Arquivo diário: 10/06/2008

Celtics 52@48 Spurs – Jogo virtual 3

Continuando nossa série de jogos virtuais, o Boston Celtics vai até o Texas para o jogo 3.

52×48 sas

Jogo virtual no Playstation2

Novamente o jogo começa disputado, com uma série de erros para os dois times no final do 1º quarto, que termina em 10-10. O Boston abre dois pontos de vantagem no 2º quarto, mas não para nisso e, após o intervalo, a defesa do Boston aperta e os arremessos de fora começam a cair; os visitantes abrem 8pts de vantagem. Parker ainda deixa esperanças para o Spurs com uma cesta de 3pts, fazendo 39-34. A pouco mais de um minuto do final, o Spurs tem a chance de empatar a partida, mas TD desperdiça. Pop pede tempo após a cesta do Boston, na volta K.Thomas consegue um rebote ofensivo e converte os 2 lances livres, mas Ray Allen manda uma de 3pts, acabando com as chances de virada.

DESTAQUES DA PARTIDA

San Antonio Spurs

Duncan – 16pts, 11reb, 6ast, 1roub

Boston Celtics

R.Allen – 25pts, 2rb, 5ast,2roub

K.Garnett – 10pts, 7rb, 7ast, 1roub, 1bloq

É isso aí pessoal, até quinta.

Possíveis reforços

noticiasbrunozl92

O site mysanantonio.com publicou recentemente uma coluna que mostrava possíveis interesses da equipe do Spurs para a próxima temporada. O primeiro nome cogitado é do ala do Los Angeles Clippers Corey Maggette. No entanto, o ala está pedindo cerca de oito milhões de dólares para renovar com a equipe de Los Angeles; imaginem o que não pediria em S.A. Outro nome cogitado é do companheiro de seleção francesa de Tony Parker, o ala Mickael Pietrus, que com certeza viria por muito menos que Maggete. O argentino Carlos Delfino, parceiro de Manu Ginobili na seleção argentina também aparece como alternativa.

Um último jogador que aparece como possível alvo é o Esloveno Sasha Vujacic, jogador do Los Angeles Lakers. Todavia, notícias dão conta de que o armador irá renovar seu contrato com a equipe de Kobe Bryant e cia.

Agora vai a minha análise:

Corey Maggette: É sem nenhuma dúvida um bom jogador. Fechou a última temporada com expressivas médias de 22.1 pontos e 5.6 rebotes. Foi a segunda melhor temporada de sua carreira (22.2 ppg na melhor temporada). Não é um jogador velho, tem 28 anos, o que significa que ainda tem muita lenha para queimar. Seria uma excelente alternativa para a ala se o seu salário não fosse muito alto.

Mickael Pietrus: O ala francês também aparece como boa alternativa para a ala. Bom jogador defensivamente, poderia ser uma ótima peça para revezar com Bruce Bowen. Sua última temporada não foi das melhores. Ele ficou com médias de 7.2 pontos e 3.7 rebotes. Em compensação, seus minutos em quadra foram limitados se comparados com os do ano de 2006-2007, quando atuava em média 26.9 minutos. No último ano a média caiu para 19.9 mpg. Vale lembrar que o francês ainda é jovem; tem apenas 26 anos.

Carlos Delfino: O ala-armador argentino também aparece como boa opção para a equipe do Spurs. Jogando pelo Raptors nessa temporada, obteve médias de 9.0 pontos e 4.4 rebotes, quando jogava em média 23.5 minutos por jogo. Foram os números mais expressivos de sua curta carreira até aqui na NBA. Assim como Pietrus, o argentino que também tem 26 anos e ajudaria muito vindo do banco.

Sasha Vujacic: O esloveno do Lakers aparece como um dos nomes mais distantes da lista. Esse ano ele vem fazendo sua melhor temporada da carreira, com médias de 8.8 pontos. Mas infelizmente aparece como um nome distante. Seria também uma ótima peça de reposição para revezar nas alas e na armação.

Opções apresentadas, é esperar para ver.

Implorem por Rio-16

O Brasil caminha a largos passas para ficar, pela terceira vez consecutiva, longe do principal evento esportivo do mundo: os Jogos Olímpicos. Uma impotente (isso mesmo, nada de imponente) seleção foi montada baseada em três jogadores que atuam na principal liga nacional de basquete, a NBA. Mas a impotentíssima seleção falhou ao tentar pegar o atalho para os Jogos e cruzar com os impotentíssimos reservas argentinos (Lula Ferreira deve ficar arrepiado até hoje ao ouvir o nome Scola, ou até mesmo a palavra Escola).

E o banco de reservas de nossos hermanos nos jogou em um caminho um tanto quanto… complicado. Um ano depois de termos sofrido absurdos no teoricamente fácil Pré-Olímpico das Américas, iniciaremos nossa caminhada no calvário, digo, Pré-Olímpico Mundial. Bom, se não passamos pelos reservas argentinos, pelos canadenses que nem contam com Nash ou pelos porto-riquenhos, presumo que não será muito fácil passarmos por gregos, alemães e, novamente, pelos próprios porto-riquenhos. É, talvez não seja muito fácil. E como para as Olimpíadas de Londres em 2012 não deverão haver muitas mudanças nas diretrizes do basquete brasileiro, inicio a campanha “Implorem por Rio-16”.

Isso mesmo caro leitor, Rio-16. Afinal, nessa semana a cidade maravilhosa desbancou alguns adversários e concorrerá contra Chicago, Madrid e Tóquio pelo direito de sediar os Jogos de 2016. E como a estrutura carioca é um pouco (?) inferior à das demais cidades citadas, só um milagre colocaria o Rio e o Brasil como sedes de um evento de tamanho porte. Mas como brasileiro não desiste nunca, comecemos então a mandar desesperados e-mails para o Comitê Olímpico Internacional pedindo para que os senhorzinhos que escolhem a sede olímpica tenham benevolência da situação que nosso basquete chegou e aceitem humildemente nossa hospedagem para tão glorioso evento. E, para ajudar o Brasil, criei um “e-mail modelo” para todos nós mandarmos para o COI. Confiram abaixo:

“Excelentíssimo senhor presidente do COI,

Me chamo [colocar nome] e desejo fazer um humilde pedido para o senhor. Meu pedido é um tanto quanto simples, levando em consideração o tamanho de vosso coração. Sou brasileiro, morador da cidade [colocar nome da cidade] e pretendo que as Olimpíadas de 2016 sejam realizadas em solo brasileiro, mais especificamente na cidade maravilhosa, o Rio de Janeiro. Peço-lhe encarecidamente que julgue bem todas as cidades, mas escolha o Rio. Só assim nosso querido basquete terá chances de ir aos Jogos. Afinal, temos um pouco de falta de sorte e já estamos há algum tempo afastados do evento nessa modalidade.

Desde já agradeço,

[colocar data e nome]”

Depois é só reunirmos umas 200 milhões de pessoas e fazer cada um enviar um e-mail desse. Muito mais fácil do que administrar o basquete decentemente, não é Grego?