Arquivo diário: 04/06/2009

Dia D

brunolinha3kv5

À esquerda, o jovem Dwight Howard busca seu primeiro anel, enquanto Kobe (dir.) que dizimar os fantasmas do passado

À esquerda, o jovem Dwight Howard busca seu primeiro anel, enquanto Kobe (dir.) quer dizimar os fantasmas do passado

Historicamente, o Dia D é uma das datas mais marcantes da Segunda Guerra Mundial. No dia 6 de junho de 1944, tropas que mesclavam forças americanas, inglesas e canadenses desembarcaram na região da Normandia, na França, para libertar o país aliado dos nazistas. Trazendo a discussão para os dias atuais, podemos dizer que outra batalha de tremenda importância acontece daqui a pouco: Orlando Magic e Los Angeles Lakers duelam em busca do prêmio máximo do basquete, o título da NBA.

O confronto, marcado para as 22h00 (horário de Brasília), marca o duelo de duas das grandes estrelas da NBA atual. Prestes a completar 31 anos, Kobe Bryant é um jogador que divide opiniões dentro e fora da liga. Para muitos considerado o maior sucessor do ídolo máximo Michael Jordan, Kobe busca vencer seu primeiro título ‘sozinho’. Nas outras três oportunidades em que conquistou o anel, o atleta contava com a ‘pequena’ ajuda de Shaquille O’Neal – um dos maiores pivôs de todos os tempos. O fato incomoda o jogador, ainda mais após a derrota nas finais do ano passado para o Boston Celtics. Apesar de se mostrar tranquilo quanto ao embate final, Kobe sabe que um derrota para o Magic acenderá o fogo daqueles que o detestam – quanta responsabilidade!

Do outro lado, Dwight Howard vem caminhando a passos largos para se tornar de longe o melhor pivô dessa geração. Aos 23 anos, o superman tem algo em comum com o Los Angeles Lakers: ele também é envolvido em notícias que o ligam ao ex-pivô angelino Shaquille O’Neal. No caso dele, pelo menos, a comparação é positiva. Assim como Shaq, Howard começou a carreira em Orlando e em pouco tempo se tornou um grande sucesso. Além disso, ambos possuem um biotipo bastante semelhante: muita força física e forte arsenal tanto no ataque quanto na defesa. O que a torcida do Magic espera, no entanto, é que seu ídolo atual não siga os passos do ídolo do passado, que ainda no começo de carreira deixou a Flórida para brilhar na Califórnia. D12 parece maravilhado com a situação na qual se encontra e animado com a final e pretende continuar em Orlando: “Fico até quando me quiserem aqui”, disse um atleta entusiasmado com a possibilidade de conquistar o primeiro anel da carreira. Hei de concordar que não é para menos, já que estrelas consagradas da NBA, como Reggie Miller, Karl Malone e John Stockton, jamais conseguiram tal honraria.

Magic e Lakers devem fazer um grandioso duelo, sem favoritos. Quem ganha com isso? Sem dúvidas os fanáticos torcedores. Agora eu falo por mim: há tempos não via uma série tão empolgante e tão marcante, talvez desde San Antonio Spurs e Detroit Pistons. O que vimos na última década foi um dominio esmagador da Conferência Oeste em cima da Conferência Leste, o que fez com que as finais perdessem muito de sua graça. Nos últimos anos o panôrama vem mudando, e agora temos visto confrontos mais equilibrados, como foi no ano passado entre o próprio Los Angeles Lakers e o Boston Celtics. Se no mesmo ano passado a equipe de Boston entrou  como favorita para a final (ainda que esse favoritismo fosse pouco), nesse ano o Magic perde apenas no quesito tradição. Kobe Bryant, Phill Jackson e o Los Angeles Lakers são veteranos nas finais, enquanto Dwight Howard e companhia estão apenas tentando marcar seus nomes na história; com isso, só o tempo irá dizer se o tradicional conjunto californiano fará com que sua vasta experiência se torne um diferencial na série. Bom jogo, caros leitores!