Arquivos do Blog

Corte deixou Neal fora contra o Knicks

(AP Photo/Don Ryan)

Corte no dedo afastou Neal de jogo contra o Knicks (AP Photo/Don Ryan)

Surpreendeu o fato do técnico Gregg Popovich ter deixado o ala-armador Gary Neal fora da rotação duirante a derrota do San Antonio Spurs para o New York Knicks. Com a ausência, o australiano Patrick Mills teve mais minutos de quadra e acabou não tendo o mesmo efeito que o companheiro na segunda unidade enviada à quadra pelo treinador. Mas a ausência de Neal não foi uma opção, e sim uma necessidade. Com um corte no dedo em sua mão de arremesso, a direita, ele não estava apto para jogar.

O corte não é novidade para Neal e quase o tirou da vitória sobre o Los Angeles Lakers na partida anterior à contra o Knicks, em informação transmitida pelo jornalista Andrew McNeill, que cobre o Spurs para o blog 48 Minutes of Hell. No duelo contra os californianos, ele atuou por só sete minutos e errou os três arremessos que tentou.

Apesar do jogo ruim diante do Lakers e da ausência contra o Knicks, Neal vem fazendo um bom começo de temporada. Vindo do banco, participou de oito partidas e colabora até o momento com médias de 10,1 pontos e 31,6% de aproveitamento quando arremessa na linha dos três. Para o duelo contra o Denver Nuggets, no sábado, o ala-armador já deverá estar apto para atuar.

Qual a melhor opção?

Encontrar um reserva confiável para Tony Parker sempre foi um problema para o San Antonio Spurs. Desde que o francês desembarcou no Texas, em 2001, poucas vezes pôde ir descansar tranquilo durante as partidas. Na função de substituir o francês, muitos já passaram; alguns com mais sucesso, outros com menos, mas entra ano e sai ano e este é um problema que volta à tona.

E quando ele tiver que descansar?

Terry Porter, Speedy Claxton, Jason Hart, Nick Van Exel, Beno Udrih e Jacque Vaughn tiveram a missão, antes de George Hill assumi-la em 2008 e solucionar temporariamente o problema. Mas com a troca do armador para o Indiana Pacers, na negociação que trouxe Kawhi Leonard ao Spurs, em 2011, Gregg Popovich estava novamente com o abacaxi nas mãos para descascar.

O início animador de T.J. Ford na última temporada empolgou os torcedores, que viram no armador um reserva à altura para Tony Parker. Mas um problema crônico na coluna forçou a precoce aposentadoria de Ford e deixou o Spurs sem um substituto para o astro francês, já que Cory Joseph, draftado em 2011, ainda estava muito cru para a NBA.

Neal foi usado na armação na última temporada

A solução encontrada por Popovich foi improvisar Gary Neal na posição, opção mantida durante toda a temporada, mesmo após a chegada do australiano Patrick Mills ao elenco.

Para 2012/2013, o treinador terá novas opções para dar valiosos minutos de descanso à Parker. Primeiro porque Mills está mais ambientado ao esquema tático e vem cheio de confiança depois da boa participação nas Olimpíadas de Londres, liderando a seleção da Austrália.

Outra opção para Pop é o novato Nando De Colo, que já nos jogos de pré-temporada mostrou visão de jogo acima da média e está disponível para atuar como armador principal se necessário.

A escolha de Popovich, no entanto, deve ser mesmo Gary Neal. O treinador já deu declarações que deve manter o ala-armador improvisado na posição, pelo menos no início da temporada. Então Mills e De Colo terão de correr atrás de seus minutos.

Mas manter Neal improvisado como reserva imediato na armação não me parece a melhor decisão quando se tem outros jogadores com características mais condizentes com a função. Não que ele tenha ido mal quando exigido – até conseguiu executar bem o “feijão com arroz” -, mas Neal claramente não tem o “cacoete” de armador.

O ponto forte de seu jogo é o arremesso e atuar na posição 1, sendo obrigado a iniciar as jogadas ofensivas, acaba sacrificando muito sua principal arma. Com a bola nas mãos, Neal tem visão de jogo limitada e, muitas vezes, acaba tomando decisões erradas, forçando chutes desnecessários.

Mills irá para sua segunda temporada em San Antonio. Chegou a hora de brilhar?

Armador de origem, Mills me parece pronto para ter uma oportunidade. Com ótimo controle de bola e habilidade para pontuar, tem características mais parecidas com as de Parker. Depois do período de adaptação que passou na última temporada, entrosamento não deve ser mais um problema.

De Colo também está mais habituado à função do que Neal. O francês se acostumou a jogar com a bola nas mãos durante seu período na Espanha, e, embora seja menos pontuador que Parker, é um excelente passador.

Popovich é um técnico teimoso e quando coloca algo na cabeça é difícil mudar de ideia. Mills e De Colo terão de mostrar no dia a dia, nos treinos e durante as partidas, que podem assumir a posição. Mais até que o trabalho ofensivo, terão de provar evolução defensiva para deixar o técnico com uma boa “dor de cabeça” na hora de decidir a rotação.

Mills e o bem para Parker e Manu

A melhor notícia para o San Antonio Spurs nessa entressafra de temporadas talvez tenha sido a renovação de contrato do armador Patrick Mills. Sem muitas chances nos playoffs depois de chegar no time quase na reta final da temporada regular, ele terá finalmente a preparação adequada para poder exercer aquela função que a franquia busca faz algum tempo: o armador reserva de Tony Parker.

Com uma pré-temporada inteira com o time e mais ciente das armações que Gregg Popovich faz com a equipe, o australiano poderá render mais. Mas acredito que ele não será fator crucial na rotação de Parker. A presença de Mills poderá ser ainda mais importante para que outro membro do Big Three consiga jogar mais e melhor. Falo de Manu Ginobili.

Divulgação

Mills poderá ser o elo por atuações ainda melhores de Parker e Manu

Nos poucos jogos que fez pelo Spurs e nos outros que já havia feito pela NBA – além de seus presenças defendendo a Austrália –, Mills deixou claro seu funcionamento dentro de quadra. Exímio arremessador, funciona como espécie de combo guard, jamais como armador puro. Características semelhantes às de Parker, mas que fazem dele mais do que um reserva necessário. Transformam o australiano em um ótimo complemento para Manu e peça crucial na formação de uma segunda unidade mais confiável.

Mills não conduzirá a bola e criará jogadas para os outros. Seu aproveitamento na linha dos três pontos é que fará dele peça-chave na rotação. Sem o poder de infiltração de Parker, ele deverá revezar com Ginobili como armador principal da segunda unidade. Faz o Spurs ter mais opções de jogadas de longa distância, o que é essencial. Para se ter uma ideia, no pouco tempo de quadra que teve na temporada 2011/2012, o armador converteu 24 dos 56 chutes de três que tentou com a camisa do Spurs. Uma média que deve fazer Popovich pensar em mais jogadas que possam ser finalizadas por ele.

O australiano, mesmo não sendo uma estrela, será essencial para tirar o peso das costas de Ginobili quando ele for a principal referência do perímetro. Não deverá ter um tempo de quadra muito extenso, principalmente com o crescimento esperado de Kawhi Leonard e a manutenção – também esperada – da boa fase de Gary Neal. E Pop sabe que apenas uma rotação muito bem feita, com diferentes alternativas e sem sobrecarga nos astros, será capaz de colocar o Spurs no patamar do Los Angeles Lakers e do Oklahoma City Thunder.

Se os rivais largam na frente pela quantidade de talento que possuem em seus elencos, aos poucos o Spurs mostra que a chave para seu sucesso não passará apenas por seus craques. Popovich sabe que depende muito dos coadjuvantes para ir longe na temporada.

3 pontos

- Mills é muito mais jogador do que Cory Joseph atualmente. A renovação dele foi um tiro certeiro da diretoria.

- A presença de Mills favorece também uma adaptação mais gradual de Nando de Colo.

- Se por um lado é uma pena que Rafael Hettsheimeir não tenha assinado com o Spurs, por outro é essencial que ele mantenha seu jogo em evolução. E isso ele fará mais na Europa do que na NBA, sem dúvidas.

Quase tudo pronto…

A temporada 2012/2013 se aproxima e, enquanto algumas equipes ganham a mídia formando elencos badalados, o San Antonio Spurs segue sua rotina discreta e deve iniciar a pré-temporada sem grandes novidades. Mas, enquanto as atenções se voltam para o esquadrão formado pelo Los Angeles Lakers, no Oeste, e a constelação do Miami Heat, no Leste, pouca gente notou que os texanos foram irrepreensíveis durante esta offseason.

O elenco que chegou à final do Oeste no último campeonato foi inteiramente mantido. Tidos como prioridades, Boris Diaw e Danny Green acertaram rapidamente novos contratos com o Spurs. Depois foi a vez de Patrick Mills, Gary Neal e DeJuan Blair também firmarem novos acordos e se garantirem, pelo menos por mais uma temporada, no Texas.

Com Green e Diaw, elenco do Spurs ganha em opções e em versatilidade

A única baixa foi a saída de James Anderson, que não correspondeu às expectativas e acabou sendo liberado após duas temporadas pouco produtivas sob o comando de Gregg Popovich. Para compensar, a diretoria buscou o francês Nando De Colo, que estava atuando pelo Valência, na Liga Espanhola, e será a única cara nova no elenco.

Com isso, o San Antonio Spurs conta com 14 jogadores sob contrato, um a menos do que o limite permitido pela NBA. No quadro abaixo, um rascunho de como deve funcionar a rotação de Popovich durante a temporada.

PG

Tony Parker

Patrick Mills

Cory Joseph

SG

Danny Green

Manu Ginobili

Nando De Colo

SF

Kawhi Leonard

Stephen Jackson

Gary Neal

PF

Boris Diaw

Matt Bonner

DeJuan Blair

C

Tim Duncan

Tiago Splitter

 -

No quinteto titular, nada deve mudar em relação à temporada passada. A estratégia de voltar a usar Manu Ginobili vindo do banco de reservas funcionou e deixou o Spurs com uma interessante formação inicial defensiva, além de fortalecer a chamada “segunda unidade” com a presença do argentino.

Mills tem a missão de dar descanso a Parker

Entre os reservas, além de Ginobili – que, muitas vezes, deve ter mais minutos em quadra que o titular Danny Green -, devemos observar o crescimento de duas peças em especial.

Primeiro Patrick Mills, reserva imediato de Tony Parker, mas que, por ter chegado com a última temporada em andamento e ter tido pouco tempo de adaptação, acabou sendo pouco utilizado nos jogos mais importantes. No entanto, quando requisitado, mostrou capacidade.

Agora, com um período maior de treinamento com os companheiros, o australiano terá mais tempo para aprender o rígido sistema tático e deve ser acionado mais vezes por Gregg Popovich para dar descanso a Parker.

Outro que deve ver seus minutos crescerem é Tiago Splitter. O brasileiro vai para sua terceira temporada na NBA e, no ano passado, mostrou amadurecimento. Com a idade cada vez mais avançada, Tim Duncan, aos poucos, vai ficando menos tempo em quadra e ter um substituto confiável é fundamental.

Quem começa a temporada tendo de correr atrás do prejuízo é DeJuan Blair. De titular no início da temporada, o ala-pivô afundou no banco de reservas durante os playoffs. Pouco aplicado na defesa e acima do peso, perdeu a confiança do treinador e agora precisa recuperar seu espaço na rotação.

Em circunstâncias diferentes, mas também tendo de conquistar a confiança de Popovich, Cory Joseph também precisa mostrar serviço. Escolhido no Draft de 2011, ainda era considerado muito “cru” para atuar na NBA. Por isso, passou quase toda a última temporada na D-League. Com a possível evolução de Mills e ainda com Gary Neal podendo ser improvisado na armação, não me espantaria se o jovem fosse enviado novamente para a Liga de Desenvolvimento.

Eis aqui a única cara nova…

Para o novato Nando De Colo, as chances devem surgir aos poucos e tudo dependerá de sua adaptação. Versátil, pode ganhar minutos até mesmo na armação, se Mills não cair nas graças de Popovich. Mas também deve ganhar oportunidades principalmente nas partidas em que Manu Ginobili for poupado, ou algum jogador de perímetro estiver afastado por contusão.

Resta ainda uma vaga no elenco texano e rumores mais recentes dão conta que a diretoria está de olho no ala Josh Howard. Mas com um elenco bem equilibrado, os cartolas não precisam ter pressa. Uma presença física e defensiva no garrafão ainda me parece a maior carência do plantel, bem servido no perímetro.

Entre os cotados, Kyrylo Fesenko, analisado na coluna de Lucas Pastore, é uma boa opção. Até o nome de Greg Oden já rondou o Texas, mas não me parece o tipo de aposta que o Spurs faria.

Se não acertar com nenhum nome mais conhecido, a escolha deve ser um nome mais modesto vindo da D-League ou algum jogador que tenha se destacado na Liga de Verão.

Independente de quem preencha a última vaga, a força do elenco seguirá como a principal arma do Spurs para a próxima temporada. Se com as chegadas de Steve Nash e Dwight Howard o Lakers esboçm o melhor quinteto inicial da NBA, os texanos têm um dos melhores e mais equilibrados plantéis de toda a liga. Por isso não há o que temer. Já está quase tudo pronto e quem venha a temporada 2012/2013.

Quinta rodada cheia de surpresas

A última rodada da fase eliminatória do basquete masculino das Olimpíadas de Londres, que aconteceu nesta segunda-feira (6), reservou algumas surpresas envolvendo jogadores do San Antonio Spurs. Patrick Mills, por exemplo, acertou uma cesta incrível nos segundos finais, e o Brasil, de Tiago Splitter, ganhou um jogo que ninguém queria ganhar.

Tiago fez 11 pontos contra a Espanha. Foto: Inovafoto

A rodada começou com uma atuação não muito convincente de Patrick Mills, da seleção australiana, contra a até então imbatível Rússia. O armador reserva do Spurs, que havia feito 38 pontos em sua última partida, acertou apenas cinco arremessos que tentou, errando outros 11. No entanto, nos segundos finais do jogo, com a Austrália perdendo por um ponto, Patty se redimiu e acertou um arremesso de três no estouro do cronômetro.

A zebra, então, foi consumada com o placar de 82 a 80 para os australianos, com seu armador terminando a partida com 13 pontos. Como o resultado não fez nenhuma diferença no posicionamento dos dois times (Austrália em quarto e Rússia em primeiro), a seleção de Mills encara os Estados Unidos nas quartas de final.

Spurs francês

Já a França, de Tony Parker, Nando De Colo e Boris Diaw, teve dificuldades para bater a Nigéria. O camisa 9 teve uma fraca apresentação, marcando apenas três pontos e acertando apenas 16% do seus arremessos. Para compensar a mão descalibrada, o armador conseguiu distribuir sete assistências.

Mills foi o grande responsável pela zebra na quinta rodada |Fotos:Getty Images.

De Colo, por sua vez, contribuiu bem com o time com seus oito pontos, quatro assistências e quatro roubos de bola. Diaw, que chegou a ficar zerado no jogo passado, dessa vez alcançou uma pontuação de dois dígitos. O ala-armador fez dez pontos, além ter coletado seis rebotes e, com sua ótima visão de jogo, conseguido quatro assistências. O placar final foi 79 a 73. Os franceses encaram a Espanha nas quartas de final. 

Vitória amarga

O jogo entre Brasil e Espanha era uma franca disputa para definir o segundo e terceiro  lugares do Grupo B. No entanto, como os Estados Unidos já estava praticamente definido como primeiro colocado do Grupo A, quem ficasse em segundo do B teria, na teoria, os americanos pela frente nas semifinais.

Dito isso, seria óbvio que nenhum dos dois times tivesse muito interesse na vitória. Mas não foi o que pareceu nos primeiros minutos. Os irmãos Pau e Marc Gasol, da Espanha, pontuaram muito bem, dificultando a vida de Tiago Splitter, pivô do San Antonio Spurs, que tentava marcar a dupla.

Porém, no decorrer do jogo, ambos os times passaram a usar mais os seus suplentes. O Brasil, que já não tinha o poupado Nenê, passou a utilizar jogadores do elenco que não ficam tanto tempo em quadra, como Caio Torres e Raulzinho. No placar, nenhum dos dois países conseguia se distanciar do outro, deixando a definição para o último quarto.

Como Caio estourou o limite de cinco faltas, Tiago teve de passar praticamente todo o período final em quadra. O pivô contabilizou 11 pontos, seis rebotes e três assistências. Com uma sequência de bolas de três pontos, a seleção brasileira conseguiu abrir certa diferença, o que fez com que ambos os times convocassem seus titulares de volta à quadra, ou pelo menos parte deles. A Espanha não conseguiu tirar a diferença, perdendo a última etapa do jogo por 31 a 16 e a partida por 88 a 82. Como ficaram na segunda posição, os brasileiros enfrentam os argentinos na próxima fase.

Por último, duelaram os últimos dois campeões olímpicos, Estados Unidos e Argentina. Manu Ginobili foi o cestinha da seleção sul-americana com 16 pontos, além de ter distribuído seis assistências e coletado cinco rebotes. Nada disso foi suficiente para parar os medalhistas de ouro em Pequim-2008. Três jogadores americanos conseguiram superar a marca de pontos do ala-armador (Kevin Durant, LeBron James e James Harden).

Durante os dois primeiros quartos, os dois times disputaram ponto a ponto. Mas, a partir da segunda metade do jogo, os americanos, liderados por Kevin Durant, se distanciaram no placar. O técnico Júlio Lamas percebeu que a derrota seria inevitável e poupou seus astros para o duelo com os brasileiros, e a Argentina acabou perdendo por 126 a 97.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 50 outros seguidores