Arquivo diário: 27/02/2008

Artigo – A expectativa verde e amarela

Na próxima temporada, mais um brasileiro estará no melhor basquete do mundo. Tiago Splitter chega a NBA cercado de expectativas da torcida brasileira. E não é para menos, seus excelentes resultados conquistados na Europa e o ótimo rendimento nas partidas enchem de esperanças o público brasileiro e em especial nós torcedores do Spurs.

Leia o resto deste post

Artigo – Um outro olhar

Introdução

Um outro olhar sobre o Spurs. Um olhar menos fanático, de alguém que não torce para o time. Imparcialidade, com certeza absoluta. Esse será o papel inicial de Fabrício Fiestras no Spurs Brasil. Esperamos que vocês gostem. Um abraço,

Equipe Spurs Brasil

 

 

Seu time chega para jogar no AT&T, o que você pensa? É uma derrota quase garantida. Pelo menos nos últimos anos tem sido assim para praticamente todas equipes da NBA. Falo isso como conhecedor de causa, pois sou torcedor de um costumeiro freguês dos Spurs nos últimos anos. Aqui então vou mostrar um pouco do que muitos dos outros torcedores da liga, pensam sobre os Spurs.

É uma equipe que joga bonito? Não. É uma equipe que empolga quem não torce pra ela? Não. É uma equipe com jogadores carismáticos? Não. Mas a principal pergunta que devemos fazer é a seguinte: É uma equipe que ganha títulos, e muito difícil de ser batida nos playoffs? Com certeza.

Olhando para os principais jogadores do elenco, o que podemos falar sobre cada um? Um armador francês, Tony Parker, bem baixo para os padrões do basquete de hoje em dia, que vem jogando muito bem há anos. Suas infiltrações e sua velocidade são quase imarcáveis. Depois podemos falar de Manu Ginobili. Um verdadeiro monstro em quadra, um sujeito que é bastante odiado por torcidas rivais. Catimbeiro, mortal nas infiltrações, e cava faltas como ninguém, tornando-o insuportável. Um jogador de ponta. Na posição 3, um especialista na defesa, Bruce Bowen. Um cara que não sabe sequer bater para dentro em um garrafão adversário. Vive da defesa, e de alguns lances sujos de vez em quando, mas que é inegavelmente muito útil para os Spurs. Por motivos óbvios, odiado pelos torcedores rivais. No garrafão, um outro argentino, que aparece pouco, Oberto. Aparece pouco, joga um tempo menor, e completa os 5 titulares. Podemos dizer, jogador útil, mas facilmente substituido. O último titular a ser lembrado não poderia deixar de ser ele: Tim Duncan. Provavelmente o cara menos carismático e emotivo da liga. Sempre com a mesma expressão no rosto. Com seus arremessos chatos e precisos na tabelinha. Infálivel. A cada noite todo mundo sabe que ele vai colocar no boxscore os 20 pontos e 10 rebotes de sempre. Chega a irritar, como um cara que chama tão pouco a atenção pode ser tão importante para um equipe tão vencedora. Vindo do banco, vale lembrar do Michael Finley e seus arremessos de 3 pontos, e do Kurt Thomas, recém-contratado, com seu trabalho ali no garrafão.

Um time que não empolga, mas que podemos esperar mais uma vez chegar bem longe nos playoffs desse ano. San Antonio Spurs, um time chato e muito competitivo, pelo menos na visão dos rivais.

por Fabrício Fiestras