Arquivo diário: 19/07/2008

Pré-Olímpico Masculino – Croácia e Grécia em Pequim

Croácia x Alemanha

Por que o Brasil assistiu?

Eliminados ontem pela Alemanha, os brasileiros puderam conferir hoje quais chances teriam contra a Croácia. Os mais rancorosos ainda aproveitaram para secar Nowitzki e companhia.

O jogo

Após a vitória por 76 x 70, a Croácia está de volta às Olimpíadas depois de 16 anos. O alemão Chris Kaman teve problemas com falta, deixando Nowitzki sobrecarregado; o ala-pivô fez 30 pontos e pegou 13 rebotes. Mas os croatas fizeram um jogo mais coletivo e levaram a melhor.

Grécia x Porto Rico

Por que o Brasil assistiu?

Eliminada da competição, a seleção brasileira viu Porto Rico ser o melhor representante das américas nesse Pré-Olímpico.

O jogo

Com uma campanha irretocável jogando diante de sua torcida, a Grécia atropelou Porto Rico por 88 x 63 e garantiu sua vaga em Pequim. A vantagem foi suficiente para que os gregos dessem show no último quarto, para delírio das mais de 15 mil pessoas presentes no jogo. Agora, resta a Porto Rico disputar a última vaga olímpica contra a Alemanha.

Anúncios

Rocky Mountain Revue – Spurs vs Jazz

San Antonio Spurs82X57Utah Jazz

George HillO San Antonio Spurs, em seu primeiro dia na liga de verão em Salt Lake City, a Rocky Mountain Revue, venceu o time da casa, o Utah Jazz, mesmo com a pressão da torcida, por 82 a 57.

O Spurs começou com George Hill, Devin Green, Anthony Tolliver, Roger Powell e Ian Mahinmi, enquanto o Jazz inicou com Kyrylo Fesenko, Kosta Koufos, Kevin Kruger, Yaroslav Korolev e Morris Almond.

O Spurs começou a partida arrasador, com 11-2 no placar, e fechando o primeiro quarto por 20-15. No segundo período, o Jazz veio com tudo, e com uma cesta de três no finalzinho de Morris Almond, foi para ao intervalo na frente por 34-37.

Na volta o intervalo, o Spurs voltou forte ao ataque, conseguindo passar à frente novamente, terminando o terceiro quarto com 55-46. No último período, o Spurs apenas manteve a dianteira e venceu a partida por 82-57.

Estatísticas do Jogo

San Antonio Spurs

George Hill – 21 pontos, 4 rebotes, 3 assistências e 3 roubos de bola em 27 minutos

Devin Green – 11 pontos, 5 rebotes e 4 assistências em 27 minutos

Anthony Tolliver – 10 pontos em 15 minutos

Brian Morrison – 10 pontos em 12 minutos

James Gist – 7 pontos e 6 rebotes em 25 minutos

Malik Hairston – 6 pontos, 5 rebotes e 3 assistências em 19 minutos

Utah Jazz

Morris Almond – 17 pontos em 30 minutos

Os convocados da Argentina para Beijing

 

A poucos dias dos Jogos Olímpicos, a Argentina anunciou o plantel que tentará conquistar o ouro novamente. Como já era de se esperar, Manu Ginobili está na lista. Eis os selecionados:

Pablo Prigioni (Armador) – Tau Cerâmica (Espanha)

Antonio Porta (Armador) – Spartak (Rússia)

Emanuel Ginobili (Ala-armador) – San Antonio Spurs

Carlos Delfino (Ala-armador) – Khimki (Rússia)

Paolo Quinteros (Ala-armador) – CAI Zaragoza (Espanha)

Andrés Nocioni (Ala) – Chicago Bulls

Federico Kammerichs (Ala) – Regatas Corrientes (Argentina)

Luís Scola (Ala-pivô) – Houston Rockets

Leonardo Gutiérrez (Ala-pivô) – Atenas de Córdoba (Argentina)

Fabrício Oberto (Pivô) – San Antonio Spurs

Roman González (Pivô) – Peñarol de Mar del Plata (Argentina)

Juan Gutiérrez (Pivô) – Granada (Espanha)

De novo, fora das Olimpíadas

Os torcedores brasileiros mais otimistas ainda estão de ressaca. Para quem acreditava que a seleção brasileira masculina de basquete pudesse se classificar para os Jogos Olímpicos de Beijing, ou mesmo que pudesse bater a Alemanha, o tombo foi grande. E o Brasil está fora das Olimpíadas pela terceira vez consecutiva.

O que se viu ontem em quadra foi uma seleção brasileira completamente dominada, claramente inferior em relação a Alemanha, uma equipe que nem sequer chega a ser de primeiro nível se inserida em um panorama mundial. Num grupo de 12 jogadores, nenhum foi sequer capaz de marcar (não no sentido de parar, mas apenas de enfrentar) Dirk Nowitzki. Claro, que o alemão é diferenciado todos sabemos. Mas deixá-lo exercer seu jogo foi muita inocência.

Claro que não podemos sair por aí dando tiros pra todos os lados. O estilo europeu implantado por Moncho Monsalve na nossa seleção deu um resultado melhor do que o esperado. O treinador chegou desacreditado, e, principalmente nos duelos do Torneio de Acrópolis, fez a seleção jogar um basquete que poucos acreditavam que ele conseguiria.

Individualmente falando, Marcelinho Huertas provou que merece ser o armador principal da seleção brasileira. Alex não deixou em nenhum momento de mostrar a disposição e a correria que o tornam querido pela maioria dos fãs de basquete brasileiros. E Splitter provou que é um excelente jogador; esse pré-olímpico serviu, pelo menos, para mostrar para os torcedores do Spurs que o pivô tem tudo para se tornar craque.

Mas, agora, sem a vaga olímpica, resta a nós culpar o jogo individualista de Marcelinho Machado? A as vezes excessiva calma de JP Batista? Ou a inexperiência de nossos reservas? Eu prefiro culpar as lesões de nossos principais jogadores, que coincidentemente apareceram ao mesmo tempo e não permitiram que, com o time completo, pudéssemos ao menos sonhar com a vaga olímpica. Porque eu realmente jamais sequer sonhei.