Arquivo diário: 05/05/2008

Análise – Os armadores top da nova safra

Em grande parte da última década, você poderia começar uma discussão entre fãs versados da NBA perguntando essa questão: Quem é o melhor armador da NBA: Jason Kidd ou Steve Nash?

Atualmente, Kidd e Nash representam a velha guarda dos armadores top da liga. Os novos armadores são bem representados por Tony Parker, do Spurs, e Chris Paul, do Hornets, que mandaram Nash e Kidd mais cedo para as férias.

Parker e Paul estão se enfrentando na semifinal da conferência Oeste, que começou neste sábado. Nessa análise, citaremos as razões desses dois armadores estarem agora entre os top da liga.

Liderança

Paul, que está apenas em sua terceira temporada, tornou-se o líder inqüestionável do Hornets; uma extensão na quadra do técnico Byron Scott, que confia nele para deixar o ataque do time mais suave. Na maioria do tempo, Scott é mais um observador interessado, enquanto Paul executa o plano de jogo que ele projetou.

A liderança de Parker no ataque do Spurs é mais difícil de se determinar. Isso acontece pois ele divide o foco com o duas vezes MVP Tim Duncan e o extraordinário sexto homem Manu Ginobili. Também, o técnico Gregg Popovich nunca releva mais que uma parte do controle das jogadas do time.

Simbiose

Os dois armadores têm um big man com habilidades ofensivas que são perfeitos complementos para suas próprias aptidões.

Parker tem Duncan, que faz jogadas muito sólidas e está tão adaptado tanto ao pick-and-roll e o pick-and-pop, jogadas que os defensores temem quando Parker se infiltra.

Paul tem David West, que tem um ótimo arremesso do perímetro, que força o big man do adversário à deixar o garrafão livre para Paul ir direto para a cesta.

Escolhendo seus arremessos

Os dois são muito bons na infiltração para a cesta, porém nenhum deles são exímios chutadores. Parker melhorou seu jogo ao nível de All-Star apenas após dedicar horas e horas treinando com um especialista, Chip Engelland, que corrigiu seu estilo de arremesso. Ambos os jogadores, mesmo assim, vêm provando serem capazes de executarem chutes importantes no perímetro. Parker marcou duas cestas de média distância nos 2:14 minutos finais da últimada partida da série contra o Suns. Paul tem arremesso melhor – ele fez 92 cestas de 3 pontos durante a temporada regular – e é mais perigoso nos momentos decisivos.

Provando suas habilidades

Ambos os jogadores são motivados por terem sido esnobados em seus respectivos drafts. No caso de Parker, 27 jogadores foram escolhidos antes do Spurs escolhê-lo na primeira rodada em 2001.

Paul foi a 4ª escolha no draft em 2005, mas nem foi a primeira escolha como armador. Quando o Jazz fez sua terceira escolha do draft, eles optaram por Deron Williams, de Illinois, deixando Paul deslizar para o Hornets. Agora, Paul é um forte candidato ao MVP e Williams espera ainda sua primeira escolha como All-Star.

Magnetizadores de faltas

Pelos dois armadores basearem seus jogos em suas habilidades em infiltrar para a cesta entre os gigantes, eles recebem muitas faltas. Parker foi para a linha de lance livre 16 vezes na vitória do 5º jogo contra o Suns. Paul arremessou 14 lances livres no jogo 2 na vitória contra o Mavericks. Paul é melhor nos lances livres; 85%, contra 71% de Parker.

PS: Esta análise foi escrita por Mike Monroe, especialista em NBA do San Antonio Express-News.

Notícias – Ginobili condecorado pela Euroleague

Manu Ginobili recebendo o prêmio de MVP do Final Four da Euroleague em 2001 (euroleague/iguana press)O ala-armador Manu Ginobili foi nomeado um dos 50 maiores contribuintes para a Euroleague. Em cerimônia realizada em Madrid, na Espanha, sede do Final Four da Euroleague, Ginobili foi condecorado. Ele foi escolhido MVP da liga italiana em 2001 e 02, e MVP do Final Four da Euroleague em 2001.

“Claro que é algo maravilhoso, especialmente porque eu joguei pouco na competição européia, apenas dois anos,” disse Ginobili. “É uma grande honra, pois há muitos grandes jogadores com muita história. Estou orgulhoso de ter sido escolhido pra fazer parte desse seleto grupo.”

O técnico Gregg Popovich disse que Manu merece a inclusão na lista dos homenageados.

“É uma grande honra para Manu, obviamente,” disse Popovich, “porque existiram tantos jogadores excelentes pela Europa. Ele definitivamente deveria ser parte desse grupo com tudo que ele realizou no basquete.”

O GM R.C. Buford sempre observa o Final Four da Euroleague, e foi para Madrid na quinta. O TAU Cerámica, time em que o primeiro selecionado do draft em 2007 pelo Spurs Tiago Splitter joga, estava no torneio, dando para Buford uma chance de passar para Popovich informações pessoais sobre o progresso de seu futuro jogador.

Entre em nossa comunidade no Orkut!

RECEBA AS ATUALIZAÇÕES DO SPURS BRASIL DIRETO NO SEU E-MAIL! CLIQUE AQUI E CADASTRE-SE!

Pré-Jogo – Spurs @ Hornets – Jogo 2

Pré-Jogo – San Antonio Spurs @ New Orleans Hornets – Jogo 2

Local: New Orleans Arena

Horário: 22:30 (Horário de Brasília)

Data: 05/05/2008

Situação do jogo

Após sair derrotado na primeira partida da série jogando fora de casa, o San Antonio Spurs visita novamente a equipe sensação da temporada, o New Orleans Hornets, em busca de um vitória que inverteria a vantagem do mando de quadra. Muito se questionava sobre como parar Chris Paul, mas após o jogo 1 ficou claro que a equipe de Nova Orleans não se resume apenas ao jovem armador, e que conta com excelentes jogadores, como David West e Peja Stojakovic, que também merecem atenção especial da marcação.

Série nos Playoffs (Hornets 1-0)

03/05/2008 – Jogo 1 – Spurs 82 @ 101 Hornets

Com má atuação do ala-pivô Tim Duncan, o Spurs não suportou a pressão dos donos da casa e sucumbiu na segunda metade da partida, após um primeiro tempo equilibrado. O mau desempenho do garrafão da equipe texana foi decisiva nesse jogo; em grande desvantagem nos rebotes, o Spurs não conseguiu segurar David West, que foi o cestinha da partida, anotando 30 pontos e pegando 9 rebotes.

Fique de olho

David West

O ala-pivô foi o destaque da equipe do Hornets no jogo 1; Oberto e Thomas não foram capazes de pará-lo. West é a grande arma ofensiva no garrafão da equipe de Nova Orleans, e, sendo municiado pelo armador Chris Paul, promete dar trabalho novamente à defesa dos atuais campeões. Uma boa marcação em West é fundamental, e isso está diretamente ligado a como será a atuação de Tim Duncan.