Arquivo diário: 29/07/2008

Pequim 2008 – Rússia

Rússia

A Rússia vai a Pequim com o objetivo de reviver os tempos de União Soviética, quando o país era uma potência no basquete e ganhou nove medalhas no esporte. A tarefa não será fácil e o retrospecto recente da seleção nos Jogos Olímpicos mostra isso. Desde que a União Soviética deixou de existir, sua seleção masculina de basquete participou de apenas uma Olimpíada. Mas a seleção desse ano é muito boa e pode surpreender.

Participações em Olimpíadas: 2000 e 2008

Melhor participação: ouro em 1972 e 1988 (como União Soviética). Oitavo lugar em 2000 (como Rússia)

Grandes feitos no basquete: campeã no europeu de 2007

Participações em mundiais: 1994, 1998 e 2002

Melhor participação: segundo lugar em 1994 e 1998

Os convocados

Pivô – Sasha Kaun (CSKA Moscou)

Pivô – Aleksey Savrasenko (CSKA Moscou)

Pivô – Nikita Morgunov (Lokomotiv Rostov)

Ala-pivô – Andrei Kirilenko (Utah Jazz)

Ala-pivô – Andrey Vorontsevich (CSKA Moscou)

Ala – Vitali Fridzon (Khimki)

Ala – Sergei Monia (Dynamo Moscou)

Ala-armador – Zakhar Pashutin (Spartak São Petesburgo)

Ala-armador – Viktor Keirou (CSKA Moscou)

Armador – Jon Robert Holden (CSKA Moscou)

Armador – Sergei Bykov (Dynamo Moscou)

Armador – Petr Samoylenko (Dynamo Moscou)

Onde a Rússia pode chegar?

A seleção russa pode ser uma surpresa e surpreender grandes como Grécia, Argentina, EUA. Com um jogo de muita força física, conseguiram se classificar no campeonato europeu, sem precisar disputar a repescagem no pré-olímpico mundial, o que já os credita como uma potência a ser batida. Mas eles não se classificaram somente. A Rússia foi a campeã, deixando para trás seleções como Lituânia, Sérvia, Grécia e a campeã mundial, Espanha. Por isso não se surpreenda se eles conseguirem uma medalha.

A caminhada da Rússia

A Rússia chega à Olimpíada como campeã do europeu de 2007, garantindo assim automaticamente um lugar na competição, sem precisar passar pelo pré-olímpico mundial. No europeu, a seleção pegou um grupo teoricamente difícil, com Israel, Grécia e Sérvia. Mesmo assim, passou em primeiro lugar, vencendo os três jogos sem muitas dificuldades. Na fase final, as vitórias foram sobre a França, Lituânia e a campeã mundial Espanha na final, garantindo o título da competição.

Destaque

O principal destaque e único jogador da seleção russa a atuar na NBA é o ala-pivô do Utah Jazz Andrei Kirilenko. O jogador começou muito bem na NBA, chegando a ser apontado como o novo comandante do Jazz após Stockton e Malone deixarem o time. Entretanto, uma lesão no pulso na temporada 2004-2005 fez com que ele ficasse muito tempo parado. Em 2007, ajudou a seleção russa na conquista do europeu, sendo o cestinha da equipe com média de dezoito pontos. Além disso, suas belas atuações fizeram com que ele ficasse com o título de MVP do campeonato.

Pequim 2008 – Alemanha

Alemanha

A Alemanha chega a Pequim buscando surpreender os grandes e beliscar um lugar no pódio. Para isso, espera contar com grandes atuações de seus astros da NBA: Chris Kaman, do Los Angeles Clippers e, principalmente, Dirk Nowitzki, seu principal jogador e astro do Dallas Mavericks. Para isso, precisará ficar entre os quatro primeiros em um grupo que conta com Grécia, EUA, Espanha, Angola e China, sendo os anfitriões seus principais adversários na disputa pela quarta vaga.

Participações em Olimpíadas: 1936, 1972, 1984, 1992 e 2008

Melhor Participação: sétimo colocado em 1992

Grandes feitos no basquete: campeão europeu em 1993

Participações em mundiais: 1986, 1994, 2002, 2006

Melhor participação: terceiro colocado em 2002

Os convocados

Pivô – Chris Kaman (Los Angeles Clippers)

Pivô – Patrick Femerling (ALBA Berlim)

Ala-pivô – Dirk Nowitzki (Dallas Mavericks)

Ala-pivô – Tim Ohlbrecht (Brose Baskets)

Ala-pivô – Sven Schultze (Pallalcesto Amatore Udine)

Ala-pivô – Jan Jagla (Joventut Badalona)

Ala – Philip Zwiener (ALBA Berlim)

Ala – Konrad Wysocki (Deutsche Bank Skyliners)

Ala-armador – Robert Garrett (Brose Baskets)

Ala-armador – Steffen Hamann (Brose Baskets)

Armador – Pascal Roller (Deutsche Bank Skyliners)

Armador – Demond Greene (Brose Baskets)

Onde a Alemanha pode chegar?

A Alemanha deverá lutar para se classificar na quarta colocação com a seleção chinesa, mas não deve passar das quartas de final. Seu jogo depede muito de seu garrafão, principalmente de Nowitzki, que pode atuar também como ala. Entretanto, com o decorrer da competição, o nível dos adversários deve crescer, fazendo com que a marcação nele melhore. Nesse momento, os outros jogadores deverão aparecer, mas a qualidade deles não é a mesma.

A caminhada da Alemanha

Após ser eliminada pela Espanha nas quartas de final do campeonato europeu e ficar na quinta colocação, a Alemanha chegou ao pré-olímpico mundial como um dos fortes candidatos a conquistar a vaga olímpica. Depois de passar por um grupo com Nova Zelândia e Cabo Verde e pelo Brasil nas quartas, a seleção alemã perdeu para a Croácia na semifinal e só conseguiu confirmar sua classificação contra Porto Rico.

Destaque

Grande destaque do Dallas Mavericks na NBA, Dirk Nowitzki é a arma da Alemanha para tentar uma medalha olímpica em Pequim. O ala-pivô foi draftado em 1998 pelo Milwaukee Bucks, mas foi rapidamente trocado e foi para o Mavs. Com a melhora do time após a chegada do milionário Mark Cuban ao time, Nowitzki rapidamente se tornou o líder da equipe. Foi eleito o MVP do mundial de basquete em 2002, do europeu em 2005 e da NBA em 2007. É conhecido por sua versatilidade e agilidade, apesar de sua altura, além de seus ótimos arremessos.