Arquivos do Blog

Ayres e Duncan têm noite “mal assombrada” em hotel

assinatura SA Br

"Pernas pra que te-quero" (Reprodução Twitter)

“Pernas pra que te quero!” (Reprodução Twitter)

Após o San Antonio Spurs “assombrar” os seus adversários durante o mês de março, dois jogadores do time passaram por uma experiência inusitada e, ao mesmo tempo, assustadora. Segundo a reportagem do jornal americano San Antonio Express-News, durante a estadia do elenco em um hotel de Oakland, enquanto Jeff Ayres tentava abrir a porta de seu quarto, tanto ele como Tim Duncan ouviram ruídos, aparentemente de um bebê, vindos de dentro do aposento. Após a verificação dos funcionários, constatou-se que o aposento estava completamente vazio.

“Quando cheguei na porta do meu quarto, a chave não funcionou. Mas parecia que havia alguém lá dentro. Então comecei a ouvir um bebê, não chorar, mas fazendo um barulho. Então pensei, ‘que diabo é isso?’” contou Ayres, que retornou à recepção para pedir outra chave e relatar os ruídos.

“Eles (funcionários) ligaram para o quarto, mas não tinha ninguém. Eles poderiam ter me dado uma nova chave e me acompanhado, para ter certeza que ninguém estava lá, mas preferiram me dar um novo quarto… foi a coisa mais apavorante”, confessou o ala-pivô da equipe texana.

A experiência de Ayres foi confirmada por Tim Duncan, que ouviu os mesmos ruídos.

“Havia alguém ou alguma coisa no quarto dele. Tinha um bebê lá, com certeza”, confirmou.

“Não foi assustador na hora, pois parecia que tinham apenas dado o quarto errado para ele. No dia seguinte me contaram que não havia ninguém lá… nessa hora que você começa a ter calafrios”, lembrou The Big Fundamental, relembrando o acontecimento.

As histórias de fantasmas no Claremont Resort não são novidades na Bay Area. Há boatos que o local é assombrado por vários espíritos, como o de uma garotinha de seis anos, que aparentemente morreu no local. Outros antigos hóspedes, como o ex-jogador do Dallas Cowboys Dat Nguryen, já haviam relatado ruídos estranhos e perturbações no hotel. As camareiras, por sua vez, contam que, às vezes, televisores e gavetas têm vontade própria.

“Ouvi as histórias do lugar e prefiro não ficar lá outra vez”, confessou Duncan.

Spurs (42-16) vs Mavericks (36-24) – Temporada Regular

San Antonio Spurs vs Dallas Mavericks – Temporada Regular

Data: 02/03/2014

Horário: 21h00 (Horário de Brasília)

Local: AT&T Center

Cotação no Apostas Online: Spurs 1,43 (favorito) vs Mavs 2,84

Depois de duas vitórias seguidas em casa após o fim da Rodeo Road Trip, o San Antonio Spurs sedia mais um compromisso no AT&T Center. O adversário da vez é o rival texano Dallas Mavericks. Na temporada, o time de Gregg Popovich tem boa vantagem no confronto, com duas vitórias em duas partidas. Para o jogo desta segunda-feira, o alvinegro pode, enfim, contar com Tony Parker. O armador perdeu os últimos seis jogos, descansando devido a uma fadiga física e mental. De acordo com o próprio jogador, ele só precisa convencer o técnico de que está pronto para voltar à quadra. “Eu tenho treinado nos últimos dias. Sei como meu corpo vai responder. Eu espero que consiga convencê-lo”, disse o astro, ao site da NBA.

Confrontos na temporada (2-0)

26/12/2013 – Spurs 116 @ 107 Mavericks

Em seu segundo jogo em duas noites, o Spurs conseguiu uma importante vitória, fora de casa, contra o rival. O time esteve na frente no placar durante praticamente toda a partida, chegando a tomar um susto no final, mas teve calma para fechar o jogo e garantir o resultado. Vindo do banco, Danny Green se destacou com 22 pontos.

08/01/2014 – Spurs 112 vs 90 Mavs

Sem Ginobili em quadra, o Spurs conseguiu uma ótima vitória, contando com uma bela atuação de Tony Parker. Foram 25 pontos e sete assistências do armador francês no clássico texano.

PG – Tony Parker/Cory Joseph

SG – Danny Green

SF – Kahwi Leonard

PF – Tim Duncan

C – Tiago Splitter

Fique de Olho - Na ausência de Tony Parker, o Spurs conseguiu vencer cinco jogos e perdeu apenas um. Tim Duncan pode ser considerado o responsável por esses números. O ala-pivô Duncan foi o principal pontuador do time no último jogo, a vitória sobre o Charlotte Bobcats, com 17 pontos e 16 rebotes. 

PG – Jose Calderon

SG – Monta Ellis

SF – Shawn Marion

PF – Dirk Nowitzki

C – Samuel Dalembert

Fique de Olho - Mesmo tendo conseguido uma vantagem de 16 pontos sobre o Chicago Bulls, na sexta-feira, o Mavs conseguiu perder. O time anotou apenas 15 pontos no último quarto. O ala-armador Monta Ellis foi o melhor jogador da equipe, tendo marcado 20 pontos – ainda que só tenha convertido duas bolas em seis tentativas no período final.

Duncan mantém suspense sobre aposentadoria

assinatura SA Br

Os fãs do basquete e, principalmente, do San Antonio Spurs não gostariam que esse dia chegasse, mas a aposentadoria de Tim Duncan é uma realidade que se aproxima. Prestes a completar 38 anos de idade e podendo encerrar seu contrato ao fim da temporada, The Big Fundamental cada dia mais convive com o dilema sobre a hora de parar. Em entrevista à ESPN americana, o ex-treinador do Denver Nuggets, George Karl, levantou o rumor de que o camisa #21 se retiraria da liga ao fim do atual campeonato. O camisa #21, por sua vez, se irritou com o boato e prontamente desmentiu, mas sem deixar pistas sobre o seu futuro.

Timmy ainda não decidiu sobre o seu futuro após o término da temporada (NBAE/Getty Images)

Na última terça-feira, durante entrevista, o ex-treinador George Karl, que jogou em San Antonio nos anos 70, levantou boatos sobre a aposentadoria de Tim Duncan.

“Recebi alguns telefonemas, um deles de San Antonio, que diziam que Duncan vem pensando que este será o seu último ano”, revelou Karl, amigo próximo de Gregg Popovich.

“Ver o melhor e mais completo jogador de garrafão que já jogou na NBA se aposentando me deixaria muito, muito triste. Seria difícil para mim assistir o Spurs sem ele”, completou.

Dessa forma, Karl levantou a hipótese de Duncan exercer a opção de não renovar por mais um ano o seu contrato, antecipando assim sua aposentadoria. Entretanto, o experiente ala-pivô desmentiu a informação, se mostrando, inclusive, irritado com a situação, em entrevista concedida para o jornal americano San Antonio Express-News.

“Eu gostaria de saber com quem ele falou. Se eu não sei o que vou fazer, então como ele sabe? Ele que cuide de si próprio”, esbravejou Duncan, não dando pistas sobre o futuro.

“Eu não me preocupo com esse assunto”, esclareceu.

Tetracampeão da NBA, três vezes MVP das finais, duas vezes MVP da temporada regular e 14 vezes All-Star são algumas das honrarias que Timmy acumulou nos seus 17 anos de carreira. Na última terça-feira, na vitória diante do Los Angeles Clippers, o camisa #21 chegou a seu nono double-double nos últimos 13 jogos. Na temporada 2013/2014, o veterano apresenta, até agora, médias de 15,6 pontos, 10,1 rebotes e três assistências por partida.

Spurs (26-8) @ Bucks (16-14) – Sétima seguida!

117×110http://i884.photobucket.com/albums/ac50/glaglauber/Logos%20NBA/MilwaukeeBucks.jpg

O San Antonio Spurs confirmou o bom momento que atravessa e, nesta quarta-feira (2), venceu o Milwaukee Bucks, por 117 a 110. O triunfo fora de casa foi o sétimo seguido do time na temporada – a maior sequência entre todas as 30 equipes da NBA atualmente. Apesar do placar apertado no final, o jogo foi tranquilo e amplamente dominada pelos texanos.

Tim Duncan: o mito! (Gary Dineen/NBAE/Getty)

Sempre ele!

Não me canso de repetir o quão espetacular está sendo a temporada de Tim Duncan. E o veterano de 36 anos fez mais uma partida sensacional. Arrasador desde o início, Timmy encerrou a partida com números dignos de um MVP: 28 pontos, 13 rebotes, seis assistências e três bloqueios. Não é a toa que o nome do ala-pivô esteja presente nas discussões sobre o melhor jogador do campeonato.

Big Three afiado

Além de Duncan, as outras duas peças do Big Three também foram muito bem. Manu Ginobili começou lento, mas depois engrenou, encaixando ótimos passes. Tony Parker também sofreu no início, mas aos poucos conseguiu encontrar espaços para suas infiltrações características. O trio foi tão importante que os três jogadores foram os únicos a ultrapassar a barreira dos dez pontos – o francês e argentino anotaram 23 e 16, respectivamente.

Parker deu muito trabalho para a defesa adversária (Gary Dineen/NBAE/Getty)

Ele voltou…

A partida marcou o retorno de Gary Neal após pouco mais de uma semana afastado. Recuperado da contratura na panturrilha direita, sofrida na vitória sobre o Dallas Mavericks no dia 23 de dezembro, o camisa #14 anotou sete pontos, convertendo um arremesso do perímetro e duas bolas de média distância em 13 minutos jogados. Com isso, quem acabou perdendo espaço na rotação foi Nando De Colo, que só saiu do banco quando a partida estava decidida e ficou em quadra apenas por um minuto.

Sem descanso

Vencendo por quase 20 pontos, Gregg Popovich planejava dar descanso aos seus astros no último quarto e iniciou o período com uma formação reserva em quadra. Mas com bolas de 3 de Mike Dunleavy e com Brandon Jennings inspirado, o Bucks encostou em poucos minutos. Quando a diferença chegou  a sete pontos, o treinador foi obrigado a recolocar seus principais jogadores em quadra para garantir a vitória.

Funcionou, mas com isso três dos cinco titulares permaneceram em quadra por pelo menos 30 minutos: Tim Duncan (34), Tony Parker (36) e Danny Green (30). Ginobili também perdeu alguns momentos de descanso e atuou por 27 minutos.

Déjà vu?

Com isso, aumentam ainda mais as chances de Popovich poupar atletas para o jogo desta quinta, contra o New York Knicks, também fora de casa. A siutação é muito parecida com a do episódio que rendeu uma multa ao San Antonio Spurs por preservar quatro jogadores no confronto contra o Miami Heat, dia 29 de novembro. Assim como o jogo contra LeBron James e companhia, a partida contra os nova-iorquinos também será a segunda de um back-to-back (dois jogos em duas noites seguidas). Outra coincidência é o jogo ser realizado em uma quinta-feira, dia de transmissão em rede nacional norte-americana pela TNT. O que Pop vai fazer?

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Tim Duncan – 28 pontos, 13 rebotes, 6 assistências e 3 tocos

Tony Parker – 23 pontos e 11 assistências

Manu Ginobili – 16 pontos e 6 assistências

Milwaukee Bucks

Brandon Jennings – 31 pontos e 5 assistências

John Henson – 20 pontos (10-11 FG) e 9 rebotes

Mike Dunleavy Jr. – 19 pontos

Spurs (10-3) @ Pacers (6-8) – Valeu pela vitória

104×97

Sabe aquela velha frase “o importante são os três pontos”, usada à exaustão nos campos de futebol pelo Brasil? Pois seria mais ou menos o discurso dos jogadores do San Antonio Spurs após a vitória por 104 a 97 sobre o Indiana Pacers. Foi um jogo feio, sofrido, mas que no final rendeu mais um triunfo no bom começo de temporada dos texanos.

Na careta de Manu Ginobili, um retrato do que foi a partida

Pegando fogo!

Apesar dos problemas apresentados pela equipe de forma coletiva, Tony Parker teve sua melhor aparição na temporada até agora. O armador começou com tudo a partida, acertando nove de seus primeiros dez arremessos, e antes mesmo do intervalo batia a marca de 20 pontos anotados - importantíssimos para manter o time vivo durante o primeiro tempo. O camisa #9 voltou a ser o “bom e velho” Parker, infiltrando com confiança e comandando o time com suas jogadas individuais em momentos críticos. No fim, o francês deixou a quadra com 33 pontos, sua melhor marca em 2012/2013.

Sem Tony Parker, tudo estaria perdido

Apagão geral

Depois de um bom início de partida, o Spurs caiu de desempenho de forma impressionante quando os reservas começaram a entrar em quadra. O banco, importante arma em outros jogos, sofre com as ausências de Kawhi Leonard e Stephen Jackson, o que ficou claro quando a equipe sofreu a virada e deixou o rival abrir ainda no segundo quarto. O problema é que nem mesmo a volta dos titulares reestabeleceu a ordem e os texanos continuaram perdidos no terceiro período.

Passividade

Em poucas oportunidades vi um San Antonio Spurs tão passivo em quadra como no terceiro quarto contra o Indiana Pacers. Defesa frouxa, ataque bagunçado e sem movimentação e a vantagem do adversário ultrapassou os 15 pontos. A equipe só se manteve no jogo graças às jogadas individuais de Parker e do incansável Tim Duncan.

A dupla, até então, anotara mais de dois terços da pontuação de todo o time. Por incrível que pareça, a reação só começou quando Popovich chamou Matt Bonner para entrar em quadra pela primeira vez. Não o que o “Red Rocket” tenha tido uma atuação memorável, mas nos nove minutos em que ficou em quadra, o saldo foi de +6 pontos a favor do Spurs.

Gênio é gênio

Popovich começou o último quarto com uma formação estranha, com três homens grandes, Diaw, Bonner e Splitter, acompanhados de Mills e Manu, e a desvantagem caiu para apenas dois pontos. Mas uma sequência de erros ofensivos fez com que a diferença subisse novamente para 11. Foi então que brilhou a estrela do gênio argentino. Com duas jogadas consecutivas de falta e cesta, Manu colocou o Spurs de novo na rota, quando o barco já parecia afundar. A sequência levantou os ânimos dos companheiros, que a partir de então mudaram a postura, principalmente na defesa, acuando o adversário até conseguir a virada.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Tony Parker – 33 pontos e dez assistências

Tim Duncan – 22 pontos e 17 rebotes

Manu Ginobili – 19 pontos

Indiana Pacers

David West – 22 pontos e oito rebotes

Paul George – 15 pontos e quatro rebotes

Roy Hibbert – Dez pontos e 11 rebotes

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 42 outros seguidores