Arquivo diário: 02/02/2013

Spurs (37-11) vs Wizards (11-34) – Temporada Regular

San Anonio Spurs vs Washington Wizards – Temporada Regular

Data: 02/02/2013

Horário: 23h30 (Horário de Brasília)

Local: AT&T Center, San Antonio

Vindo de uma série de nove vitórias consecutivas, o San Antonio Spurs joga sua última partida em casa antes de iniciar a Rodeo Tripperíodo no qual a equipe joga uma série de partidas longe dos seus domínios, que estão sendo ocupados com o San Antonio Stock Show & Rodeo, festival tradicional da cidade texana. O adversário da vez é a frágil equipe do Washington Wizards, que possui a pior campanha da NBA ao lado do Charlotte Bobcats.

Confrontos na temporada (1-0)

26/11/2012 – Spurs 118 @ 92 Wizards

O Spurs passou pela equipe de Washington sem muitas dificuldades, em um excelente esforço coletivo da equipe. O brasileiro Tiago Splitter, na época recém promovido ao quinteto titular, saiu da partida com sólidos números de 15 pontos e 12 rebotes.

PG – Tony Parker

SG – Danny Green

SF – Kawhi Leonard

PF – Tim Duncan

C – Tiago Splitter

Fique de olho - Splitter assumiu a titularidade e tem mostrado um bom desempenho na função. Com a chegada de Aron Baynes, o pivô brasileiro precisa manter o bom nível das atuações para mostrar que merece continuar recebendo uma boa quantia de minutos.

PG – John Wall

SG – Garrett Temple

SF – Martell Webster

PF – Nenê

C – Emeka Okafor

Fique de Olho - O armador, que foi primeira escolha de Draft, começou muito bem sua primeira temporada, mas não conseguiu evoluir seu jogo e elevar o patamar da franquia de Washington. Mesmo assim, Wall pode dar trabalho com suas infiltrações e roubos de bola.

D-League não é o fim do mundo

A maneira com que o San Antonio Spurs tem lidado com seus novatos vindos de fora dos Estados Unidos tem assustado um pouco os fãs da franquia. Isso porque o francês Nando de Colo rapidamente encantou os torcedores com suas habilidades na hora do passe, enquanto o australiano Aron Baynes chegou como esperança de melhorar a defesa de garrafão da equipe. No entanto, ao longo da temporada, os dois jogadores foram enviados para o Austin Toros, time da D-League, a liga de desenvolvimento da NBA, filiada à franquia texana. Mas, acredite: a aparente despromoção não é o fim do mundo.

É a vez de Baynes passar pela D-League (D. Clarke Evans/NBAE/Getty Images)

Não é segredo para ninguém que o treinador Gregg Popovich não costuma dar muito espaço para seus novatos na rotação. Foi assim com George Hill, DeJuan Blair, Tiago Splitter e até com Kawhi Leonard, que só assumiu a titularidade na última temporada com a saída de Richard Jefferson e, mesmo assim, perdeu espaço ao longo dos playoffs. Porém, De Colo e Baynes têm uma dificuldade a mais do que seus colegas na briga por afirmação: nunca o elenco do Spurs foi tão rico em opções.

Para conseguir seus minutos, De Colo precisa brigar com Tony Parker, Manu Ginobili, Danny Green e Gary Neal, jogadores já estabelecidos nas posições 1 e 2, além de Patrick Mills, que também procura seu espaço. No garrafão, o panorama não é muito diferente para Baynes, que disputa tempo de quadra com Tim Duncan, Boris Diaw e Matt Bonner, além dos já citados Splitter e Blair.

A situação dos dois, no entanto, é bem diferente da de Cory Joseph, por exemplo. O armador foi uma aposta ousada do Spurs na primeira rodada do Draft de 2011, mas ainda era um jogador cru no momento de sua chegada em San Antonio. Por isso, o canadense joga pelo Toros para se desenvolver. E parece estar funcionando: entre as duas temporadas, o camisa #5 pulou de 13,8 pontos (45,9% FG, 36,7% 3 PT, 92,3% FT), 5,1 rebotes e 5,1 assistências para 19,9 pontos (46,0% FG, 41,7% 3 PT, 80,2% FT), 5,5 rebotes e 4,8 minutos por exibição na D-League.

Joseph, no entanto, é de uma escola em que o Spurs não tem encontrado sucesso. Apelando para universitários no Draft e tentando explorar seu potencial, a franquia texana não conseguiu bons resultados com jogadores como Malik Hairston, Jack McClinton e, mais recentemente, James Anderson. No entanto, a equipe é unanimidade na hora de detectar talento internacional, casos de De Colo e Baynes.

O armador francês e o pivô australiano não precisam da D-League para desenvolver seu jogo. Os dois são atletas prontos. Precisam, sim, usar o Toros para ganhar ritmo de jogo. Isso porque, apesar da riqueza de opções de Pop, os dois têm características escassas no elenco texano. E, por isso, o treinador pode precisar deles a qualquer momento.

Não sou o primeiro a tocar no assunto. Leonardo Sacco, meu colega de Spurs Brasil, acha que De Colo pode se beneficiar da D-League. A opinião é parecida com a de Bruno Pongas, do blog Destino Riverwalk. O francês e o australiano deverão passar mais tempo na D-League até o fim da temporada. E não será o fim do mundo.

Parker é eleito o jogador do mês do Oeste e faz história

Nesta sexta-feira (1º), a NBA anunciou que Tony Parker, armador do San Antonio Spurs, foi eleito o melhor jogador de janeiro da Conferência Oeste. Com isso, o francês se tornou apenas o quinto jogador da história da franquia texana a levar o prêmio, e o primeiro desde que Tim Duncan foi o escolhido em abril de 2002.

Brilha, Parker! (D. Clarke Evans/NBAE/Getty Images)

Ao longo de janeiro, Parker apresentou médias de 21,9 pontos e 7,9 assistências em 33,3 minutos por exibição, ficando na nona colocação em toda a NBA no primeiro fundamento e em sétimo no segundo. O francês acertou 56,3% de seus tiros de quadra no período, ficando em nono na liga e em primeiro se considerarmos apenas atletas que atuam nas posições 1 e 2.

Além disso, em janeiro, Parker anotou cinco duplos-duplos, marcou ao menos 20 pontos em 12 dos 15 jogos que o Spurs fez no mês e passou da marca dos 30 em duas partidas. No período, a equipe texana sofreu apenas três derrotas, triunfando em 12 oportunidades.

Na temporada, Parker tem médias de 20,1 pontos (11º melhor da NBA na temporada) e 7,5 assistências (sétimo) em 32,7 minutos por exibição. Seu aproveitamento de 53,2% nos tiros de quadra é o 17º melhor da liga, e seu desempenho nos lances livres, acertando 81,1% dos arremessos, é o melhor de sua carreira.

Parker é o único jogador da NBA ao ter médias de pelo menos 20 pontos e sete assistências por jogo acertando no mínimo 80% dos lances livres e 50% dos tiros de quadra. O desempenho monstruoso fez o armador francês aparecer na quarta colocação na corrida para o MVP no site oficial da NBA.

Pela Conferência Leste, LeBron James, ala do Miami Heat, foi eleito o jogador do mês.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 47 outros seguidores