Arquivo diário: 10/11/2009

Até onde a idade pode pesar?

Caros leitores, esta é uma discussão que há tempos ocorre pelos lados de San Antonio, e neste começo de temporada não foi diferente. Após um início com rendimento abaixo do esperado, o assunto voltou à tona. Até onde a idade pesa no elenco?

Para os rivais, que já colocam a equipe texana como carta fora do baralho, fica o aviso: Nunca duvide do Spurs. A equipe sempre contou com elenco experiente em todas as suas conquistas e isso não impediu a equipe de vencer.

O começo ruim pode assustar um pouco alguns torcedores, mas não assusta quem acompanha de perto a franquia. A equipe passa por um processo de reestruturação, justamente buscando reduzir a média de idade do elenco. Apesar da chegada de Richard Jefferson, a saída de Bruce Bowen parece ter abalado um pouco o sistema defensivo da equipe, que vem tomando mais pontos que o habitual. Por mais que o ala não tivesse mais o mesmo desempenho, o entrosamento e a experiência fazem falta.

O que realmente me deixa preocupado é assistir as partidas e ver o Duncan jogar com aquela proteção no joelho. Pode ser apenas preventivo, mas sabemos que Timmy não é mas nenhum garoto, e seus joelhos podem estar se desgastando após tantos anos como profissional. As dores que o ala-pivô sentiu durante o último playoffs aumentam ainda mais esta preocupação.

Manu Ginobili parece totalmente recuperado, Tony Parker está em seu auge, Richard Jefferson é um jogador versátil e que tem muito a adicionar para a equipe, mas sem Tim Duncan o sonho do penta estará acabado.

A idade não será decisiva para excluir o time texano da disputa do anel; já a saúde de Duncan, esta sim, será um fator determinante. Sem o lendário ala-pivô, o Spurs continuará sendo um bom time, porém comum, sem sua grande referência e sem um diferencial.

Spurs (3-3) vs Raptors (3-4) – Manu Ginobili comanda o show e Spurs vence terceira

SPURS - RESUMO - NOVO

131X124

Raptors Spurs Basketball

Com 36 pontos, Manu Ginobili (dir.) foi a grande estrela da partida

Mesmo desfalcado de suas principais estrelas – Tim Duncan e Manu Ginobili,  ambos com problema no tornozelo – o San Antonio Spurs mostrou toda a força de seu elenco ao bater o Toronto Raptors no AT&T Center. O jogo, que foi bastante equilibrado até meados do último período, deixou evidencias de que os texanos precisam melhorar e muito se quiserem almejar o quinto título da NBA. Como nas últimas partidas, os comandados de Gregg Popovich permitiram que Toronto pontuasse com facilidade e ficasse durante boa parte do duelo liderando no marcador. Além disso, mais uma vez chegamos perto de uma contagem centenária ainda no terceiro período – coisa que não víamos nos anos anteriores. Ao meu ver, ainda é cedo para se preocupar, já que a temporada está apenas começando e o treinador está se acostumando com os novos atletas. A tendência, claro, é melhorar com o decorrer dos jogos.

90040798CE001_RAPT_SPURS

Richard Jefferson chegou perto de um triple-double

Vamos ao embate: a equipe da casa teve um início tímido, permitindo que os visitantes jogassem livres. Essa tônica durou bastante, e o primeiro tempo viu um placar liderado em sua maior parte pelos Raptors. Ao final do segundo quarto, contudo, San Antonio conseguiu empatar, deixando tudo igual na ida aos vestiários. Na volta, tudo na mesma; jogo lá e cá, disputado – vez ou outra um dos times abria cinco, seis pontos, mas logo era alcançado e tudo voltava ao equilibrio.

No último período, no entanto, brilhou uma estrela que há muito tempo andava apagada: Manu Ginobili. O argentino simplesmente esteve endiabrado! Infiltrou, acertou chutes de três pontos (seis em oito tentados) e evidentemente fez a diferença. A cada bola impressionante acertada pelo hermano a torcida ia ao delírio, e os jogadores no banco canadense ficavam incrédulos. Mais legal ainda foi ver Matt Bonner jogar como nunca, com uma raça incrível e uma pontaria bastante afiada. George Hill fez bem o papel de Tony Parker; atacou o garrafão, chamou a responsabilidade quando preciso e fez jogadas belíssimas. E o que falar de Richard Jefferson? O cara faz aquilo que todo torcedor adora e é difícil ver em San Antonio: enterradas plásticas. Ontem mais uma vez ele jogou muito e quase conseguiu um triple-double; 24 pontos, oito rebotes e sete assistências.

90040798CE001_RAPT_SPURS

Hill entrou na fogueira e substituiu Parker muito bem

Aliás, o time todo está de parabéns, pois fez, de longe, seu melhor jogo na temporada até aqui. Pelo lado do Raptors, destaque para Chris Bosh e a dupla de italianos Bargnani/Belinelli. Bosh fez brincando 32 pontos, enquanto Bargnani foi certeiro na maioria de suas tentativas; 17 pontos para ele. Belinelli, por sua vez, chamou mais atenção, pois encestou bolas cruciais; 12 pontos para ele e 100% de aproveitamento da linha dos três pontos.

Embalado e com uma grande sequência de jogos em casa, os texanos recebem amanhã um de seus maiores rivais: o Dallas Mavericks. Os Raptors, por sua vez, voltam para casa e recebem o perigoso Chicago Bulls – jogo esse que também acontece nessa quarta-feira.

Confira os melhores momentos da vitória de ontem:

Destaques da Partida

San Antonio Spurs

Manu Ginobili – 36 pontos, quatro rebotes e oito assistências

Richard Jefferson – 24 pontos, oito rebotes e sete assistências

George Hill – 22 pontos e cinco assistências

Matt Bonner – 18 pontos e quatro rebotes

Antonio McDyess – Sete pontos e dez rebotes

Toronto Raptors

Chris Bosh – 32 pontos e dez rebotes

Hedo Turkoglu – 20 pontos

Andrea Bargnani – 17 pontos

José Calderon – 13 pontos e nove assistências

Marco Belinelli – 12 pontos