Arquivo diário: 16/09/2008

Uma receita para o penta

 A temporada 2008/2009 da NBA está a cada dia mais próxima, faltando hoje pouco menos de um mês e meio para o início dos embates da temporada regular, época em que são decididos os dezesseis clubes classificados para a pós-temporada, na qual a briga realmente pega fogo, e, como definiu Michael Jordan, meninos e homens são devidamente separados.

Dividindo o caminho passo a passo e colocando como objeto de análise o San Antonio Spurs, dou alguns palpites para que o elenco do time texano obtenha êxito na disputa da próxima temporada.

1) A rotação

Manu Ginobili será ou não será o sexto homem da NBA? Pouco importa. O que importa é que a equipe saiba jogar sem ele, uma vez que o argentino tem sofrido com algumas contusões desde meados de 2007, fator que prejudicou o time nos playoffs e, em alguns momentos, na própria temporada regular. Quanto menos o ala-armador jogar na regular, melhor. Que comece no banco de reservas e entre em quadra para colocar fogo na partida. Com a conferência Oeste cada vez mais disputada, acho que o Spurs não se dará ao luxo de poupar Ginobili de jogos inteiros, mas sua entrada como reserva pode, gradativamente, deixá-lo 100%.

2) O parceiro de Duncan

Ian Mahinmi? Fabrício Oberto? Kurt Thomas? Os parceiros de Duncan mudarão com certeza ao longo da temporada, e, na minha opinião, Oberto deverá iniciar a temporada como titular. Não por sua qualidade técnica, mas pelo fato de Gregg Popovich parecer confiar mais nele. A adaptação do francês Mahinmi será importantíssima para as temporadas futuras e também para a disputa de 2008/2009, uma vez que com um bom parceiro ao seu lado, Duncan já provou ser capaz de decidir um campeonato. Meu preferido, pelo que vi jogar desses três, é o francês, mas sei que Pop não optará pelo mesmo, pelo menos no começo. Thomas está velho, mas ainda pega seus rebotes; é peça importante na renovação. E, falando em renovação, acho importante também a manutenção do veterano Robert Horry, porque mesmo que ele pouco atue na regular, sabemos de sua importância na pós-temporada.

3) A campanha em casa 

Falar é fácil, eu sei, mas o Spurs tem que se garantir em casa. Dos 41 jogos que serão disputados no AT&T Center, pelo menos 30 devem ser vencidos pela equipe, porque essa é a campanha que se espera de uma equipe focada no título. Quando receber adversários mais fracos, a pressão da torcida pode sim decidir o jogo. Mas quando recebermos times mais fortes, Pop terá que colocar o time na pressão, para que junto com a força da torcida possamos encurralar adversários fortes.

4) Pré-temporada

Perder ou ganhar um jogo da pré-temporada não fará diferença nenhuma na temporada em si. Mas vale lembrar que o período de treinos antes da regular começar é válido para condicionar jogadores – Ginobili se recuperando de lesão, principalmente – e entrosar o time. Popovich é ótimo técnico, mas parece estar satisfeito demais com a forma que seu time joga. Os chamados treinamentos de campo são ideais para que Pop possa treinar novas jogadas e assim surpreender um pouco os adversários – e nós mesmos, torcedores do Spurs.

5) Conclusão

Não farei um palpite sobre quem será o campeão da próxima época da NBA. Coloco sim o Spurs entre os favoritos, mas não com tanta convicção quanto antes. Algumas equipes se mexeram e formaram ótimos elencos, casos de Sixers, Blazers e Heat, fator que pode complicar a disputa que já foi acirrada na última temporada. O Spurs pouco fez e confia em um elenco veterano e até certo ponto já manjado pelos adversários. Resta saber se Gregg Popovich e sua comissão terão alguma carta da manga para surpreender e, quem sabe, abocanhar o penta.