Arquivo diário: 02/01/2010

Curtinhas: Ex e atuais jogadores se encontram em Washington

Jogadores se encontram na gelada Washington para o jogo desta noite (Foto: Fabrício Oberto Twitter)

O twitter é uma ferramenta muito útil. Através dela ficamos sabendo um pouco mais sobre os bastidores da NBA, vemos coisas reveladoras, fotos dos jogadores no cotidiano… essas coisas que têm algum valor para quem é fanático pelo melhor basquete do mundo.

Agora há pouco, dando uma olhada no twitter do Fabrício Oberto (será que só eu sigo ele?), vi uma foto bem legal dele com os atuais jogadores do San Antonio Spurs. Para quem não se lembra, Oberto jogou quatro temporadas no Texas, fez parte do título da temporada 2006-2007 e ao meu ver era um jogador muito importante. Bom passador, boa visão de jogo, um pivô com estilo de jogo refinado.

Na gélida capital norte-americana, Oberto, Ginobili, Finley e outros se encontraram para conversar e matar as saudades. Daqui há pouco (22h00 no horário de Brasília), San Antonio vai até o Verizon Center para duelar com o Washington Wizards de Oberto.

O argentino, inclusive, está de número novo. Quando chegou ao Wizards, Oberto, que usa a #7 no selecionado argentino e usava no Spurs, teve que mudar, pois a camisa #7 já tinha outro dono: o ala-pivô Andray Blatche. Sem alternativa, ele acabou optando pelo número #21, uma homenagem ao ídolo Duncan e ao seu dia de nascimento (21/03).

A melhora de Blair nos lances livres

Quem assistiu aos últimos jogos do San Antonio Spurs percebeu que o novato DeJuan Blair melhorou muito seu aproveitamento nos lances livres.

Ele, que vem com média baixa de 46,5% na temporada, subiu seu aproveitamento para 75% nos duelos contra Minnesota Timberwolves (5-8) e Miami Heat (4-4).

A causa disso é o intenso treinamento com o técnico Chip Engelland. Depois de iniciar a prática com o especialista, Blair mudou seu estilo de arremesso. Agora sua bola faz um arco maior, num estilo parecido com o chute de Dirk Nowitzki.

“É… está funcionando”, disse o atleta. “Chip é fantástico. Dou um abraço nele todos os dias. Essa melhora que eu tive é maravilhosa”, completou.

Jefferson como ala-pivô

Richard Jefferson - San Antonio SpursO ala Richard Jefferson vem exercendo outro papel durante alguns minutos dos últimos jogos. Quando necessário, o principal contratado do Spurs para essa temporada vem mostrando versatilidade e atuando também como ala-pivô. “Sou alto e atlético o suficiente para isso”, explicou.

“Joguei como pivô na época do colégio, sei como bloquear os arremessos. Enfrentei muitos caras grandes naqueles tempos”, completou.

Popovich acha que a defesa ainda tem que melhorar

Para o técnico Gregg Popovich, a defesa já melhorou bastante, contudo, ela ainda precisa evoluir para chegar ao nível que ele deseja. “Nossa defesa está ficando melhor aos poucos”, disse. “Poderíamos estar num lugar melhor, mas vamos nos aperfeiçoando devagar. Nossa defesa é muito determinada em aprender”, completou.

Apesar de Pop achar que “a defesa está melhor do que há um mês atrás”, ele ainda parece reticente quanto ao desempenho do time. “Se nossas últimas vitórias fossem contra Cleveland, Orlando, Phoenix e Lakers, eu estaria realmente impressionado conosco”, disse. “Esse não é o caso, por isso não estou entusiasmado”, finalizou.

Anúncios

Spurs (19-11) @ Wizards (10-20) – Temporada regular

Robson Kobayashi

San Antonio Spurs @ Washington Wizards – Temporada Regular

Data: 02/01/2010

Horário: 22:00 (Horário de Brasília)

Local: Verizon Center; Washington D.C., DC

Situação do Jogo

O San Antonio Spurs faz seu primeiro jogo de 2010 na capital dos Estados Unidos. Manu voltou a apresentar bom desempenho, fazendo passes incríveis, roubando bolas preciosas e finalizando com infiltrações ou com arremessos. Enquanto o time texano vem subindo na tabela com uma sequência de 4 vitórias, o Wizards vai ‘descendo a ladeira’ com uma sequência de 3 derrotas.

Confrontos na temporada (1-0)

21/11/2009 – San Antonio Spurs 106 vs. 84 Washington Wizards

Parker voltou de contusão para liderar a equipe em uma vitória tranquila contra o time da capital.
.

San Antonio Spurs

PG – Tony Parker

SG – Keith Bogans

SF – Richard Jefferson

PF – Tim Duncan

C – DeJuan Blair

Fique de olho – Tim Duncan deve ser novamente o destaque e dará muito, mas muito trabalho para o garrafão adversário.
.

PG – Gilbert Arenas

SG – Randy Foye

SF – Caron Butler

PF – Antawn Jamison

C – Brendan Haywood

Fique de olho – Depois de ficar quase uma temporada sem jogar, Arenas quer mostrar serviço. No AT&T Center, ginásio do Spurs,  não obteve sucesso, mas vai tentar fazer o dever de casa nesta noite.

Bogans tem papel fundamental no ‘novo Spurs’

Olha aí o Bogans quando atuava pelo Magic 'batendo a carteira' do Ginobili

Ao adicionar o ala Keith Bogans ao seu elenco, Gregg Popovich buscava muito mais do que um carregador de toalhas e Gatorade. Pop viu em Bogans um novo substituto para Bruce Bowen; alguém que defendesse e, ainda por cima, convertesse umas bolinhas de três pontos no ataque.

Bogans é esse cara. Ele é esforçado, brigador, um atleta de grupo, que está muito mais interessado no desenvolvimento coletivo do que em marcas individuais. “Nessa liga todo mundo é cestinha”, disse. “Eu tive que encontrar alguma coisa que outros caras não fizessem. Não são muitos deles que jogam defensivamente”, explicou.

Esse lance fala por si só...

Popovich, por sua vez, sabe da importância de ter um jogador como esses no elenco. “Há muito o que dizer sobre um titular que não precisa da bola [para jogar]”, elogiou. Bogans chegou a San Antonio como free agent no dia 21 de setembro de 2009. Sua equipe na época, o Milwaukee Bucks, decidiu que não precisaria mais dos seus serviços. “Achei que não perderíamos nada em darmos uma chance a ele”, afirmou Pop. “Quando observei o mundo lá fora, não imaginei que existiria alguém com potencial para fazer o que o Bruce Bowen fazia”.

O treinador estava certo. O ala é aquele popular ‘cara chato’, assim como era seu antecessor. “Ele te agarra, te segura. Ele leva a defesa muito a sério, mesmo nos treinos”, disse o argentino Manu Ginobili (vide foto). Às vezes, no entanto, Bogans tem alguns lampejos da época em que jogou na Universidade de Kentucky – onde foi o quarto maior cestinha da história. “Eu posso converter um arremesso se for preciso”, disse. “Mas primeiro sou um defensor”.

Ontem, contra o Miami Heat, o ala ajudou a parar o ótimo Dwyane Wade, que terminou a partida com apenas seis arremessos convertidos em 18 tentados. “Eu só tentei ser fiel ao nosso plano de jogo e levá-lo à zona onde nossos companheiros estavam para ajudar”, disse. “Ele [Wade] parecia um pouco cansado, mas ainda assim tentou lutar contra isso. Trata-se de um grande jogador. Se não fosse por meus companheiros tenho certeza que seria uma noite longa”, finalizou.

Com a dificuldade de achar lances do Bogans no youtube, aqui tem poucos momentos dele num jogo pela Universidade de Kentucky.

Manu continua decisivo

2010 começa com uma certeza para o San Antonio Spurs; Manu Ginobili ainda pode ser decisivo para o sucesso da equipe. Longe de qualquer coincidência, a equipe texana venceu dez de seus últimos doze jogos justamente no período em que o ala-armador argentino começou a subir de produção.

Aos poucos, a tendência é que Manu deixe de usar seu lado físico. As infiltrações espetaculares, que terminavam com bandejas e enterradas espetaculares estão cada vez mais perto de acabar. O físico do argentino – prejudicado pela idade, que já bate à porta do ala-armador, e pelos problemas no tornozelo – já não é mais o mesmo.

Por isso, Gregg Popovich e o Spurs precisam que Ginobili se utilize de outros aspectos de seu jogo para beneficiar a equipe. Sua inteligência e  sua criatividade, por exemplo, são virtudes que não serão afetadas. Nos últimos jogos – principalmente diante do Wolves – Manu deu um show de assistências. Uma tendência cada vez maior quando as possibilidades de pontuar do argentino diminuírem.

Outro aspecto em que o argentino deve continuar trabalhando é a sua já consistente defesa. Na marcação 1×1, Manu já é um dos melhores no nosso elenco, mas ele se destaca na cobertura, conseguindo interceptar uma boa quantidade de passes e roubar bolas de surpresa quando dobra a marcação. Novamente, sua inteligência usada à favor da equipe.

Além disso, seu arremesso de média e longa distância continua mortal. São provas de que Manu Ginobili ainda é fundamental para o San Antonio Spurs. Na última temporada – tal qual nessa – subimos de produção com a volta do argentino e sentimos sua falta nos playoffs. Nos resta torcer para que, dessa vez, ele chegue saudável à pós-temporada.