, contra Utah Jazz ou Dallas Mavericks. É bem verdade que o Spurs é conhecido por subir de produção nos playoffs. Mas, na temporada passada, diante de nossos rivais regionais, já não foi assim – jogadores como Roger Mason e Matt Bonner caíram de produção, e Tony Parker e Tim Duncan sozinhos não conseguiram levar o time adiante.

Porém, mesmo nesta draga danada, ainda estamos em segundo na Divisão Sudoeste – talvez a mais equilibrada de toda a NBA. Hoje, o San Antonio Spurs (30-21) está atrás apenas do próprio Dallas Mavericks (32-20). Como o rival texano também não atravessa um de seus melhores momentos – venceu apenas quatro das últimas seis partidas que disputou – a diferença do quarto para o quinto colocados hoje é muito menor do que já foi nesta temporada.

Ultrapassar o Mavericks pode significar muito para o Spurs. Vale lembrar que, na NBA, o melhor time de cada divisão tem lugar assegurado entre os quatro primeiros da sua Conferência. Isso significaria, que, nos playoffs, enfrentaríamos o próprio Mavs, ou o Thunder, ou o Portland TrailBlazers, ou até o Phoenix Suns, com vantagem do mando de quadra. Imaginem se a equipe pega o Suns, cuja geração é freguesa de carteirinha do time texano nos playoffs? Uma classificação e a vaga na semifinal do Oeste podem dar ao time a confiança que faltou até aqui na temporada regular.

Prova de que a fase do rival local não é boa é que rumores de troca começam a pipocar em Dallas. Nomes como Josh Howard e Drew Gooden já estão na pauta de negociações de Mark Cuban. Adições a esta altura da temporada podem demorar um pouco para se ajustarem, dando mais tempo para que o Spurs se estabeleça e assuma a liderança da divisão. Seria sonhar alto demais?