Arquivo diário: 15/08/2009

Liderado por Parker, França vence novamente a Itália e garante 1º lugar no grupo

Parker e Batum, ala do Blazers, foram os grandes responsáveis pela conquista do 1º lugar do grupo (Foto em fibaeurope.com)

Parker e Batum, ala do Blazers, foram os grandes responsáveis pela conquista do 1º lugar do grupo (Foto em fibaeurope.com)

A França garantiu o topo do grupo B da repescagem do EuroBasket 2009 com uma vitória arrasadora de 81 a 61 sobre a Itália, em casa, na cidade de Pau. Com Tony Parker a todo vapor, a seleção francesa está a duas partidas da classificação para o EuroBasket, que será disutado na Polônia.

Les Bleus começaram muito forte a partida, com Florent Pìetrus, que vem sendo sondado pelo Charlotte Bobcats, marcando seus oito pontos na partida no primeiro período, ajudando a fechá-lo em 19 a 7. Os franceses continuaram sua grande atuação, comandados por Parker e Batum, que chegaram ao intervalo com 11 e 12 pontos, respectivamente, fechando o segundo quarto em 41 a 27.

Os italianos não conseguiam reagir, e ficaram até o final da partida atrás no placar por mais de 10 pontos, com a França ganhando o terceiro quarto por 62 a 46 e o último período por 81 a 61.

Parker anotou 23 pontos e cinco assistências; Nicolas Batum, ala do Portland Trail Blazers, fez 16 pontos, oito rebotes e seis roubos de bola; Ronny Turiaf, ala-pivô do Golden State Warriors, adicionou 14 pontos; e Florent Pietrus, ala-armador do Valencia Basket Club, da Liga ACB, da Espanha, conseguiu oito pontos, nove rebotes e dois bloqueios, todos em contribuição para a vitória dos Les Bleus.

Parker retornou com todo gás, sendo o cestinha da partida com 23 pontos (Foto por Reuters)

Parker retornou com todo gás, sendo o cestinha da partida com 23 pontos (Foto por Reuters)

Pela Azzurri, o armador Marco Belinelli, recém-contratado pelo Toronto Raptors, comandou o time com 19 pontos; o armador Jacopo Giachetti, do Lottomatica Virtus Roma, da Serie A da Itália, fez 13 pontos; e Matteo Soragna, ala do Benetton Treviso, também da Serie A italiana, anotou 11 pontos.

Finlândia e Itália não têm mais chances de alcançar a França, mesmo a seleção francesa tendo mais uma partida contra os finladeses e restando um jogo da seleção finlandesa contra os italianos. Agora, a França espera pelo vencedor do outro grupo, para se enfretarem em jogos de ida e volta pela última vaga do EuroBasket. Bosnia e Herzegovina chegou  a 3-0 pela grupo A, com a vitória por 73 a 61 sobre Portugal ,na sexta, porém pode ainda ser superada pela Bélgica.

Anúncios

O Brasil da Copa América

O técnico da Seleção Brasileira masculina de basquete, Moncho Monsalve, anunciou ontem o grupo que levará à Copa América. Marcelinho Huertas, Duda, Leandrinho, Alex, Jonathan Tavernari, Marcelinho Machado, Diego, Guilherme Giovannoni, Olivinha, JP Batista, Anderson Varejão e Tiago Splitter serão os 12 jogadores que tentarão colocar o Brasil no próximo campeonato mundial. Hoje, uso este espaço para analisar a convocação.

Na armação, não parece ser exagero afirmar que temos duas unanimidades: o fã brasileiro de basquete levaria Marcelinho Huertas para ser o titular e JAMAIS escolheria Duda como reserva. Enquanto o “europeu” se firma a cada dia mais com a camisa da Seleção, o ala-armador, que defendeu o Flamengo na última NBB, é o ponto mais controverso da convocação de Moncho.

Na cabeça do treinador, ele disputava posição com o armador de ofício Fúlvio – que jogou melhor no Super Four Eletrobrás. Talvez, nem haja tanta diferença técnica entre os dois; porém, Duda não está acostumado a produzir para o time, por não ser da posição, e, com certeza, terá dificuldades para enfrentar nomes como Arroyo, Ayuso e Prigioni na Copa América.

Eu convocaria um jovem jogador de futuro para a reserva de Huertas, preparando-o para entrar em quadra aos poucos, enquanto usaria o ala-armador do Phoenix Suns, Leandrinho, como principal opção nos minutos em que Huertas precisar descansar.

Por falar em Leandrinho, sua posição é a mais bem servida da Seleção:  ele, Alex e Jonathan Tavernari deixam o Brasil bem servido de alas-armadores. Aqui, nem uma ressalva em relação aos convocados.

Em compensação, na posição três, alguns problemas. Moncho insiste em chamar Marcelinho Machado, nome que divide opiniões – enquanto alguns o acham bom jogador, outros acham que sua falta de senso coletivo só é prejudicial ao time. Eu faço parte do segundo grupo, e nem sequer chamaria o atleta para minha seleção.

Além dele, Diego – que fez boa NBB como sexto homem do Brasília – não inspira confiança para atuar nesse nível. Pra mim, apesar dos recentes problemas que teve na Seleção, o ala Marquinhos teria lugar cativo nessa lista.

Temos também o versátil jogador Guilherme Giovannoni, que pode atuar como ala; porém, graças a suas características físicas, acho que ele rende mais quando deslocado para a posição quatro. Quem tem características parecidas com as dele é Marcus, esquecido nesta oportunidade – uma equipe com dois guards, Giovannoni, Marcus e um pivô seria interessante por proporcionar várias alternativas.

No garrafão, além dos indiscutíveis titulares Varejão e Splitter, tivemos uma série de problemas com jogadores como Murilo, Nenê, Paulão e Baby. Por isso, as convocações de JP e Olivinha tornam-se aceitáveis; embora eu não confie em nenhum para representar o Brasil. Giovannoni, pra mim, passa a ser a principal opção para a rotação no garrafão.

Mas vale ressaltar que, apesar dessa não ser minha lista dos sonhos, eu confio no trabalho de Moncho Monsalve e acredito que ele nos levará ao próximo Mundial. Quem sabe, com o retorno dos jogadores machucados, possamos, novamente, exercer um papel de destaque no cenário do basquete mundial.