Arquivo diário: 16/06/2009

Ele nunca vai ganhar sozinho

Domingo foi um dia especial para os torcedores do Los Angeles Lakers. Após alguns poucos anos de espera, a equipe da Califórnia voltou a fazer algo que está acostumada desde seus primórdios: ser campeã. Fez uma temporada regular quase impecável, e o time bateu sem muitas dificuldades seus adversários do Oeste na pós-temporada. Na grande final, não tomou conhecimento do Orlando Magic e atropelou o adversário, vencendo quatro jogos e perdendo apenas um. Tirou da garganta o gosto amargo do vice de 2008, e calou a boca de muitos.

Mas o título dos Lakers não se torna mais especial por esses motivos citados acima. Acredito que os torcedores da franquia estão se deleitando com a situação de seu grande astro, o ala-armador Kobe Bryant. Depois de conquistar três títulos pela franquia angelina, o jogador parecia ainda ter algo para provar. E para muitos, precisava mesmo provar algumas coisas. Precisava provar que poderia ser campeão e líder do time ao mesmo tempo. Que poderia levantar o caneco sem a sombra – e que sombra – de Shaquille O’Neal.

Besteira.

Se para muitos o título conquistado nesse último final de semana foi um “cala boca” nos críticos de Bryant, estão muito enganados. E estão enganados porque Bryant nunca precisou provar nada para ninguém. Confesso que fora das quadras nunca foi meu jogador favorito – e aposto que para muitos não o é. Mas dentro das quatro linhas ele nunca foi menino. Sempre foi grande. E mesmo assim nunca ganhou sozinho. Nunca porque é impossível. Porque não estamos falando sobre tênis de mesa, tênis ou boliche. No basquete não se vence sozinho. E por mais genial que Kobe seja, ele nunca conseguirá tal feito. Ninguém nunca conseguiu.

Falar que Bryant venceu só é falar, no mínimo, uma bela besteira. Ou você não sabe quem são Pau Gasol, Trevor Ariza, Andrew Bynum, Derek Fisher, Phil Jackson e todos os outros que compõem o elenco do Lakers? São jogadores, são treinadores. Podem não ser tão geniais quanto é Kobe, podem não ter seu poder de decisão. Mas estão lá e deram o apoio suficiente. Ele nunca esteve sozinho. Ele nunca venceu sozinho. Ele nunca vencerá sozinho.

E isso nunca diminuirá sua genialidade.