Arquivo diário: 25/07/2009

Rotação de garrafão como há tempos não se via

Cirúrgica. Assim que defino a contratação de Theo Ratliff por parte do San Antonio Spurs. Não que a franquia tenha assinado com um super-craque a preço de banana; mas a verdade é que Buford, Popovich e companhia supriram, no mercado, um problema que vinha se desenhando no elenco da equipe.

Antes da chegada de Ratliff, os Spurs contavam com seis jogadores para a rotação de seu garrafão; apenas um era pivô de origem. Assim, os também veteranos Tim Duncan e Antonio McDyess teriam que, invariavelmente, ocupar a posição durante os jogos. Tendo obrigatoriamente pelo menos um em quadra durante todo um jogo, Popovich seria obrigado a diminuir consideravelmente os minutos que a os dois ficariam em quadra juntos.

Agora, com Ratliff, esse cenário muda. Acredito até que o pivozão seja o titular no começo das partidas, empurrando de volta Duncan para a função de ala-pivô e deixando McDyess vir do banco, como o ex-jogador do Detroit Pistons afirmou gostar.

Além dos dois, contamos com mais duas opções que tornam a rotação versátil; o já conhecido Matt Bonner pode ajudar aumentando o poder de fogo da equipe com seus tiros de três pontos, enquanto o novato DeJuan Blair deve contribuir com bastante força física e ajudar os veteranos na coleta de rebotes.

Além dos cinco, temos ainda o jovem Ian Mahinmi – o único pivô até então do elenco a qual me referi – e o repatriado Marcus Haislip, que devem tentar cavar uns minutinhos na rotação da equipe. Ou seja, com sete jogadores para o garrafão, temos quantidade o suficiente para, inclusive, poupar os três veteranos se assim Popovich quiser.

Theo Ratliff jogava com camisa 50 nos Sixers. Nos Spurs, não poderá usar o número, imortalizado em homenagem a David Robinson. Curiosa coincidencia; o elenco em formação pode dar a Duncan os melhores companheiros de garrafão desde a aposentadoria do Almirante.

Anúncios