Arquivo diário: 09/06/2008

10 Perguntas para Tony Parker

Tony Parker (Photo by Andrew D. Bernstein/NBAE via Getty Images)O armador do San Antonio Spurs, Tony Parker, está entre os mais talentosos jogadores estrangeiros na NBA. Em seus sete anos na liga, ele ganhou três títulos da NBA, recebeu o MVP das Finais em 2007, foi duas vezes All-Star e nomeado ao All-Rookie First Team em 2002. Enquanto os Spurs em 2007 venceram o campeonato, este ano a temporada deles terminou cedo, depois de serem derrotados pelo Lakers por 4-1 nas finais da conferência Oeste. O francês respondeu ao site da NBA na seção Global Top 10 dez perguntas sobre os playoffs desse ano e sua jornada no basquete.

NBA.com: Muitas pessoas dizem que a cesta de três pontos de Tim Duncan no Jogo 1 contra o Suns mudou toda a série. Pra você, qual impacto teve esse arremesso?

Parker: Foi enorme para nós. Um grande arremesso, obviamente, pois Timmy usualmente não arremessa da linha de três muito, e foi demais para nós, pois estávamos perdendo por 18 pontos no primeiro tempo e voltamos, lutamos e empatamos a partida. A primeira vez com Michael Finley e então nós empatamos de novo com Timmy. Foi simplesmente um confronto incrível. Para mim, esse foi o melhor jogo dos playoffs, duas prorrogações e teve o Timmy convertendo uma chute de três. Foi insano, e no lado bom. Uma grande emoção. Uma das melhores partidas que já joguei nos playoffs.

NBA.com: Apesar de vocês terem derrotado Phoenix e New Orleans, quão desafiante foram as duas séries?

Parker: Nós tivemos duas séries difíceis. A primeira contra o Phoenix foi muito brutal e física, e então nós jogamos contra New Orleans, que é um time jovem surgindo, e fizemos sete jogos. Foi duro para nós. Nós fomos sortudos por ganhar o Jogo 7 (contra o Hornets) fora de casa, uma das grandes vitórias da nossa franquia. Essa foi uma grande vitória, fora de casa, Jogo 7, nós nunca conseguimos algo assim antes.

NBA.com: Você acertou um grande arremesso no final do Jogo 7 da série entre Spurs e Hornets. Faltando 50 segundos você fez um arremesso de fora do garrafão. Como se sentiu após conseguir essa cesta?

Parker: Nesse jogo, eu não estava bem. Mas, no quarto período, eu converti dois ou três arremessos antes de fazer meu último. Foi importante para nós porque nos deu uma boa liderança.

NBA.com: Muitos de seus companheiros, incluindo Manu Ginobili e Duncan, são atletas estrangeiros. Tem alguma diferença jogar com atletas estrangeiros ao invés de jogadores americanos?

Parker: É um estilo diferente, mas continua sendo basquete. Obviamente, Manu, o jeito dele jogar e louco de ser, é um pouco diferente. Continua sendo basquete. Nós apenas jogamos basquete. Eu acredito que isso faz a NBA ser melhor, porque você tem os melhores atletas de cada país.

NBA.com: Como você poderia analisar o confronto entre o Lakers e o Celtics?

Parker: Eles são dois grandes times. Tem grandes confrontos com Kobe Bryant, Paul Pierce, Kevin Garnett e Pau Gasol. Então será difícil para os dois times. Será muito bom de assistir. Eu não acho que alguém possa dizer quem ganhará. Mas eu acredito que o Lakers tem a vantagem pelo fato de terem Kobe Bryant.

NBA.com: Que tipo de pressão é estar nas finais da NBA, especialmente para aqueles como Ray Allen e Kevin Garnett que nunca estiveram lá antes?

Parker: Continua sendo basquete. É simplesmente excitante a primeira vez. Eu estava emocionado na minha primeira vez nas finais, mas quando começa é apenas basquete. Obviamente é muita pressão, porque você quer vencer o campeonato, mas é apenas mais uma disputa. Então eu acho que estarão bem.

NBA.com: Como é conquistar um título da NBA?

Parker: É um sentimento inacreditável. É a melhor emoção do mundo. É por isso que você joga basquete. É por isso que se pratica esportes, para viver esses momentos, para ter esses calafrios e esse sentimento feliz dentro de você, que trabalhou duro para esse objetivo e o atingiu.

NBA.com: Seu time tem um grande trio formado por você, Manu e Duncan. Boston tem um grande trio também. Qual a importância de ter vários bons jogadores no time?

Parker: Nos dias atuais é difícil vencer o campeonato com apenas um ou dois jogadores. Você precisa de ajuda, pois todos os times são bons. Então, eu acho que um time precisa ter pelo menos três jogadores que façam pontos e façam várias coisas em quadra e carreguem o time. Nesses dois times (Boston e Los Angeles) você tem isso em Paul Pierce, Garnett e Ray Allen e Kobe, Gasol e Lamar Odom. Eles podem carregar o time todas as noites.

NBA.com: Crescendo na França, você aspirava jogar na NBA? Se sim, teve um momento quando você sabia que era possível de acontecer?

Parker: Esse foi meu sonho desde pequeno. Meu pai é americano. Ele é de Chicago, então eu era um grande torcedor do Bulls, um grande fã do Michael Jordan. Eu sempre soube que queria jogar basquete quando crescesse.

Quando fui draftado, eu soube que aconteceria, mas sempre foi meu sonho desde criança. Eu sempre quis jogar na NBA, esse era meu objetivo. Quando eu pensei, “Oh, eu finalmente consegui”, eu estava no Draft. Quando você ouve seu nome (ser chamado), é um sentimento indescritível.

NBA.com: Quais são seus planos para a off-season?

Parker: Não estou fazendo nada. Não estou jogando pela seleção francesa. É meu primeiro verão em quatro ou cinco anos que não tenho para fazer. Então, eu definitivamente irei rejuvenescer e descansar em coisas que posso melhorar. Além disso eu irei sentar, aproveitar a vida e desfrutar de minha mulher. Apenas isso.

Silver Stars @ Lynx – WNBA – Boa atuação de Wauters não breca o empolgado Lynx

resumosilverbrunozp33

78X90

As Silver Stars viajaram até Minnesota para enfrentar o embalado Lynx, líder da Conferência Oeste. Mas, mesmo com a boa partida da belga Ann Wauters, que anotou 24 pontos e pegou dez rebotes, a equipe de San Antonio saiu derrotada. Foi a quarta derrota do time na temporada.

O primeiro período foi equilibrado, e o Lynx só abriu alguma vantagem a partir do terceiro quarto. Comandadas pela dupla Seimone Augustus e Candice Wiggins, a equipe da casa fechou a partida após um bom quarto período, em que marcou 32 pontos, marca pouco comum na WNBA.

Vale lembrar que o Lynx teve uma das piores campanhas da última temporada. Na loteria do draft, obteve a terceira escolha. A selecionada foi a ala-armadora Candice Wiggins, que vem jogando muito bem, com médias de 15.3 pontos e 4.2 assistências. Também é importante ressaltar que o time de Minnesota vem jogando sem sua armadora titular, a jovem Lindsay Harding, que sofreu uma grave contusão ano passado e ainda não está apta a atuar.

O próximo jogo das Stars será quarta-feira, em casa, contra o Indiana Fever. Já o Lynx recebe Katie Douglas e o Connecticut Sun na terça-feira.

Destaques da partida

San Antonio Silver Stars

Ann Wauters – 24 pontos e 10 rebotes

Becky Hammon – 14 pontos e 5 assistências

Minnesota Lynx

Seimone Augustus – 18 pontos e 4 rebotes

Candice Wiggins – 17 pontos

Charde Houston – 15 pontos