Arquivo diário: 12/09/2008

Por que eu sou Spurs?

Olá, caros leitores.

Vocês devem estar se perguntando: “Por que o Kamus está escrevendo para o site do Spurs Brasil?”. A resposta é simples: o site está passando por umas reformulações e eu fui o primeiro de alguns que ainda virão a fazer parte da equipe. Minha função será basicamente a parte de resumos dos jogos.

Mas eis outra questão: “Porque ele está escrevendo se a temporada não começou ainda e não temos jogos para resumir?”. Essa pergunta será respondida logo abaixo.

Sou um Spur desde a temporada 1998/1999, com muito orgulho e muito amor, sem dúvidas. Comecei a acompanhar o time realmente na temporada 2004/2005, e desde então a minha paixão por essa franquia cresce mais e mais. Nunca pensei que poderia chegar a gostar tanto de um time quanto eu gosto do São Paulo, mas o Spurs me fez superar o que eu sinto pelo Tricolor, e olha que isso não é pouco.

Mas por que, dentre tantas franquias mais tradicionais, como Lakers e Celtics, ou mais carismáticas, como Suns e Nuggets, eu escolhi torcer justamente para o odiado San Antonio Spurs?

Bom, vou lhes dizer alguns motivos do meu amor por essa franquia.

1 – Uma equipe bem postada, que faz um jogo simples e eficiente, sem shows e todas aquelas firulas ao estilo Phoenix Suns. Uma equipe que joga defensivamente e objetivamente. Um time que induz o adversário ao erro com uma marcação forte e objetiva, por muitos considerada desleal. Esse é o estilo de jogo do Spurs.

2 – Um planejamento invejável, com reposições sempre à altura. Escolhas de draft altas resultando em jogadores como Tony Parker (28ª escolha) e Manu Ginóbili (57ª escolha), que hoje são top em suas posições na Liga. Um elenco de apoio que conta com jogadores que sabem o que devem fazer e não vão além do que são capazes.

3 – O ódio dos torcedores adversários, que me motiva a torcer ainda mais pelo time.

4 – Tim Duncan e David Robinson. As Torres Gêmeas, que juntas trouxeram dois títulos para San Antonio. Dois gigantes (literalmente falando) da história da NBA.

5 – Minha admiração pelos nossos hermanos se reflete no aumento da minha paixão pelo Spurs. Manu Ginóbili e Fabrício Oberto fazem a minha alegria ao escutar algumas vezes “que filho da mãe esse argentino”.

6 – Por fim, os 4 títulos. Pude acompanhar todos, mesmo que os dois primeiros só vendo as finais. Títulos são muito importantes para manter o amor vivo dentro de um torcedor, e o Spurs conseguiu fazer isso muito bem. A chama do meu amor é tão grande que poderíamos ficar sem ganhar nada por 100 anos e o meu amor seria igual. É claro que eu já bati três vezes na madeira ao falar isso.

Enfim, esses são alguns dos motivos que me levam a ser um Spur. E quais são os seus?

Anúncios

Spurs irá contratar jogador não-draftado

https://i1.wp.com/www.suathletics.com/images/basketball/mbasket/2006/10/31/Watkins06.jpgDarryl Watkins, ex-jogador da Universidade Syracuse, está muito próximo de firmar acordo de duas temporadas com o San Antonio Spurs. O contrato seria fechado nos próximos dias e está parcialmente garantido. As informações são do próprio agente do atleta.

O pivô não foi selecionado no draft após sua temporada como senior em Syracuse, e assinou um contrato como agente livre com o Sacramento Kings antes do início da temporada 2007-08. Apareceu em nove partidas com o Kings antes de ser liberado; no restante da temporada, Watkins jogou em equipes da Liga de Desenvolvimento.

WNBA – Dois reforços chegam para o restante do ano

noticiassilverbrunonc9

A técnico e general manager do San Antonio Silver Stars, Dan Hughes, anunciou ontem a contratação de duas jogadoras para o restante da temporada. Trata-se da armadora Adrianne Ross e da pivô Brittany Wilkins.

Ambas as jogadoras participaram dos treinamentos com a equipe no começo do ano, mas acabaram sendo dispensadas. Durante a pré-temporada, Ross fez dois bons jogos; anotou 16 pontos contra o Detroit Shock e 13 diante do Houston Comets.

Já Wilkins teve uma sólida carreira universitária. Quando atuou pela universidade de Iowa State, obteve médias de 16.1 pontos e 8.9 rebotes em sua última temporada. No ano de 2007, ela foi contratada por um time suiço. Lá, a jogadora disputou o campeonato europeu e teve números de 7.8 pontos e 5.8 rebotes.

Tanto a armadora quanto a pivô chegam apenas para completar o elenco, que não goza de um excelente banco de reservas; mesmo assim, creio que nenhuma delas terá alguma oportunidade durante os playoffs.

Foto: Brittany Wilkins (Esq.) e Adrianne Ross (Dir.)

Sun @ Silver Stars – WNBA – Vitória e primeiro lugar garantido

resumosilverbrunozp31

74X78

Após anos figurando entre as piores equipes da liga, o San Antonio Silver Stars conquistou na noite de hoje um fato inédito; pela primeira vez em toda a sua história, termina a temporada regular em primeiro lugar na conferência oeste. Tal fato foi conseguido após difícil vitória diante do Connecticut Sun.

Para alcançar o feito, a equipe teve algumas dificuldades perante o também já classificado Sun. No primeiro período, tudo correu como esperado; as Stars começaram pressionando e abriram certa vantagem. Entretanto, um momento crítico no segundo quarto deu chance para as adversárias encostarem no marcador. Após o intervalo, um período arrasador colocou as texanas cinco pontos atrás. Foi aí que surgiu a figura da ala-pivô Sophia Young; a jogadora carregou a equipe nas costas no último período, e, com vitória por nove pontos de vantagem no quarto, San Antonio saiu de quadra com seu 23º triunfo na liga.

Já se sabe o adversário da primeira rodada dos playoffs. Será o Sacramento Monarchs, que, a exemplo da temporada passada, está mais uma vez no caminho das comandadas de Dan Hughes. Na última oportunidade, vitória texana por duas partidas a uma. Vale lembrar que ainda há mais uma rodada por disputar na temporada regular; o jogo acontece no Sábado, justamente contra a equipe de Sacramento.

Destaques da partida

San Antonio Silver Stars

Sophia Young – 24 pontos e 7 rebotes

Becky Hammon – 17 pontos, 4 rebotes e 7 assistências

Ann Wauters – 17 pontos e 15 rebotes

Connecticut Sun

Asjha Jones – 18 pontos e 7 rebotes

Tamika Whitmore – 12 pontos e 7 rebotes

Erin Phillips – 11 pontos