Arquivo diário: 18/07/2008

Bate-Papo – Diretoria, negócios e estrangeiros…

O que vocês acham da postura da diretoria no mercado de off season, nas trocas e contratações; é muito conservadora ou tem um planejamento ponderado?

Leonardo Sacco – Bom, eu tenho claríssimo em minha cabeça que a diretoria do Spurs é uma das melhores da NBA. Eles montaram um início de dinastia com peças de draft e pouco investimento. Porém, nessa abertura de mercado, acho que eles não estão trabalhando como deveriam. Primeiro foi o draft. Tudo bem, esse Hill pode calar a minha boca e a de mais um monte de gente, mas não nos esqueçamos que o Spurs deixou passar um exímio armador, Mario Chalmers. Nas Ligas de Verão ele tem sido um dos protagonistas do Heat, e ele poderia ser de nosso time! Grande vacilo da diretoria, na minha opinião.
Já sobre o mercado de agentes livres, pra mim é simples: o Spurs não vai contratar um Brand, um Davis ou um Iguodala. Então, mantenha a base e, no máximo, traga um jogador como o Maggette, que pode ser bem útil. Mas como parece que o Maggette não virá, é só não deixar o Barry escapar. Eu, pelo menos, o acho bem importante. E aí Pongas, qual sua opinião sobre a diretoria nesse período?

Bruno Pongas – Olha…
Eu concordo com a diretoria em alguns aspectos, mas não há como negar que ela nos deixa um pouco com um pé atrás às vezes. Vamos aos fatos: Voltando um pouco para o dia do draft. Tínhamos uma escolha razoável, suficiente para escolher um jogador importante para a rotação. Tivemos nas mãos alguns garotos de grande projeção, como o já citado Mario Chalmers e o ala-pivô DeAndre Jordan. Chalmers, como dito pelo Léo, vem mostrando que é sim um jogador interessante. Em compensação, penso que se o Jordan, que estava projetado para ser um Top 20, não foi escolhido nem no primeiro round, é porque alguma coisa estranha tem. Ou ele é jogador problema, ou não se mostrou competente o suficiente durante os treinos com as equipes. Para a surpresa de todos, veio o desconhecido George Hill. Logo de cara também torci o nariz para a escolha. Mas ao ver os números do garoto pela insignificante Universidade de Indiana, percebi que pode ter um bom futuro. Também gostei do fato de ele ser apegado à Universidade, já que ele teve oportunidades de ir jogar em centros maiores e preferiu ficar em Indiana. Isso me agrada, pois demonstra amor à camisa, coisa que é pouco comum hoje em dia.
Agora quanto à diretoria. Acho que ela vem cometendo alguns deslizes. Isso começou a me incomodar com a absurda troca envolvendo Luis Scola e o grego Spanoulis. Tudo bem, o Scola não estava com muita vontade de atuar pelo Spurs depois de alguns entreveiros que aconteceram, e o grego é sim um bom jogador. Mas vamos aos fatos; primeiro, Spanoulis já havia declarado que voltaria pra Europa, já que tinha grande proposta do Panathinaikos. E o Scola creio que era questão de conversar e fazer pequenos ajustes aqui e ali.
Concordo com a postura da diretoria de mantêr os pés no chão, mas sei também que é complicado sair ano e entrar ano e não vemos chegar um scorer novo, ou mesmo um jogador que chegue causando grande impacto.

Leonardo – Sobre o Scola, concordo com você. Talvez se houvesse tido mais algumas conversas, algumas negociações, o argentino teria desembarcado em San Antonio. Mas, para o lugar dele, o Splitter foi uma escolha bem interessante. A cada jogo que assisto do Brasil me impressiono mais e mais com o trabalho do Tiago. É ótimo jogador para o garrafão, tem que treinar mais seus chutes de longa e média distância, mas se vier para o Spurs, vem para ser titular.
Falando no Splitter: você acha que ele vem ou não, Pongas?

Pongas – Bom, sinceramente eu espero que sim!
Não iria gostar de ver o episódio Scola acontecendo de novo. Se pararmos pra pensar, olha o jogador que tivemos na mão e que acabou escapando dessa maneira. O argentino fez uma excelente temporada junto ao Houston Rockets e cairia como uma luva no esquema do Popovich.
Splitter mostra a cada jogo, seja pela seleção ou pelo Tau Cerâmica, que está em franca evolução e que tem tudo para ser um jogador que cause certo impacto na NBA. É difícil falar agora, mas é fato que ele parece ter um pouco mais de cabeça que os outros brasileiros da NBA, isso é um ponto a nosso favor.
Fico feliz pelas boas atuações do Splitter pela seleção. É muito bom ver um jogador do nosso país atuando em tão alto nível. Sem brincadeira, na minha opinião ele tem tudo pra ser um dos bons pivôs da NBA nos próximos anos (Levando em conta, claro, a carência de grandalhões nos dias de hoje).
E você, Léo? Acha que ele também causará tal impacto?

Leonardo – A “novela” Splitter pode atrapalhar um pouco a vida dele em San Antonio. O Spurs parece ser um time muito fechado, com astros já definidos. Minhas opiniões são dadas como torcedor do Spurs ou brasileiro. E são elas:
Como brasileiro, acharia melhor ele ter ido para uma franquia menor e com menos craques, pois teria mais chance. Mas mesmo assim, o Spurs é um ótimo time, pois ele vai aprender simplesmente com o Duncan;
Já como torcedor do Spurs, estou eufórico pela chegada do Tiago, que dos jogadores recrutados nesse processo de renovação é o que mais me agrada.
Bom Pongas, acho que por hoje é só. Peço desculpas para nossos visitantes pelos problemas técnicos que temos passado. A cobertura da WNBA e o Bate-Papo foram afetados na última semana, mas voltarão com força total. Abraços para você e para nossos leitores.

Anúncios

Pré-Olímpico Masculino – Brasil perde e está fora

A seleção brasileira perdeu para a Alemanha por 78 a 65 e viu o sonho de participar das Olímpiadas não se concretizar pela terceira vez consecutiva.

Após um quarto e meio de boa exibição, principalmente defensiva, anulando as jogadas de Dirk Nowitzki e Chris Kaman, em que o placar se alternava constantemente, chegando a estar favorável em cinco pontos para o Brasil, nossa seleção passou a errar muito e ver um antigo problema voltar a acontecer, o desequilíbrio emocional.

Em apenas quatro minutos e meio, a seleção alemã abriu 19 pontos de vantagem. Foi quando o Brasil passou a enfrentar outro problema que vem incomodando nossa seleção, as bolas de três. Tanto ofensiva quanto defensivamente, a equipe de Moncho Monsalve não obteve o desempenho esperado. Enquanto os alemães acertaram 13 arremessos em 26 tentativas, os brasileiros acertaram 3 em 19.

No terceiro quarto a vantagem aumentou. Apenas no final do quarto, quando a Alemanha passou a poupar alguns jogadores, o jogo se equilibrou. Tanto é que no quarto período o Brasil tentou desesperadamente uma reação e chegou a diminuir a diferença com as entradas de Duda e Tavernari, mas não adiantou. A Alemanha segue buscando a classificação, enquanto o Brasil mais uma vez volta pra casa de mãos vazias e deixando o sonho para daqui quatro anos.

Destaques da Partida

Brasil

Thiago Splitter – 16 pontos, 6 rebotes

Marcelinho Machado – 11 pontos, 5 rebotes

Alemanha

Dirk Nowitzki – 20 pontos, 7 rebotes

Chris Kaman – 12 pontos, 14 rebotes

Pascal Roller- 15 pontos, 5/6 de três pontos

Grécia x Nova Zelândia

Por que o Brasil assistiu?

Com o fim do sonho olímpico para a seleção brasileira, resta aos fãs do basquete acompanhar e analisar as outras seleções.

O jogo

Com um basquete coletivo de altíssima qualidade, a Grécia não teve dificuldades em atropelar a seleção neozelandesa por 75 a 48. Como no jogo contra o Brasil, os gregos mostraram muita força defensiva e ótimo aproveitamento ofensivo, além de uma alta distribuição de pontos. Já a Nova Zelândia não conseguiu colocar seu ritmo veloz ao jogo e nao teve bom aproveitamento nos arremessos de quadra. O cestinha da partida foi Vassilis Spanoulis, da Grécia, com 14 pontos.

O time grego enfrentará Porto Rico na fase semifinal da competição, e chega para esse jogo como grande favorito a ficar com uma vaga nos Jogos Olímpicos.

Pré-Olímpico Masculino – Primeiros semifinalistas definidos

Croácia x Canadá

Por que o Brasil assistiu?

O vencedor do duelo enfrentará nas semifinais o vencedor de Brasil x Alemanha.

O jogo

Dominando a partida desde o primeiro tempo, os croatas atropelaram os canadenses e venceram por 83 x 62, mesmo com o destaque de Damir Markota, que terá que operar o menisco e deve ficar um bom tempo afastado das quadras. Os canadenses também tiveram o importante desfalque de Dalembert, dispensado por problemas de disciplina. O cestinha da partida foi Popovic, da Croácia, com 17 pontos. Do lado canadense, destaque para Famutimi, com 14.

Porto Rico x Eslovênia

Por que o Brasil assistiu?

As equipes desse confronto só poderiam enfrentar o Brasil numa disputa de terceiro lugar. Mesmo assim, é importante estar preparado para todos os adversários.

O jogo

A primeira grande surpresa do Pré-Olímpico masculino foi a maiúscula vitória de Porto Rico por 81 x 70 e a consequente eliminação da Eslovênia da Olimpíada. Liderados pelo armador Carlos Arroyo, que marcou 17 pontos, distribuiu 5 assistências e pegou 3 rebotes, os latinos agora aguardam o confronto entre Grécia x Nova Zelândia para buscar a vaga olímpica.

Summer League – Spurs x Suns

San Antonio Spurs 74X98Phoenix Suns

Em sua quarta partida nesta liga de verão, o San Antonio Spurs acabou derrotado com certa facilidade pelos jovens do Phoenix Suns.

O Spurs iniciou a partida com uma escalação diferente dos jogos anteriores, optando por testar outros jogadores que ainda não haviam tido boas oportunidades. Os titulares foram Brian Morrisson, Michael Cuffe, Roger Powell, james Gist e Jameal Watkins, enquanto a equipe do Arizona iniciou com DJ Strawberry, Alando Tucker, o brasileiro Marcus Vinícius, Judson Wallace e Robin Lopez. George Hill, Ian Mahinmi e Anthony Tolliver não participaram deste jogo.

A partida iniciou com o Suns abrindo vantagem e fazendo uma corrida de 5-0, o Spurs conseguiu reação e chegou a empatar a partida em 12 pontos restando 4:36 para o término do primeiro período, porém o Suns mostrou força, anotou mais 13 pontos contra apenas 3 do Spurs e fechou o primeiro quarto com 10 pontos de vantagem. O segundo período começou da mesma forma; o Suns fez 10-2 nos minutos iniciais, mas o Spurs consegiu reagir e foi para os vestiários perdendo por apenas 7 pontos.

No segundo tempo, a equipe de Phoenix não deu chance para o adversário, liderados por Alando Tucker, que anotou 24 pontos na partida, sendo 10 apenas no terceiro período, e desse modo a vantagem só aumentou, sem que o Spurs tivesse forças para reagir.

Estatísticas do jogo

San Antonio Spurs

James Gist – 13 pontos, 5-6 nos arremessos de quadra (1-1 3PT), 3 rebotes em 20 minutos

Malik Hairston – 10 pontos, 5-9 nos arrmessos de quadra, 5 rebotes em 26 minutos

Roger Powell – 11 pontos, 3-7 nos arremessos de quadra, 4 rebotes em 23 minutos

Phoenix Suns

Alando Tucker – 24 pontos, 8-10 nos arremessos de quadra, 3 rebotes em 19 minutos

DJ Strawberry – 12 pontos, 3-10 nos arremessos de quadra (1-1 3PT), 4 rebotes, 3 assistências em 25 minutos

Robin Lopez – 14 pontos, 6-12 nos arremessos de quadra, 9 rebotes, 2 bloqueios em 23 minutos

Marcus Vinícius – 7 pontos, 2-5 nos arremessos de quadra (1-2 3PT), 4 rebotes em 20 minutos