Arquivo mensal: outubro 2010

Spurs (1-0) vs Hornets (2-0) – Temporada Regular

San Antonio Spurs vs New Orleans Hornets – Temporada Regular

Data: 30/10/2010

Horário: 22:30 (Horário de Brasília)

Local: AT&T Center

Situação do Jogo

Após uma boa vitória, o San Atonio Spurs agora enfrenta no último jogo desse mês o embalado New Orleans Hornets. O time texano mostrou uma nova face nessa primeira vitória contra o Indiana Pacers, com o time muito forte no ataque, marcando 122 pontos, e permitindo que o adversário marcasse mais de 100, o que normalmente não acontece no sistema com forte defesa do técnico Gregg Popovich. O time ainda não contará com o pivô brasileiro Tiago Splitter, que pode estrear na segunda, jogando fora de casa contra o Los Angeles Clippers, e com Matt Bonner, que sofreu uma lesão no jogo passado que o manterá fora do time por pelo menos dez dias. O Hornets busca manter sua invencibilidade após uma boa vitória sobre o Denver Nuggets na noite anterior.

Foto em nba.com

PG – Tony Parker

SG – Manu Ginobili

SF – Richard Jefferson

PF – Tim Duncan

C – DeJuan Blair

Fique de Olho – Duncan mostrou na primeira partida que ainda é um dos melhores de sua posição na liga. Mesmo ainda não estando com o parceiro ideal, tendo Blair como pivô, ele mostrou todo seu poderio de ataque. Duncan anotou 23 pontos, 12 rebotes, quatro bloqueios e três roubos de bola e acertou dez dos 12 arremessos que fez no jogo inaugural.

Foto em nba.com

PG – Chris Paul

SG – Marco Belinelli

SF – Trevor Ariza

PF – David West

C – Emeka Okafor

Fique de Olho – Com o astro da equipe Paul pedindo para sair do time, West assim se torna a grande referência do time em quadra e principal ídolo da torcida. No Hornets desde 2003  e fã declarado de Duncan, West tem médias de 19,5 pontos, sendo por enquanto o cestinha da equipe.

Ao ataque!

Um dos leitores mais fieis deste blog, Leo comentou minha coluna da semana passada, na qual falei sobre a dificuldade que o San Antonio Spurs encontra para achar no mercado um ala com características parecidas com as de Bruce Bowen. A pergunta na caixa de comentários era: já que não temos essa peça, por que não mudar o esquema tático? Ao menos na estreia da equipe na temporada 2010/2011 da NBA, contra o Indiana Pacers, tivemos indícios de que isso pode acontecer.

Este é Gregg Popovich, em meio à sua busca paranóica por um bom arremessador

Como nenhum dos quatro jogadores do elenco do Spurs que podem atuar na posição três – Richard Jefferson, James Anderson, Bobby Simmons e Alonzo Gee – é especialista em defesa, Gregg Popovich pode estar disposto a concentrar os esforços de sua equipe no ataque. Não à toa, seis atletas do time chegaram a dígitos duplos na pontuação diante do Pacers: além de Jefferson (16) e do novato Anderson (10) – primeira e segunda opções de Pop, respectivamente, para a posição – Tim Duncan (23), Manu Ginobili (22), Tony Parker (20) e George Hill (16) pontuaram bem.

É bem verdade que o Pacers não está entre os adversários mais fortes da liga, o que pode ter contribuído para uma pontuação tão alta. Mas, nas últimas temporadas, foi raro ver o Spurs chegar a 122 pontos, e mais raro ainda ver a equipe texana permitindo que o adversário anotasse 109. Mais uma prova de que talvez o ataque do time esteja entre as prioridades de Pop para a próxima temporada.

Outro indício de uma possível nova estratégia do treinador é a utilização do ala-pivô DeJuan Blair como titular. O jogador é um excelente pontuador, sabe jogar embaixo da cesta como ninguém, coleciona rebotes ofensivos, mas na defesa deixa a desejar – principalmente por conta de sua baixa estatura. Talvez Antonio McDyess seja um melhor defensor, mas os pontos que Blair adiciona no ataque parecem ter convencido Gregg Popovich de que ele merece um lugar na equipe titular.

Enquanto pode estar implementando uma estratégia nova na equipe, Pop ainda não desistiu de encontrar o “novo Bruce Bowen”. Aproveitando a facilidade do jogo contra o Pacers, colocou Anderson para marcar o principal pontuador adversário, Danny Granger, sempre que o garoto estava em quadra. O novato teve dificuldades na defesa, mas mostrou ser bom pontuador e, se evoluir na marcação, pode tornar-se grande opção para o time.

Spurs (1-0) vs. Pacers (0-1) – Direto ao ataque

122X109

Com um ataque arrasador, o San Antonio Spurs conseguiu vencer na estréia  de 2010/2011 contra o Indiana Pacers, chegando a 13 vitórias em 14 partidas de abertura de temporada sob o comando de Gregg Popovich.

E assim se inicia a tão aguardada temporada (Foto por Billy Calzada/Express-News)

A equipe titular foi a mesma da pré-temporada, com Tony Parker, Manu Ginobili, Richard Jefferson, Tim Duncan e DeJuan Blair. O time começou forte no ataque, e logo conseguiu uma boa vantagem no placar. Com esse poderio ofensivo, os donos da casa fecharam à frente o primeiro quarto em 37 a 31.

Duncan mostrou que ainda tem muita lenha pra queimar (Foto por Billy Calzada/Express-News)

No segundo período, a partida ficou mais parelha, com o Pacers conseguindo passar pela defesa do Spurs que acabou relaxando e pemitiu a vitória nesse tempo dos visitantes, que esncostaram no placar e foram para o intervalo com 66 a 65.

No retorno dos vestiários, as duas equpes voltaram com maior ímpeto na defesa, deixando o jogo um pouco mais lento. Perto do final do terceiro quarto, Matt Bonner deixou a quadra com uma lesão no tornozelo direito e deve desfalcar a equipe nos próximos jogos. Após isso, o Spurs conseguiu ainda fechar à frente por 92 a 89.

No período derradeiro, o San Antonio mostrou sua força dominando o início com uma corrida de 18 a 4, não permitindo que o Indiana conseguisse reagir, e acabou vencendo a partida pelo placar de 122 a 109, o maior número de pontos em uma estréia desde a temporada 1991/92, quando o trio formado por David Robinson, Terry Cummings e Sean Elliott venceu o Dallas Mavericks por 140 a 99.

Destaques da partida

San Antonio Spurs

Tim Duncan – 23 pontos, 12 rebotes, quatro bloqueios, três roubos de bola e 83,3% (10-12) nos arremessos de quadra

Manu Ginobili – 22 pontos, quatro assistências e 55,5% (5-9) nos arremessos de três pontos

Tony Parker – 20 pontos, nove assistências e três roubos de bola

George Hill – 16 pontos

Richard Jefferson – 16 pontos

James Anderson – Dez pontos

Indiana Pacers

Roy Hibbert – 28 pontos, nove rebotes, três bloqueios e 58,8% (10-17) nos arremessos de quadra

Danny Granger – 26 pontos

Darren Collison -19 pontos e sete assistências

Josh McRoberts – 11 pontos, seis rebotesm e 83,3% (5-6) nos arremessos de quadra

Spurs (0-0) vs. Pacers (0-0) – Temporada Regular

San Antonio Spurs vs. Indiana Pacers – Temporada Regular

Data: 27/10/2010

Horário: 22:30 (Horário de Brasília)

Local: AT&T Center

Situação do Jogo

O San Antonio Spurs iniciará sua caminhada na temporada regular enfrentando em casa o Indiana Pacers. O técnico Gregg Popovich decidiu manter 14 jogadores no plantel, em vez de 13, o mínimo exigido pela NBA, e mudou de ideia em relação à pré-temporada, garantindo assim contratos para o armador Garrett Temple e os alas Bobby Simmons e Alonzo Gee. O Spurs ainda não terá a estréia do pivô brasileiro Tiago Splitter, lesionado desde os terceiro dia de treinos. O Pacers busca uma melhor temporada após trocas e o draft de grandes promessas. O ala Danny Granger é dúvida, com uma lesão no tornozelo esquerdo.

Foto em nba.com

PG – Tony Parker

SG – Manu Ginobili

SF – Richard Jefferson

PF – Tim Duncan

C – DeJuan Blair

Fique de Olho – Iniciando a temporada regular como titular pela primeira vez desde 2006/07, o argentino Ginobili sai do posto de protagonista dos reservas para se juntar aos seus companheiros do trio Parker e Duncan no time titular e torná-lo mais forte, passando seu posto de sexto-homem ao jovem promissor combo guard George Hill.

Foto em nba.com

PG – Darren Collison

SG – Mike Dunleavy

SF – Danny Granger

PF – Josh McRoberts

C – Roy Hibbert

Fique de Olho – Collison, adqurido do New Orleans Hornets por meio de troca em agosto, foi a grande aquisição do Pacers durante a offseason, sendo a esperança de resolver um problema crônico na armação do time. Com alguns problemas pra se adaptar ao novo sistema de jogo durante a pré-temporada, o armador pode fazer uma boa temporada assim que conseguir se encaixar na equipe.

Hill substitui Ginobili no posto de sexto-homem

http://i689.photobucket.com/albums/vv251/peskinha/barras/glauber-noticias.jpg

Foto por Edward A. Ornelas/Express-News

O ala-armador argentino Manu Ginobili recebeu no início da pré-temporada novidades do técnico Gregg Popovich que ele achou agradáveis e inesperadas. Pela primeira vez desde 2006/07, Ginobili estará na equipe titular quando a temporada iniciar, nesta quarta-feira contra o Indiana Pacers.

Essa mudança aconteceu com o crescimento do armador, que vai para sua terceira temporada. Agora, George Hill pode ocupar o lugar de sexto-homem da maneira que Ginobili fazia, dando estabilidade aos reservas.

“Eu não sou de forma alguma como Manu,” disse Hill, que terminou empatado na segunda posição pelo MIP (jogador que mais evoluiu) da última temporada. “Gostaria apenas de trazer as mesmas coisas que ele trazia – muita intensidade, muita energia.”

Hill, que teve seu contrato extendido até 2011/12, foi titular em 43 jogos na temporada anterior, com médias de 15.3 pontos jogando nas posições 1 e 2. Em 35 partidas como reserva, Hill teve médias de 8.7 pontos, apesar de que a queda pode ser atribuída à uma diminuição no tempo em quadra nessa situação.

Foto por Kin Man Hui/Express-News

Apesar de Hill ter feito uma pré-temporada ruim, na qual errou 30 de 39 arremessos de quadra e 15 de 16 dos três pontos, Popovich continua confiente no que ele pode adicionar ao banco do Spurs.

“Vindo do banco, você quer jogadores que entrem e adicionem algo rápido,” disse Popovich. “No caso de George, ele é muito bom nos dois lados da quadra. Ele será importante para nós vindo do banco”, completou o treinador.

Existem ainda algumas questões pra saber se ele é a pessoa certa para esse papel de vir do banco. Diferente de Ginobili, um dos melhores na liga para criar arremessos para si e para seus companheiros, Hill tem um resultado melhor quando outros criam para ele. Mais da metade de seus 353 arremessos na temporada passada foram por meio de assistências.

Para Ginobili, a atração de ser o sexto-homem é a liberdade de criar.

“Eu sei que quando estou com os reservas, o time está de certo modo jogando para mim, eu sou tipo “O Cara” em quadra”, declarou.

O que Hill fizer durante seu tempo como “O Cara” em quadra determinará as decisões sobre a escalção do time durante a temporada. Se ele conseguir cumprir o papel como Ginobili fazia, o Spurs pode ter conseguido um novo candidato ao Sexto-Homem do Ano e um novo ala-armador titular.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 47 outros seguidores